03 agosto 2017

[Resenha] Legend - Por Marie Lu



Título: Legend
[Legend #1]
Autor (a): Marie Lu
Páginas: 256
Editora: Rocco
Skoob || Compre || Encontre

Sinopse: O que antes for a o Oeste dos Estados Unidos é agora o lar da República, uma nação perpetuamente em guerra com seus vizinhos. Nascida em uma família de elite em um dos distritos mais ricos da República, a adolescente de quinze anos June, é um prodígio prometida ao sucesso no mais alto círculo militar do país. Nascido nas favelas, o adolescente Day é o criminoso mais desejado do país. Mas sua motivação pode não ser tão maliciosa quanto parece. De mundos muito diferentes, June e Day jamais cruzariam o caminho do outro, até o dia em que o irmão de June, Metias, é assassinado e Day se torna o principal suspeito. Presos em um jogo de gato e rato, Day está correndo para salvar a vida de sua família, enquanto June deseja vingar a morte de Matias. Mas em uma chocante reviravolta, os dois descobrem a verdade sobre o que realmente os uniu, e até onde seu país está disposto a ir para guardar seus segredos.

Trata-se de uma distopia que se passa na cidade de Los Angeles. June nasceu em uma família rica e sempre teve todos os privilégios que o dinheiro pode proporcionar. Seus pais faleceram quando ela ainda era muito nova, momento a partir do qual ela passou a ser criada pelo irmão, o Metias. Aos 15 anos, June já é uma veterana na melhor universidade de Los Angeles e seu futuro é promissor.

"Não conheci nossos pais tempo bastante para sentir falta deles como Metias. Sempre que choro por causa da morte deles, choro porque não tenho nenhuma lembrança dos dois, apenas lembranças nebulosas de pernas compridas de adultos se movimentando no nosso apartamento, ou de mãos me erguendo da minha cadeirinha de criança. E só isso. Todas as demais lembranças de minha infância, ao olhar para a plateia quando recebo um prêmio, ao tomar sopa feita para mim quando adoeço, ou ser posta na cama, são de Metias."

Do outro lado temos Day, um garoto de 15 anos nascido em uma família pobre, e, que rouba para ajudar no sustento da família. Tornou-se o criminoso mais famoso da República por nunca ter sido capturado. Até que um dos seus familiares fica doente e ele não tem dinheiro suficiente para comprar o medicamento, então decide invadir o hospital para roubá-lo.

"Em outras palavras: a República não tem ideia da minha aparência. Parece que eles não sabem quase nada sobre mim, exceto que sou jovem e que, quando verificam minhas impressões digitais, não encontram em seu banco de dados nenhuma que corresponda. É por isso que me odeiam, porque não sou o criminoso mais perigoso do país,  e sim o mais procurado. Eu faço com que eles pareçam ineficientes, pois não conseguem me capturar."

Metias, o irmão da June, é um Capitão, e sua missão naquela noite era supervisionar a entrega de um vírus em mutação no laboratório de Los Angeles, que fica localizado dentro do hospital.

Mais tarde, naquela mesma noite, June recebe a notícia de que Metias foi assassinado e que o principal suspeito é Day, o criminoso mais procurado da República. Agora seu principal objetivo é caçá-lo e fazê-lo pagar pela morte do último parente que lhe restava.

"- Você não vai me deixar também, né? você vai ficar comigo mais tempo do que mamão e papai?
Metias me beijou na testa e respondeu:
- Vou ficar com você para sempre, pequena, até você não aguentar mais olhar pra minha cara."





Desafio você, leitor, a escolher um lado: a garota órfã e rica que acabou de perder seu último parente ou o garoto pobre que rouba para ajudar a sustentar a família.

"Vou perseguir você até o inferno. Vou vasculhar as ruas de Los Angeles à sua procura. Se preciso, vou procurar em todas as ruas da República. Vou enganar você, usar de truques, mentir, fraudar, roubar para encontrar você, atrai-lo para que saia do seu esconderijo, e persegui-lo até você não ter mais para onde fugir. Estou fazendo um juramento: sua vida é minha."

A June é uma garota forte e determinada, que recebeu o melhor treinamento militar e agora vai colocá-lo em prática para capturar o assassino do seu irmão. O Day é um garoto muito inteligente e ágil, ao mesmo tempo doce e gentil, que só quer ajudar a sua família. Ambos têm objetivos justos e é extremamente difícil escolher um lado. Durante a maior parte da leitura eu fiquei sem saber qual lado escolher.


Dentre os personagens secundários, posso destacar a Tess, uma garota órfã que acompanha Day em suas empreitadas e Thomas, o melhor amigo do Metias que parece ter uma quedinha pela June. Falando nisso, tem romance no livro? Tem sim, mas nem de longe é o foco principal, o que me agradou bastante.

Temos também uma crítica política e social muito bem desenvolvida. A June, por exemplo, a princípio menospreza quem é pobre, acha que é por preguiça e/ou falta de capacidade. E é muito legal acompanhar a visão dela mudando no decorrer do livro, o que pode fazer o leitor refletir também.

"Passamos de carro por metade da área de Batalla e alguns quarteirões de gente pobre. "Será que esses mendigos não podem se afastar do nosso jipe?" Finalmente chegamos aos cintilantes prédios com varandas do Rubi, estamos em casa."

O livro é narrado em primeira pessoa e intercala entre os pontos de vista da June e do Day. Posso dizer que o livro é muito bem escrito, a leitura é rápida e fluída, o enredo é cheio de reviravoltas, o que prende o leitor do início ao fim. Na verdade, são narrados mais os momentos de ação. Na minha opinião, o livro poderia ser maior e narrar com maiores detalhes a rotina dos personagens, já que se trata de um mundo totalmente novo. No entanto, isso é questão de gosto pessoal.


Os dois personagens principais têm 15 anos, certo? Então o livro é lotado de dramas adolescentes?  Não, na verdade os dois assumiram responsabilidades características da vida adulta cedo demais, em decorrência disso, são maduros e não se comportam como adolescentes normais.

"Se você quiser se rebelar contra o sistema, faça-o dentro dele. Isso é muito mais forte do que se rebelar estando fora do sistema." 

Agora eu tenho uma crítica a fazer: Quando escrevo resenhas falando sobre distopias eu gosto de resumir na resenha o que aconteceu para que o mundo chegasse ao estado em que se encontra na história apresentada. Com isso, meu objetivo é situar quem vai ler a resenha e ajudar o leitor a definir se é uma leitura que o agradaria. No entanto, nesse livro, não temos uma explicação detalhada sobre o que aconteceu, sobre a formação política, etc. Temos algumas informações lançadas ao longo do enredo e creio que é porque faz parte do mistério que envolve a trilogia e os personagens terão que desvendar. Mas, apesar de entender o motivo, senti falta de mais detalhes nesse sentido.

"[...] - É estranho estar aqui com você. Eu mal o conheço... mas às vezes parece que somos a mesma pessoa, nascida em dois mundos diferentes."

No que diz respeito à edição, eu comprei o Box com a trilogia completa, pois se trata de um gênero que gosto muito e eu já havia lido várias críticas positivas. Devo dizer que não me arrependo, pois o Box está lindo, assim como as edições, que contam com orelhas nas capas e páginas amareladas, bem como letras e espaçamentos de um tamanho que torna a leitura confortável, sem contar o cuidado que a editora tomou com os detalhes.


Indico a leitura para quem gosta de distopias, e já devo alertar que a autora não tem medo de machucar e até matar os personagens. Melhor não se apegar muito a nenhum deles. E, se encontrar esse Box com um bom preço, eu recomendo muito, até porque se você gostar do primeiro livro, garanto, pelo bem da sua sanidade mental, que você vai querer ter o segundo à mão. Espero que tenham gostado da dica. Até a próxima.

15 comentários:

  1. Adoro distopias, mas não sabia que essa obra era uma. Já tinha visto a capa desse livro, mas não sabia do que se tratava. Fiquei bem interessada, o enredo foge ao óbvio, gostei muito. Vou anotar o nome dele aqui na lista de futuras aquisições. Bexitus, Tay!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Barbara! Tudo bem?

    Eu tenho a trilogia Legend, inclusive preciso terminar a mesmo, eu li Legend e curti muito, a Mari Lu escreve muito bem. Concordo com você quando diz que o Box é lindo, também sobre o fato da autora não ter medo de machucar ou matar os próprios personagens. Adoro distopia e curti a sua resenha. Super recomendo essa leitura!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Ola
    Já fiz essa leitura e sou bem suspeita ao comentar porque gosto da forma como a autora desenvolve as cenas, sem contar que sou fascinada por uma boa distopia. Legenda para mim, possui altos e baixos, como toda série tem mesmo, mas os pontos altos se destacam bastante. E eu adorei poder conferir as suas impressões, especialmente para relembrar um pouco dessa leitura.
    Beijos, F

    ResponderExcluir
  4. Nossa, depois desss resenha eu quero muito ler a trilogia e ter o box em mãos. Sempre que falam em distopia só citam mais Jogos Vorazes. A edição está lindíssima, e essas capas são maravilhosas demais. Adorei a resenha.

    ResponderExcluir
  5. Oi Barbara, eu não conseguiria escolher um lado, a garota ou o garoto, mas quero ler o livro pra ter mais base na hora de escolher... rs Faz tempo que não leio distopias e lendo sua resenha me vi com saudade do gênero. espero conhecer esta aqui de perto, em breve.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oie, tudo bem?

    Nossa, amo distopias, mas essa é uma que ainda não li... Não sei por qual motivo, sua resenha me lembrou do pq eu comprei os livros kkkk Vou passar ele na frente de alguma livros e ler logo!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Oi Bárbara,
    Ainda não tive o prazer de ler essa trilogia, mas ela está na lista - e na fila.
    Fiquei contente por você ter curtido e por ter resenhado. Acho que eu não seria capaz de escolher um lado e quero ver como essa minha não escolha funciona na leitura. Gostei muito da personalidade da June.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oie tudo bem?

    Guria eu cheguei a começar a leitura dessa obra, mas fiquei mais perdida que cedo em tiroteio que simplesmente abandonei a leitura, ela não me instigou a continuar, mas fico feliz que tenha gostado da obra!

    Bjss

    ResponderExcluir
  9. Tenho muita vontade de ler essa série de livros, mas sempre acabo priorizando outras leituras, huahuaha

    Distopias baseadas em crítica política e social são sempre atrativas para mim, que trabalho na área social. Então acredito que estou perdendo tempo... Não sei de que lado ficaria, provavelmente do Day!

    Abraços!
    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Adoro distopias, e essa sempre me atraiu bastante.
    A crítica política e social que você trouxe é algo que sempre acho super interessante nessas histórias.
    Além disso, os personagens me pareceram bastante cativantes.
    Pretendo ler um dia!
    Um beijo

    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  11. Oi Barbara,
    eu gosto bastante de livros desse gênero e lendo sua resenha caiu a ficha de que faz um bom tempo que não leio nada no estilo. Já havia visto essa trilogia por ai, mas nunca tinha lido nada a respeito e sequer sabia do que se tratava, e agora que sei acredito que até gostaria de ler essa história e pretendo fazê-lo em algum momento no futuro. Quanto essa questão da explicação sobre o enredo geral acho que isso deve ir se revelando nos próximos livros, né? Vou aguardar as resenhas dos outros títulos.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Eu sou apaixonada por essa trilogia, não sosseguei até ler todos! Apesar dos personagens terem 15 eles são realmente maduros, concordo totalmente com você. Na verdade é uma das coisas que amo no livro. Enfim, a sua resenha está maravilhosa ❤️
    Um beijo

    ResponderExcluir
  13. Oi, Barbara

    Eu não gosto muito de distopias, mas às vezes leio quando acho que ela é promissora, que é o caso dessa. Não gosto quando não há explicações sobre o que levou aquele sociedade a ser do jeito que é, que pena que não tem maiores detalhes. Mas como é o primeiro livro aguardemos para ver se rola uma explicação no próximo. O mesmo vale para o desenvolvimento de outros aspectos da história...

    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Olá Barbara,

    Eu gosto de distopias, mas não é um tipo de livro que leio muito, então sua indicação é muito válida. Eu tanbém acho bem difícil quando o livro nos faz entender os lados de todos os personagens, assim fica difícil escolher um lado né? Muitos livros de distopias não explicam o que aconteceu para o mundo ficar daquele jeito, isso também me incomoda muito.

    Beijos e obrigada pela resenha
    http://floraliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Oi!
    Eu comecei a ler esse livro uma vez mas acabei parando pra ler outro e nunca mais voltei rsrsrs
    Mas até a parte que eu li estava muito interessante mesmo, como você disse o livro é muito bem explicadinho, e mesmo que não coloquem bem a rotina dos personagens você consegue se apegar a história.
    Espero um dia voltar para este livro

    ResponderExcluir