22 maio 2017

[Resenha] Dez formas de fazer um coração se derreter - Por Sarah MacLean



Título: Dez formas de fazer um coração se derreter
[Os números do amor #2]
Autor (a): Sarah MacLean
Páginas: 352
Editora: Arqueiro
Skoob || Encontre

Sinopse: Isabel Townsend não é exatamente o que se espera da filha de um conde. Apesar de ter a pele delicada e de saber se portar como uma dama quando necessário, a jovem também monta a cavalo, conserta telhados, administra a propriedade e cria o irmão caçula desde que a mãe faleceu – tudo isso sem despertar a menor suspeita de que não há um homem sequer para cuidar de sua família.
Para o pai dela, que só queria se divertir e gastar dinheiro em jogatinas, pouco importava o que ela fizesse. Porém, quando ele morre, Isabel se vê sem recursos e precisa defender os direitos do irmão, ameaçados pela chegada iminente de um tutor. Assim, não lhe resta saída senão vender sua coleção de estátuas de mármore, o único bem que herdou.
Para sorte sua, um especialista em antiguidades acaba de chegar ao condado. Inteligente e sensual, lorde Nicholas St. John é um solteiro convicto que deixou Londres para se livrar das jovens que passaram a persegui-lo desde que foi eleito um dos melhores partidos da cidade.
Em poucos dias, fica claro para Nick que Isabel é a mulher mais obstinada e misteriosa – além da mais interessante – que já cruzou seu caminho. Ao mesmo tempo, ao conhecê-lo melhor, a independente Isabel percebe que há homens em que vale a pena confiar. Enquanto eles põem de lado suas antigas convicções, seus corações se abrem para dar uma chance ao amor.

Resenha anterior:


Isabel é tudo aquilo que toda garota londrina sonha em ser: linda, rica e filha de um conde. Ou é isso que todos acreditam que seja a vida da filha de um conde. Seu pai é viciado em jogos de azar, e para sua infelicidade, não é bom no que faz. Conhecido como o Conde Perdulário, ele já perdeu todo dinheiro e dignidade que possuía, e atualmente aposta o que estiver ao seu alcance para continuar com o vício, até mesmo a mão de sua filha para inúmeros cavalheiros de índole duvidosa.

"Seu pai a havia prometido em uma aposta.
De novo.
A primeira vez fora a mais dolorosa. Era de esperar que ela já estivesse acostumada a tal tratamento a esta altura, mas a verdade a surpreendeu, mesmo assim."
Prólogo

Quando tinha 17 anos, Isabel viu seu pai largar sua mãe e todas as consequencial que resultaram em sua morte. Apôs esse episodio, a jovem tomou para si a responsabilidade da casa de campo onde fora largada junto com seu irmão, e também, passou a abrigar mulheres que sofreram por homens, sejam as que fugiram de seus maridos e pais agressores ou abusadores, prostitutas ou até mesmo mulheres grávidas que não tinham mais pra onde ir. Como num sistema bem alinhado cada uma das moradoras da residência tomam para si tarefas masculinas, como serem mordomo e cavalariços, tudo isso para ajudar Isabel que não possuí mais nenhum criado.

"- Todos os criados dela são mulheres. [...]
[...]Rock ergueu os olhos de seu livro, impassível.
- São.
- Você percebeu.
- Percebi"
Capítulo 08

A única coisa que Isabel precisava era que seu pai se mantivesse vivo e nem isso ele conseguiu fazer por seus filhos. Agora com a tutela passada para um estranho, a jovem vê que está cada vez mais sem dinheiro para manter a casa e suas meninas protegidas, e a ameça de um homem desconhecido pode destruir tudo por aquilo que sempre lutou. Num ato desesperado de conseguir dinheiro, Isabel encontra lorde Nicholas, o melhor antiquário de Londres, e contrata teus serviços para avaliar sua amada coleção de estatuas de mármores gregas. O dinheiro deverá ajudá-la a conseguir um novo lugar para abrigar as mulheres e ainda mandar o futuro conde para a escola.

"[...]Quem teria imaginado que um exagero veiculado por uma revista feminina fútil seria o suficiente para transformar todas as mulheres de Londres em tolas insistentes?"
Capítulo 01

Nick foi considerado pela revista Perolas e Peliças o melhor partido de Londres, e desde que a matéria foi divulgada todas as mulheres e mães casamenteiras tornaram sua atenção para ele. Nick não conseguia mais andar na rua sem ter uma mulher se jogando a sua frente, mas para um bom libertino, compromisso não é uma opção. Apôs seu amigo pedir um favor, Nick acaba indo parar no interior de Londres e lá conhece a impetuosa Isabel e suas estatuas gregas.

"- Ela não está dentro da casa. Está fora dela. Em cima, mais precisamente. - Ele apontou para o alto. - No telhado.
- No telhado - repetiu Nick, achando que entendera mal."
Capítulo 04

Nick nunca conheceu uma jovem tão impetuosa e teimosa como Isabel, e seus dois primeiros encontros foram no minimo desafiadores: Isabel sendo quase atropelada por uma carroça, e ela em cima de um telhado concertando-o. Definitivamente ela não é afetada e fresca como as mulheres da sociedade. Conforme vai conhecendo-a e sua casa caindo aos pedaços, Nick toma para si a tarefa de protegê-la e ainda mostrar que nem todos homens são iguais. Enquanto isso, Isabel luta para manter as meninas longe de Nick pois teme que ele possa revelar seus segredos. Mas o que fazer quando ele se mostra cada vez mais confiável, ou até mesmo, cada vez mais atraente? Seu único desejo é  jogar-se em seus braços e deixar que pela primeira em sua vida que um homem cuide dela.







Romances de época são um dos meus gêneros favoritos da literatura, e por isso sempre que posso estou lendo algo. Mas há algum tempo venho percebendo que a quantidade de livros publicados aumentou, e muito, nos últimos tempo. Não que esteja reclamando, muito pelo contrário, como disse amo. Mas a questão é que os últimos três livros lidos foram basicamente mais do mesmo: mocinhas que precisam se casar e encontram um cara maravilhosamente lindo e libertino que muda para ter a vida perfeita com a mocinha. Isso foi me frustrando e começou a saturar. Dei um tempo nas leituras do gênero e voltei com Dez formas de fazer um coração se derreter, e foi um dos melhores romances de época que li! A premissa é tão diferente e inovadora que fiquei totalmente encantada por tudo na estória.


Aqui conhecemos Isabel, uma jovem que passou um pouquinho da idade de debutar, mas que também não tem pretensão nenhuma de se casar. Esse ja foi o grande diferencial daquilo que já havia lido, temos uma mocinha e um mocinho que não desejam se casar e serem felizes para sempre. Isabel é guerreira para se dizer o minimo. A jovem mantém sozinha uma casa com mais de 2 dúzias de mulheres foragidas, seja por pais, maridos, cafetões ou até mesmo da justiça. Ela não vê distinção em nenhuma das garotas e acolhe todas que precisam de ajuda. Pelo fato de ver tanto sofrimento das amigas, e também da própria mãe, Isabel passou a querer fazer tudo sem a ajuda de um homem. Ela concerta telhados, cercas, canos, etc. como também é altruísta colocando a segurança, vontades e desejos de outros na frente de si mesmo. Características bem diferentes das mocinhas de romances de época.


Também foi sensacional a forma como a autora pôs conceitos tão atuais numa estória que se passa no século XVII. As condições financeiras no qual a protagonista vive permitiram que isso se tornasse possível, já que hoje qualquer mulher pode sim fazer qualquer serviço executado por homens. Mas mesmo com esse pulo imenso de representatividade, ainda ela tomou cuidado para que as situações fossem conscientes através da extrema preocupação que as personagens tem com esse arranjo de tarefas de casa não fossem descoberto por ninguém, pois sabiam que seria um escândalo. Isso já deu um ar de realidade a estória.


Nick também foi um personagem apaixonante e a autora não poderia ter criado alguém melhor para domar os medos e anseios de Isabel. Ele não chegou de forma sútil pois não era disso que ela precisava, Nick se aproximou invadindo seu espaço e mostrando sempre que nem todos os homens são iguais. Quando digo que ele invadiu o espaço dela é pelo simples fato que ela botaria qualquer um para correr que fosse sútil ou gentil. Isabel precisava que alguém mostrasse que não iria embora só porque ela achava que precisava disso. A forma como aos poucos ele foi notando as falhas da casa, dos cuidados que a própria Isabel não tinha com consigo, como por exemplo não ter nenhum vestido novo a muito tempo, mostrava que ele realmente queria ajudá-la, não somente pela evidente atração que sentiam um pelo outro, mas sim porque ele é assim. Se preocupa e é leal com aqueles que gosta.


Mas nem tudo são flores entre eles. Ambos são geniosos e teimosos. Isabel não aceita ajuda de nenhum homem, e entendi suas atitudes até certo ponto devido seu histórico de abandono, mas aos poucos isso foi tornando-se mecânico e automático ao sair de sua boca já que ela deixou de pensar assim havia muito tempo. Nick também pesou algumas vezes em suas insistências não respeitando espaço quando era necessário. Mas ao final o que permanecia foi o amor que cresceu sem nem perceberem. A química também foi muito bem dosada e deixa empolgante cada um dos encontros que o casal tinha.

"Como era possível que estivesse começando a gostar daquele homem? Como ele podia ter invadido seus pensamentos em menos de dois dias? Como ela podia estar realmente considerando depositar sua confiança naquele completo e absoluto estranho? Não sabia nada a respeito dele, pelo amor de Deus.
Nada além de como ele a fazia se sentir."
Capítulo 14

A estória também trouxe personagens secundários carismáticos e muito bem construídos. As meninas que moram com a Isabel são companheiras, gratas e leais a ela. A interação delas também é bem engraçada pois agem como uma grande e bagunçada família desajustada mas que se amam em todos os sentidos. Rock, amigo de Nick, também foi uma dádiva com seus momentos engraçados e sensatos. O enredo construído por Sarah foi muito bem estruturada e fechou de forma bem agradável e deu aquela sensação de satisfação quando concluída. A escrita dela é fluída e é notável o controle que tem por toda a estória.


A parte física do livro também está primorosa. A capa trás uma modelo morena de costa, esbanjando sensualidade contida, assim como a protagonista. Internamente o livro foi muito bem formatado e revisado, em quase todos os inícios de capítulos vemos uma das lições da revista "Pérolas e Peliças", que vamos combinar, são tão sem noção quanto qualquer matéria de revista sensacionalista, mas é essa mesmo a função, entreter e divertir.


Dez formas de fazer um coração se derreter é um romance diferente, gostoso de ler e possuí tudo aquilo que um bom romance precisa para ser inesquecível: protagonistas diferentes e carismáticos, um enredo que faça o leitor se envolver com os problemas da estória, personagens secundários maravilhosos, e muito, mas muito entrosamento entre os protagonistas. Nem preciso dizer que recomendo, não é mesmo?

22 comentários:

  1. Ola
    Ja conheço a escrita da autora e não vejo a hora de poder iniciar mais essa série. Sua resenha me deixou ainda mais motivada e pelo que pude perceber, é uma trama bem envolvente né?! Muito curiosa sobre a interação dos personagens e suas características. Ah, sou apaixonada por essa capa!
    Beijos, F

    ResponderExcluir
  2. Oi, Stéfani. Eu realmente não me importo com os clichês do gênero, gosto tanto que mesmo que as histórias mudem somente o autor e os personagens, ainda leio com um sorriso no rosto. Amei esse livro e posso dizer que a Sarah é uma das melhores autores do gênero. Estou louca para ler o terceiro volume.
    Beijo!
    Leitora Encantada

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Boa noitee
    Vc resenhou meu livro favorito de uam forma extremamente brilhante!
    Concordo com tudo que vc falou e realmente Isabel não precisava de um homem comum e sim um homem com presença é que não desistisse fácil e Nick foi este homem.
    Amei as fotos e a capa deste livro é realmente maravilhosa

    ResponderExcluir
  4. Não tem muito para onde fugir quando o gênero é RE, a época era muito engessada e inventar muito descaracteriza a ambientação. Por isso me desprendo da originalidade do enredo e me apego na escrita da autora. E Sarah arrada muito. Li os dois primeiros dessa trilogia esse mês, e foram os melhores RE que li até agora! Ainda curti mais o primeiro, mas também adorei esse segundo. O terceiro chegou hoje por aqui e vou devorar logo logo!

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Esse é o problema quando você gosta de um gênero e lê muito, acaba vendo muita coisa parecida. É o que tem acontecido comigo e distopias, aí acabo não me surpreendendo muito com a história.
    Bom, não sou de ler romances de época, por isso a trama deste até que me deixou curiosa pra fazer a leitura (isso e o fato de que tô vendo falar dele por aí), e saber que é bem diferente dos que você está acostumada a ler me animou mais ainda!

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  6. Olá já vi muitos falando sobre esse livro, confesso que não leio romance de época faz tempo na verdade acho que li apenas um de Jane Austen, quero muito voltar a ler e essa leitura já estava na lista de compras, adorei sua resenha e fotos ficaram lindas parabéns, beijos!

    ResponderExcluir
  7. Oie, tudo bem?
    Eu já li resenha sobre outro livro dessa série (?) e geralmente não costumo ler romances, muito menos de época.
    Aposto com certeza que para quem gosta e aprecia, vai adorar ler, mas eu infelizmente não sou um apreciador uahsudhauhsdha
    Sua resenha ficou muito boa e as fotos também, são lindas, e seu blog uma fofura.
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  8. Oii, tudo bem?
    Tenho muita vontade de ler os livros da Sarah, só ouço elogios sobre a escrita. Como amo romances de época, é meio suspeito eu falar que quero ler suahsuahs mas quero muito
    Sua resenha me deixou super animada, não vejo a hora de ler os livros dela <3

    ResponderExcluir
  9. Oi, Stéfani, tudo bem?
    Assim como você, estou um pouco cansada de alguns romances de época. Sempre com a mesma premissa e sempre com os mesmos personagens. Gostei demais da sua resenha e acredito que a leitura de Dez Formas de Fazer Um Coração irá me agradar bastante. Irei acrescentá-lo a minha lista de desejados. Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Há um tempo conheço este livro, já tinha pensado em adquirir, mas desisti por pensar que era mais do mesmo. Também estou cansada de mais do mesmo [rs]. Mas lendo essa resenha me animei em dar uma oportunidade a este livro, pois também amo romances de época. Gostei do fato de retratar mulheres com um ar de realidade e não com aquele ar de indefesas. Acredito que irei gostar da obra. Tomara que quando eu for ler goste tanto quanto você gostou!

    |amorlivresco.wordpress.com|

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem?

    Quero muito começar a ler estas séries, mas, ainda não tive a chance de comprar nenhum desses livros. Já tenho uma lista enorme de romances de época da Arqueiro para ler. Precisarei de um bom tempo para ler todos, ainda mais, porque, eles sempre estão lançando ótimos títulos todos os anos.

    ResponderExcluir
  12. Oii Stéfani, tudo bem? Adorei sua resenha, texto e fotos maravilhosos <3 Eu já li esse livro e também adorei, mas também achei repetitivo e automático as reações da personagem sobre não precisar/querer ajuda. O romance é muito bonito e a história tem traços bem bacanas e originais, em se tratando de um romance de época. Amooo a escrita da Sarah. Mal posso esperar para ler o terceiro e último <3

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  13. Estou eu como meu coração super derretido agora... De fato os enredos em alguns romances de época (que também é um gênero que amo) são bem repetitivos, mas a Sarah não decepciona! srsr Eu amo a escrita dela, e ela sempre nos apresenta tramas inovadas , o que é ótimo! Essa série está na minha wishlist e não vejo a hora de lê-la. Suas fotos estão lindas!

    ResponderExcluir
  14. Oi, Stéfani!
    Nossa, tenho que concordar com você, a história desse romance de época é diferente do basicão (sempre do mesmo) que tem aos montes sendo publicado! A Isabel parece ser uma personagem muito bem construída e forte, eu já havia lido alguma coisa sobre esse livro, mas foi a sua resenha que despertou em mim o interesse em ler. Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Oi, tudo bem?
    Eu confesso que não sou lá muito fã de romances de época, mas essa trilogia chamou a minha atenção com o primeiro livro e já estou com o último para concluí-la. Bom, esse volume eu gostei, mas confesso que nem tanto quanto esperava e muito menos do que o primeiro livro, pois embora a Isabel seja uma boa personagem e a história aborde temas interessantes, eu não fui muito conquistada pela protagonista. Enfim, fico feliz que tenha gostado da história e espero que goste do próximo volume também.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  16. Oi! Primeiramente tenho que dizer que eu sou completamente apaixonada pelas capas dos livros dessa série, mas esse eu não tinha pego para ler porque eu tinha visto tanta gente falando que não era bom que desanimei. Agora vem a sua resenha e me faz ter uma visão completamente diferente e com uma história que com toda a certeza irei amar. Acredito que mesmo tendo algo totalmente diferente do primeiro volume, a história e a construção foi feita de forma que todo mundo ame e eu não seria uma exceção. Amei como conseguiu expor a história, apresentar os pontos acerca dos personagens, e tudo mais! A resenha ficou excelente, e agora não vejo a hora de conferir essa leitura.
    Um beijo
    www.brookebells.com

    ResponderExcluir
  17. Até hoje li apenas o primeiro. O pouco que li do segundo já me deixou animada para le-lo, mas ainda não consegui por isso não me aprofundei muito na sua resenha, para não ter spoilers dessa historia que acredito estar engraçadíssima!

    Seus elogios finais a obra só me animaram ainda mais a começar logo minha leitura!

    Abraços!
    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  18. Olá!
    Eu amo quando vejo alguém que também leu algum dos livros dessa trilogia pra poder surtar comigo sobre o quanto ela é maravilhosa hahahah é exatamente o que você falou, é diferente dos outros livros de época que vemos por aí, não tem nem como enjoar. Dez formas de fazer um coração se derreter me rendeu boas risadas, é maravilhoso!
    Beijos,

    Luana

    ResponderExcluir
  19. Olá, tudo bom?
    Concordo com absolutamente tudo o que disse. Essa história é realmente diferente de muitas outras de romance de época e a casa de minerva aborda temas que são importante de serem debatidos, mas, sem descaracterizar a história. Também amei o casal e principalmente a personagem principal, com todas as suas questões, receios e força. Adorei ver esse livro por aqui!

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  20. Esse é um dos melhores romances de época que já li até hoje, a mocinha é muito mais do que 'a frente de seu tempo' e essa casa que ela cria pras meninas é uma salvação incrível pra elas, sua determinação em cuidar das garotas, e determinação delas em defender Isabel....
    Esse livro é simplesmente maravilhoso e você soube passar isso muito bem na resenha

    ResponderExcluir
  21. Oie, tudo bem?
    Eu também sou completamente apaixonada por romance de época e eu tenho uma grande preocupação com isso que você citou na resenha. O excesso no mercado acaba produzindo muito "Mais do mesmo" e isso por um lado pode ser ruim, pois o livro acaba se tornando previsível demais e isso tira o "tesão" do leitor. Mas por outro lado, quem é fã mesmo, não importa se é mais do mesmo ou menos, o que importa é ler... por isso... eu to doida pra ler esse livro tbm kkkkkkkk

    beijos

    ResponderExcluir
  22. Caramba, eu estou pra ficar doida, só leio elogios atrás de elogios pra essa série! Adoro romances de época também, mas nunca li nada dessa autora (AINDA). Vou mudar isso. Interessante colocar uma mulher forte e independente logo numa época onde isso não era de forma alguma estimulado. Parece ter criado uma narrativa bem legal.
    P.S.: Que fotos lindaaaaas!!!!

    ResponderExcluir