26 junho 2017

[Top 10] Coisas que aprendi lendo Harry Potter



Olá pessoas. Hoje faz 20 anos que o livro Harry Potter e a Pedra Filosofal foi lançado pela primeira vez. Em comemoração, decidi escrever essa coluna porque, apesar do grande número de fãs, sempre vejo pessoas falando mal da série, e, como uma boa Potterhead, isso me incomoda bastante. Eis os três comentários negativos que mais ouço:


1. É uma série modinha: Bom, sinceramente eu não entendo o conceito. Se o livro ficou famoso e muitas pessoas estão lendo, ou é porque o livro é bom e as pessoas estão indicando ou porque a editora fez um bom trabalho de divulgação. Não vejo porque deixar de ler um livro que chamou minha atenção e eu gostei da sinopse por conta disso.

2. É voltado ao público infanto-juvenil e já sou adulto(a): Esse argumento, na minha opinião, é mais válido. Eu tenho 26 anos, sou advogada e amo de paixão a série. Talvez seja porque eu praticamente cresci com o Harry. Isso mesmo, eu li o primeiro livro quando tinha 11 anos (mesma idade que o Harry), o segundo foi lançado no Brasil quando eu tinha 12 anos (e o Harry tinha 12 no livro) e assim sucessivamente. E não, não foi a série que fez com que eu me apaixonasse pela leitura, essa foi a série Os Karas, do Pedro Bandeira, mas falo dela em outro momento. E, desde então, li cada um dos livros de Harry Potter (são sete) mais de 18 vezes, parei de contar quando tinha uns 20 anos.
Mas isso quer dizer que um adulto começando a ler a série agora não gostaria dela? Depende. Eu ainda leio muitas séries infanto-juvenis, porque as considero uma fonte de entretenimento leve e gostosa, que nos traz lições sem ser um constante tapa na cara. No entanto, se você já não gosta e sente-se incomodado(a) com o gênero, acho que HP é realmente contra indicado para você. Agora, devo ressaltar que a narrativa da autora é maravilhosa (em 3ª pessoa) e que os personagens são complexos e muito bem desenvolvidos.

3. Motivos religiosos: Aqui eu não vou entrar no mérito, pois cada um tem direito a ter sua crença e devemos respeitar, só peço que façam o mesmo nos comentários desta postagem.

Agora eu vou resumir um pouco o enredo para quem ainda não conhece não sentir-se perdido:

Harry foi criado pelos tios, Petúnia e Valter, desde que se entende por gente, e, não possui lembranças dos pais, que faleceram quando ele ainda era bebê. Harry teve uma vida difícil, os tios o obrigavam a fazer serviços domésticos, a dormir em  um minúsculo armário embaixo da escada e a usar as coisas velhas do seu enorme primo, o Duda. No entanto, a atitude mais brutal dos tios provavelmente foi não dar qualquer tipo de carinho ao Harry, isso enquanto mimavam o filho o máximo que podiam.
Chegou o dia do aniversário do Duda, e Harry observa enquanto os tios compram para ele todos os presentes que podem e preparam o dia mais especial possível para o filho. Por uma fatalidade, Petúnia e Valter são obrigados a levar Harry junto com eles ao zoológico quando não conseguem ninguém para ficar com o garoto. E, como sempre, uma coisa estranha acontece quando Harry está por perto, uma coisa que nem mesmo Harry consegue explicar como aconteceu. E, como sempre, Harry é colocado de castigo.
Dessa vez o castigo durou mais que o normal, e, o aniversário de 11 anos do Harry está próximo quando ele finalmente é liberado para sair do armário embaixo da escada. Harry não espera presentes (nunca ganhou um na vida), nem festas, nem mesmo que alguém se lembre da data. Eis que algo inesperado acontece: Harry recebe uma carta. Ele fica empolgado, por que nunca recebeu uma carta antes. Mas, antes que Harry possa ler o que está escrito nela, tio Valter a destrói, da mesma forma que destrói todas as centenas de cartas que Harry recebe ao longo daquela semana.
Harry está cada vez mais curioso para saber o conteúdo das cartas, quando um irritado tio Valter decide que todos devem tirar férias e os leva para um chalé em uma ilha no meio do mar, na esperança de que ali pelo menos as cartas não chegarão até Harry. As expectativas do tio Valter são frustradas quando a próxima carta é entregue pessoalmente. Sim, um homem gigantesco derruba a porta do chalé no dia do aniversário do Harry, lhe entrega uma carta, e informa que Harry é um bruxo e que tem uma vaga garantida na escola de magia e bruxaria de Hogwarts no próximo ano letivo.


Bom, como eu disse, cresci lendo a série e posso dizer que ela está repleta de lições que nós, adultos, ainda relutamos em aprender. Sem mais delongas, vamos a elas:


1. Gentileza gera gentileza:

Parece simplório, mas é inacreditável o que a gentileza pode fazer no nosso dia a dia. As pessoas reclamam do atendimento de entidades públicas e bancos, por exemplo, mas se chegarmos a um local e dissermos com calma e educação: “Bom dia. Tudo bem? Será que o(a) Senhor(a) poderia me ajudar?”, dificilmente a pessoa conseguirá responder com má educação. Gestos simples de gentileza e solicitude podem fazer maravilhas ao nos relacionarmos com as pessoas, em geral. E isso é salientado na série diversas vezes.
A mãe do Harry, Lillian, não aparece muito durante a série, justamente porque ela já estava morta quando a história começa a ser narrada. Mas a quantidade de vezes, mesmo depois de morta, que ela salvou a vida do filho não está no gibi. É inacreditável a quantidade de pessoas que ajudou Harry, inclusive salvando sua pele, porque a mãe dele era doce, gentil e educada com todos. Sem contar a gentileza do próprio Harry, que lhe abriu muitas portas, e o ajudou a continuar vivo.





2. Nem tudo que reluz é ouro:

A autora não dá muita importância para a beleza nessa série, os personagens, em sua maioria, são retratados como pessoas normais. O Harry, por exemplo, é baixinho, magricela, usa óculos e tem os cabelos desgrenhados.
E eu adoro essa característica nessa saga. Vemos tantas vezes os padrões de beleza tentando definir quem somos. Pessoas boas, sem qualquer tipo de maldade, se sentindo mal porque não têm a aparência que “deveriam” ter. E isso é uma característica muito positiva em um livro que atrai tanto o público jovem.





3. Não somos totalmente bons ou ruins, somos pessoas e temos qualidades e defeitos:

Parafraseando um dos personagens que mais gosto: “Todos temos luz e trevas dentro de nós, o que importa é o lado que decidimos agir”.
Nessa série não existe um personagem perfeito, que não comete erros. Até mesmo o Harry já passou por momentos “trevosos” e não foi tão bonzinho assim o tempo todo. Mas o amor fez com que ele agisse do lado certo. O amor pelos seus pais que deram a vida por ele, e pelos amigos, que foram a família que Harry nunca teve.





4. As pessoas são diferentes entre si e temos que aceitar as diferenças:

Um exemplo disso na série é a esquisita Luna Lovegood. Todos falam mal dela na escola por conta de seus hábitos estranhos e das teorias “malucas” do seu pai, que é editor de uma revista super mal vista pelo mundo bruxo. Apesar da esquisitice, a Luna é uma das personagens mais leais que existe e toda essa sua excentricidade ajudou a salvar a pele dos seus amigos mais de uma vez. Sem contar que a revista do pai da Luna foi o único meio de comunicação do mundo bruxo que aceitou ouvir o lado do Harry quando ele estava desacreditado por todos.





5. Todos nós passamos por dificuldades, mas não podemos deixar isso nos definir:

Nesse ponto, o que tenho a dizer é que as histórias de vida do nosso herói e do vilão são muito parecidas. Ambos foram criados e maltratados por trouxas (pessoas que não são bruxas) e enxergavam em Hogwarts (a escola de magia) seu lar. Só que o vilão se tornou uma pessoa amarga e vingativa, cada vez mais atraído pelo poder e pela magia das trevas, e, dedicou sua vida a tomar o poder e fazer com que os trouxas pagassem pelo mal que lhe fizeram. O Harry, por sua vez, sofreu muito nas mãos dos tios, mas nem por isso tornou-se rancoroso ou vingativo e não verteu-se para o lado das trevas.





6. Não é porque cometemos um erro no passado que isso deve nos definir para sempre:

Aqui eu posso citar dois personagens, mas não vou falar o nome de um deles porque seria um spoiler enorme para quem não leu a série.
Vejo muitos fãs da série detonando o Thiago, porque ele era arrogante e praticava bullying quando era adolescente. Eu também acho que as atitudes dele não foram corretas, mas se não tivesse mudado, tenho certeza que a Lillian não teria casado com ele. E, em sua defesa, que ele nunca verteu para o lado das trevas. Sem contar que eu o considero muito parecido com o Rony, melhor amigo do Harry, que só não foi tão maldoso quanto o Thiago (ou James, na versão original), porque a Hermione sempre esteve ali para colocar freio nele.
O outro é um personagem que foi fascinado pelas artes das trevas, e deixou o lado vingativo tomar conta porque teve um passado difícil. Mas, no final, ele foi o cara na série, salvando a p*&%$ toda.
E, particularmente, acho essa lição muito importante para o mundo digital no qual vivemos hoje. Tudo o que fazemos na internet fica registrado e é usado contra nós. Outro dia eu vi um rapaz famoso (não lembro o nome e nem porque é famoso) sendo praticamente linchado na internet por algo que ele escreveu em um blog quando tinha 13 anos. E eu acho que isso é muito sério, não somos perfeitos e temos direito de mudar nossas opiniões. É muito triste ver as pessoas pregando amor e igualdade enquanto destilam ódio nas redes sociais, pois não somos perfeitos, nem despidos de preconceitos, só o que podemos fazer é tentar evoluir a cada dia.





7. Não devemos zombar dos colegas que se vestem de forma humilde:

Nos livros temos vários exemplos disso: o Harry usou as roupas velhas do primo Duda, que era maior e mais gordo, até ir para Hogwarts. A família do Rony não tinha condições financeiras de lhe comprar roupas novas, então ele sempre usava vestes de segunda mão. E temos também o maltrapilho e genial professor Lupin. E aqui estou citando somente alguns casos.
Ah, mas isso é uma lição para as crianças. Não, não caro(a) gafanhoto(a): os adultos também fazem isso, e com malícia, devo dizer. Quando eu estava na faculdade (todos na sala tinham entre 17 e 25 anos), havia um grupo de garotas que sentava na frente da porta de entrada da sala só para rir e zombar das pessoas que entravam e que não usavam roupas de marca. Vergonhoso, não?





8. Quem se cala diante de uma injustiça, também está sendo injusto:

Aqui eu vou citar o primo do Harry, o Duda, que via os pais fazendo as maiores atrocidades com o primo e se calava, ou se alegrava diante do sofrimento do primo. Conforme foi ficando mais velho, e, depois que Harry salvou sua pele, percebeu o erro que cometeu, mas nem assim intercedeu em favor do Harry.





9. O mal que o preconceito pode fazer:

Durante a série, vários casos de preconceito foram citados, e, várias vezes, os personagens quebraram a cara por causa disso. Não vou aqui reunir cada caso de preconceito com o respectivo personagem que o sofreu, pois geraria spoiler. No entanto, posso dizer que haviam preconceitos de todos os tipos: contra bruxos que nasceram trouxas, contra mestiços, contra seres mágicos que não eram humanos, contra lobisomens. E foi lindo acompanhar cada um desses preconceitos indo por água abaixo, e, muitas vezes assistir o preconceituoso tendo o rabo salvo por quem sofria preconceito.





10. O que é a depressão e o mal que ela pode causar:

Minha mãe tem depressão e síndrome do pânico. Eu sempre soube que ela tinha essas patologias, mas, na verdade, não entendia direito o que isso significava. Até que li uma entrevista da autora, na qual ela disse que baseou os Dementadores no que sentia quando teve depressão. Os Dementadores são os guardas de Azcaban (a prisão dos bruxos) e possuem o poder de fazer a pessoa esquecer todos os momentos felizes que passou e reviver os piores momentos de sua vida.
Depois de ver essa entrevista, consegui entender melhor pelo que minha mãe estava passando e ter mais empatia por ela, pois sempre fui muito crítica. E agradeço à autora por isso.







Espero que tenham gostado do post, e, pode ser muita pretensão, mas espero que, talvez, quem sabe, mudem alguma opinião negativa que possuíam em relação à série. Até a próxima.

15 comentários:

  1. Harry Potter é vida <3 Li a saga em 2012, quando tinha 16 anos. Não sei como demorei tanto pra ler, porque sinceramente, é a melhor saga que existe! J.K. Rowling é um gênio e criou um universo que vai ser explorado por muitos anos ainda (para nossa alegria! shauhsashaush)

    Amei o seu post, ficou muito lindo <3

    Beijos
    Inverno de 1996

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi.
      Oremos para que a autora explore e MUIIIITO esse universos maravilhoso.
      Amei escrever esse posto e amo falar sobre essa série que tanto me marcou.
      Obrigada pelo elogio.

      Beijos.

      Excluir
  2. Olá
    Sou beem suspeita ao comentar sobre esse universo de HP, da J.K. Rowling, porque eu me considero fã há muito tempo, fã que coleciona vários boxs diferentes, tenho tatuagem e afins. Também já tinha lido algo a respeito dos dementadores e da depressão, é muito interessante, sem dúvida. Adorei o seu post, especialmente porque tinha coisas que eu ainda não tinha parado pra pensar a respeito.
    Beijos, F

    ResponderExcluir
  3. Ola
    Adorei poder conferir a sua postagem, especialmente porque sou muito fã desse universo. Sobre os casos de preconceito, vale muito a pena a reflexão, isso é um fato a ser explorado também. Essa relação com os dementadores com a depressão, eu já tinha lido a respeito, e é muito interessante a visão. Enfim, é uma série que tem muito a oferecer.
    Beijos, F

    ResponderExcluir
  4. Oi Bárbara!

    Estou emocionadíssima com sua matéria, pois Harry Potter de todo o meu coração. Eu convivo com esse mundo criado pela brilhante JK Rowling desde meus dez anos de idade e agora, com 24 anos, meu amor só aumentou. Na verdade, o amadurecimento me vez enxergar lições valiosíssimas que não via quando era mais jovem, então acho que Harry Potter não tem faixa etária. Enfim, amei tudo o que você disse e assino embaixo.

    Ingrid Cristina
    Plataforma 9 3/4

    ResponderExcluir
  5. Oi tudo bem?
    Infelizmente Harry Potter para mim não funcionou já até tentei ver os filmes, quem sabe algum dia leio os livros.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oie, tudo bem?
    Eu aprendi com Harry Potter que: A morte, para quem tem uma mente estruturada, é apenas uma passagem.
    Não há como eu explicar o amor que eu sinto por essa série de livros e filmes que só tem a acrescentar conhecimento na gente.
    Deixou marcas e ainda vai deixar muitas em muitas pessoas, meu sonho é tornar Harry Potter imortal, para que todas as gerações possam conhecer e tirar todo o conhecimento que nós tiramos.
    Amo amo amo demais.
    Não haveria tópico melhor para um post.
    Parabéns <3

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Adoro ver qualquer coisa relacionada a Harry Potter. Aprendi todas essas coisas que você mencionou e muito mais. Acredito que a leitura é um experiência muito pessoal e cada um de nós somos tocados de fomas diferentes. Sem dúvida, espero que muitas gerações tenham oportunidade de ler esses livros.
    Amei o post.
    Beijinhos
    Rizia Castro - Livroterapias

    ResponderExcluir
  8. Oi Barbara, que post lindo!!!
    Eu só conhecia a saga completa já adulta, quando mutos dos meus princípios e valores já estavam formados, mas sei que se tivesse lido durante a adolescência, muita coisa teria sido inspirada por esta trama. Achei maravilhoso a forma como você desenvolveu os motivos. Muito pertinente.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi, Bárbara!
    Essa saga ensinou e conquistou muita gente. ^^
    Eu não sabia desse item 10. Que força dessa mulher para escrever sobre o assunto! Ela soube mesmo inserir depressão de forma maravilhosa na história.
    Beijão!
    http://www.lagarota.com.br/
    http://www.asmeninasqueleemlivros.com/

    ResponderExcluir
  10. Olá Barbara,
    Adorei seu post! Já li muito sobre esses três pontos negativos que você apresentou e, bem, não concordo com nenhum deles. As 10 coisas que você aprendeu me fizeram refletir e vi que aprendi muito com a série também, principalmente ser gentil, defender injustiças e não xingar aqueles que usam roupas inferiores a nossas.
    Adorei seu post, ele transborda amor.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oieee, tudo bom?
    Ai que post MAIS LINDO!!
    Adorei cada lição, pois aprendi muito com minha saga favorita. Tia Jo nos ensinou muito bem, né? Os gifs só embelezaram ainda mais a coluna, amei conferir seus pensamentos sobre <3

    ResponderExcluir
  12. Olá...
    Amei o post!
    Só não entendi porque tem gente que deixa de ler por motivos religiosos... Eu sou muito religiosa e amo essa série de paixão! Harry é um herói pra mim <3 Tenho 23 anos e boa parte da minha infância e adolescência passei conversando sobre HP com os amigos ;)
    Amei demais todos os tópicos do seu post <3
    Bjos

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bem?
    Que post maravilhoso!!! Eu amei todos os motivos que você citou e concordo integralmente com cada palavra.
    Agora, sobre os motivos que algumas pessoas usam para não ler Harry Potter, o que mais me irrita é o de que "é modinha". Como que uma série que faz sucesso há 20 anos pode ser considerada modinha? E o pior é que quem fala isso nem se dá ao trabalho de conhecer para poder julgar.
    Enfim, amei seu post e espero que muitas pessoas que ainda estão em dúvida sobre começar a ler Harry Potter se interessem pelos livros e deem uma chance para essa série maravilhosa <3
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Que postagem maravilhosa! Adorei as 10 coisas que você separou! Recentemente, fui em um evento sobre os 20 anos de Harry Potter e tive a oportunidade de ver uma palestra da Monica, da Rocco, falando um pouquinho mais da obra e o que ela salientou bem é que não é um livro apenas para crianças. É muito legal ver o pessoal percebendo isso também quando começar a realizar a leitura.
    Beijos.

    ResponderExcluir