07 junho 2017

[Resenha] Mil Beijos de Garoto - Por Tillie Cole



Título: Mil beijos de garoto
Autor (a): Tillie Cole
Páginas: 400
Editora: Planeta de Livros
Skoob || Encontre

Sinopse: Um beijo dura um instante. Mas mil beijos podem durar uma vida inteira. Um garoto. Uma garota. Um vínculo que é definido num momento e se prolonga por uma década. Um vínculo que nem o tempo nem a distância podem romper. Um vínculo que vai durar para sempre. Ao menos era o que eles imaginavam. Quando, aos dezessete anos, Rune Kristiansen retorna da Noruega para o lugar onde passou a infância – a cidade americana de Blossom Grove, na Geórgia –, ele só tem uma coisa em mente: reencontrar Poppy Litchfield, a garota que era sua cara-metade e que tinha prometido esperar fielmente por seu retorno. E ele quer descobrir por que, nos dois anos em que esteve fora, ela o deletou de sua vida sem dar nenhuma explicação.

"— Rune — ela disse, com a voz séria e forte —, você mora na casa ao lado, é um viking e eu amo vikings. Acho que devemos ser melhores amigos.
— Melhores amigos? — perguntei.
Poppy assentiu com a cabeça e espichou a mão ainda mais para o meu lado. Levantei a minha, lentamente, apertei a mão dela e a chacoalhei duas vezes, como ela havia me mostrado.
Um aperto de mão.
— Então agora somos melhores amigos? — perguntei, quando Poppy puxou a mão de volta.
— Somos! — disse ela, empolgada. — Poppy e Rune."

Foi aos cinco anos de idade que Poppy e Rune encontraram, um no outro, seu porto seguro. O melhor amigo que teriam por toda a vida. Companheiros nas aventuras de infância, até os sentimentos conflitantes e profundos da adolescência. Ele um garotinho inconformado após se mudar da Noruega para um país completamente diferente do seu. Ela, uma menina doce e falante, ansiosa por encontrar um parceiro para suas traquinagens. Selaram, então, com um aperto de mão e algumas palavras trocadas, uma amizade que seria eterna e o momento que mudou a vida de ambos para sempre.

"Um som de vidro sendo colocado numa mesa me distraiu. Isso fez com que eu quisesse olhar em volta, mas, antes que eu pudesse, vovó perguntou: — Poppy, o que eu sempre digo que é a lembrança favorita da minha vida? A coisa que sempre me fez sorrir?
— Os beijos do vovô. Os doces beijos de garoto dele. Todas as memórias de todos os beijos de garoto que ele te deu. Você me disse que são suas memórias favoritas. Não coisas, nem dinheiro, mas os beijos que recebeu do vovô, porque foram todos especiais e fizeram você sorrir, sentir que era amada, porque ele era sua alma gêmea. Seu para sempre e sempre."

É a beira da morte de sua avó e o que foi, provavelmente, um dos momentos mais dolorosos para Poppy, que ela recebe da senhora uma missão especial. Quase como uma das aventuras que ambas costumavam compartilhar e para as quais a menina jamais dizia não. Um pote com mil corações de papel, todos em branco, é entregue a ela. O objetivo? Que ela encontre alguém que encha-lhe de motivos para preencher todos aqueles corações, um a um, com beijos. Não simples beijos, claro, beijos que façam-na se sentir amada e que lhe dê a certeza do quanto ela ama, também. Beijos que façam seu coração explodir. A princípio, Poppy não acredita que possa, realmente, preencher todos aqueles papeizinhos. Porém, não vai demorar muito para que ela descubra o que ganhar um beijo de quem se ama e quem a faz sentir amada é capaz de fazer com um coração. E, mais que isso, vai entender que seu parceiro nessa deliciosa aventura pode ser, justamente, o mesmo de todas as outras. Seu melhor amigo para sempre e sempre.

"— Você é minha melhor amiga — ele disse e estufou o peito, puxando minha mão. — Eu não quero você beijando garotos!
— Mas eu tenho que beijar — expliquei, mostrando o pote. — Eu tenho que beijar para a minha aventura. Mil beijos é muita coisa, Rune. Muita coisa! Você ainda seria meu melhor amigo. Ninguém jamais será tão importante para mim, seu bobo."

É ela o motivo de seus maiores sorrisos. Ela é a pessoa que o inspira a exercitar a arte da fotografia, o outro amor de sua vida. Ele, por sua vez, é seu maior fã no lazer que ela tanto adora, seu violoncelo. É junto um do outro que eles sentem-se completos e infinitos. Já na adolescência, após muitos corações preenchidos com os beijos de Rune, Poppy é obrigada a lidar com a notícia de que seu amigo inseparável terá que se mudar de volta para o país de onde viera anos antes. Para ela, uma dor que aparenta a de estar perdendo um pedaço de si mesma. Para ele, motivo de uma imensa raiva da família que, a seu modo de ver, está separando-o de sua melhor parte. Raiva essa que, combinada com o estranho sumiço de Poppy mais tarde, apesar de os dois terem prometido manter contato até que pudessem se encontrar novamente, transformará o doce Rune em alguém que ambos não conseguem reconhecer. Porém, o destino não tardará a colocar os dois frente a frente e, quando isso acontecer, eles terão que aprender que já não são as mesmas pessoas de antes. Precisarão se perdoar, se compreender e, acima de tudo, se apoiar em uma difícil fase onde o amor que sentem um pelo outro poderá ser o maior conforto para seus corações e, ao mesmo tempo, um grande motivo de dor.






Mil Beijos de Garoto, eita livrinho que me despertou inúmeras sensações do início ao fim e, como se não bastasse, me fez sentir uma pessoa no mínimo bastante contraditória, pois fiquei cheia de várias opiniões divergentes a respeito dele. Vamos lá.

Preciso começar falando de uma das minhas cenas favoritas, ocorrida no início do livro e que me rendeu, com certeza, alguns litrinhos de lágrimas. O momento em que Poppy recebe da avó seu pote com mil corações a serem preenchidos. Achei a cena bastante real. Ver aquela garotinha de oito anos perdendo a avó que, ao que parece, era também uma grande amiga para ela, foi triste e comovente. Nem preciso dizer, claro, que achei encantadora a história dos mil corações em branco que se transformariam em mil beijos de fazer o coração explodir, né?

O fato é que quando eu me deparei com essa cena logo nas primeiras páginas e já chorei, pensei: "esse livro vai ser de emocionar!" E foi mesmo. A história é repleta de momentos emocionantes e marcantes que fazem a gente desidratar um pouquinho. Momentos esses dos quais eu não posso falar muito, pois isso estragaria algumas surpresas que a história traz. Mas posso adiantar que foram momentos que fizeram eu ficar me perguntando o motivo de algumas coisas serem como são, porque foram momentos em que eu pude sentir a dor dos personagens como se fosse real e entendi que, infelizmente, é um tipo de dor que existe sim na realidade e da qual ninguém está imune. Eu refleti, muito. E chorei, ainda mais. Como sou a louca apaixonada pelos livrinhos que fazem chorar, com certeza esse foi um dos pontos mais positivos para mim.

Porém, como nada é perfeito... preciso confessar que o livro me decepcionou, em vários aspectos. Os personagens, por exemplo, foi um deles. Penso que a gente nunca consegue amar verdadeiramente uma história quando os personagens não nos envolve e, por mais que eu tenha me emocionado em diversos momentos de Poppy e Rune, eles não me prenderam. Fiquei com aquela sensação de falta de naturalidade, sabe? Tanto na personalidade de ambos quanto em relação ao sentimento que se desenrolou entre eles. Essa falta de naturalidade, como se fosse algo forçado, me incomoda bastante nos livros. Rune, por exemplo, me irritou extremamente quando se revoltou contra a família quando tiveram que se mudar de volta para a Noruega. Eu entendi, claro, que ele era um adolescente chateado por ser separado da melhor amiga, da garota que amava desde sempre, mas apesar disso a reação dele me pareceu um tanto exagerada e imatura.

Outro ponto negativo, na minha opinião, é que o livro inteiro gira em torno de Poppy e Rune. Não é que eles sejam apenas os personagens principais, é como se fossem os únicos que realmente importam. Creio que poderia ter mostrado mais e melhor a relação deles com família, amigos etc, a história ficou muito presa a bolha dos dois e isso, para mim, acabou tornando a leitura um tanto enjoativa.

No fim, considerei o enredo muito bom, é uma história bonita. Só acho que ela poderia ter sido melhor trabalhada ou construída, de modo que não se tornasse tão cansativa e parecesse mais real. Mesmo assim, é uma leitura que vale a pena conferir. Principalmente para vocês que, assim como eu, curtem um livrinho desses de tirar lágrimas, eu super recomendo.

14 comentários:

  1. Oiii
    Eu sou a apaixonada por este livro kkkkkk
    Que pena vc não ter se envolvido tantos pelos personagens.
    Eu acho o amor dos dois tão real e plausível pela idade jovial que eles têm.
    E sou uma fã nata desta autora .li este livro em inglês e adquiri em português assim que saiu.de tanto que desejava ele em minha estante
    No meu caso eu não gosto de 2 páginas nele e não posso falar nada para não estragar o prazer de alguém rsrs
    Parabéns pela resenha

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Ah, eu amo esse livro, és perfeito para mim. Chorei muito ao decorrer da leitura, na realidade eu já chorei nas primeiras páginas que nem você durante a perda da avó. Acho que de reclamações contra personagens eu só tive com o Rune. A cena do irmão dele pedindo pra Poppy conversar com o Rune pra falar com ele foi de partir o coração, eu chorei e fiquei bem estressada. Enfim, a resenha está ótima ❤️
    Um beijo

    ResponderExcluir
  3. Ola
    Ah, eu sou apaixonada por esse livro, mesmo. Sempre digo que ele é maravilhoso ao mesmo tempo em que é destruidor. Li ele em inglês e agora na versão da Planeta, e sempre é emocionante demais. Poppy e Rune são ótimos personagens e nesse caso eu não senti falta de um desenvolvimento maior sobre outros personagens. Uma pena mesmo que o livro tenha lhe decepcionado.
    Beijos, F

    ResponderExcluir
  4. Oi Isabela,
    a sua é a primeira resenha desse livro que destaca pontos negativos, eu já estava sendo Alice, achando que tudo estava fluindo perfeitamente. Por essas e por outras que gosto de ler vários pontos de vista diferentes, não tenho dúvida de que esse é um bom livro, mas como sua resenha deixou claro, não se trata de uma história perfeita e como tal tem seus altos e baixos, gostei da sinceridade me ajudou muito, já estou aqui controlando as expectativas para não me decepcionar.

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  5. Olá!

    Essa é minha leitura atual e também me vi em lágrimas no comecinho no momento da despedida de Rune e sua avó =/

    Esse livro me trouxe muitos sentimentos também, ainda não estou sentindo falta de nada no enredo, pode ser o calor da emoção, vamos ver quando eu terminar! Uma pena você não ter gostado tanto..

    Beijos
    Jess

    ResponderExcluir
  6. Vi tanta gente falando bem desse livro. Minhas amigas piraram com ele. Mas eu sei como vc se sente, tem vzs que o pessoal bajula tanto um livro que qnd vc vai ler nem era aquilo tudo ou as vzs é um livro que n é dos seu gênero favorito, porém como todos livros tem seu lado positivo e negativo.

    Gostei muito da sua resenha e da sua sinceridade ao expor suas chateações com o livro.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oie, tudo bem?
    Eu estava doida pra ler esse livro, mas o hype dele subiu tanto ultimamente que perdi um pouco a vontade, acredita? Nunca tinha acontecido isso comigo, mas mesmo a história prometendo muito, acabei perdendo a ansiedade, rs.

    ResponderExcluir
  8. Olá Stéfani,

    Já vi muitas resenhas sobre esse livro, e cada vez que leio alguma fico mais interessada, livros contraditórios e que nos obrigam a refletir são os meus favoritos. Porém personagens que não envolvem pesam bem para o lado negativo. Ainda não consegui me decidir se devo comprá-lo.... Muita dúvida.

    Beijos e obrigada pela resenha
    http://floraliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi!
    Eu amo esse livro, é um dos meus favoritos da vida e realmente é completamente emocionante.
    mas não acho errado a história ser focada somente nos dois, afinal o enredo do livro envolve a protagonista e seus mil beijos de menino, então o romance dele ser o foco é completamente normal.
    A única coisa que eu não gostei até hoje foi o epílogo, de resto esse livro é perfeito

    ResponderExcluir
  10. Olá Isabela,
    Já li esse livro duas vezes e o amei ainda mais na segunda vez. Não concordo com os pontos que não te agradaram, mesmo porque achei o envolvimento dos personagens mais do que natural, mas confesso que sua resenha me fez muito sobre o quanto eles ficam em evidência. Acho que, de certo modo, você está certa.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi, Isabela. Tudo bem?
    Quando pegar um livro assim, toma cuidado com a desidratação, viu? kkkkkk
    Brincadeiras a parte, eu li uma resenha recentemente sobre o livro e tinha se certa forma ficado animado para conhecer um pouco mais a história, mas diante dos pontos fracos da obra apresentados por você, estou chegando a conclusão que ficaria desanimado em relação ao livro, sobretudo o fato do livro ficar centrado só nos dou personagens principais. Vou deixar ele aqui na minha lista de leituras, mas vou bom conhecer um pouco mais da obra por meio da sua resenha. Adorei a resenha.
    Abraço!

    meuniversolb.wixsite.com/meuniverso

    ResponderExcluir
  12. Oi Isabela, tudo bem?

    Eu estou procurando um romance para ler ultimamente e acho que esse seria um bom livro para pegar no momento, gostei da proposta e de ver que é um livro bom para acompanhar e é leve, também gostei dos personagens. Ótima resenha!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  13. Oiii flor, Tudo bem???
    Eu acho tão interessante isso, que um livro causa reações diferentes em várias pessoas... Por exemplo, eu acabei de ler uma resenha em que esse livro estava classificado no top 10 de livros lidos na vida...

    ResponderExcluir
  14. OOi Stéfani!
    Que pena que o livro não te agradou por completo. Concordo que, quando os personagens não nos envolve, o livro acaba perdendo pontos com o leitor. Já senti várias vezes isso da falta de naturalidade, é chato mesmo.
    Ainda assim, pretendo ler o livro. Está na minha meta. Espero me emocionar muito também! haha
    Ótima resenha!

    ResponderExcluir