10 abril 2017

[Resenha Tripla] A garota do calendário - Janeiro, Fevereiro e Março



Título: A garota do calendário - Janeiro
[A Garota do Calendário #1]
Autor (a): Audrey Carlan
Páginas: 144
Editora: Grupo editorial record
Skoob || Encontre

Sinopse: Ela precisava de dinheiro. E nem sabia que gostava tanto de sexo. O fenômeno editorial do ano e best-seller do New York Times, USA Today e Wall Street Journal
Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato.
A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil.
Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser...
Em janeiro, Mia vai conhecer Wes, um roteirista de Malibu que vai deixá-la em êxtase. Com seus olhos verdes e físico de surfista, Wes promete a ela noites de sexo inesquecível — desde que ela não se apaixone por ele.




Título: A garota do calendário - Fevereiro
[A Garota do Calendário #2]
Autor (a): Audrey Carlan
Páginas: 135
Editora: Grupo editorial record
Skoob || Encontre

Sinopse: Ela precisava de dinheiro. E nem sabia que gostava tanto de sexo. O fenômeno editorial do ano e best-seller do New York Times, USA Today e Wall Street Journal
Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato.
A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil.
Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser...
Em fevereiro, Mia vai passar o mês em Seattle com Alec Dubois, um excêntrico artista francês. No papel de musa, ela vai embarcar em uma jornada de descobertas sexuais e lições sobre o amor e a vida que permanecerão com ela para sempre.




Título: A garota do calendário - Março
[A Garota do Calendário #2]
Autor (a): Audrey Carlan
Páginas: 144
Editora: Grupo editorial record
Skoob || Encontre

Sinopse: Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil. Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser... Mia vai passar o mês de março em Chicago com o empresário Anthony Fasano, que a contrata para fingir ser noiva dele. A princípio Mia não entende por que um homem tão lindo e másculo precisa de uma falsa noiva.


Mia Saunders tem por volta de 24 anos. Uma moto carinhosamente chamada de Suzi é seu único bem material de valor. Estudou até o ensino médio. Sonha em ser atriz. Uma garota de origem humilde com um pai e uma irmã, que ela praticamente criou depois que a mãe foi embora para nunca mais voltar. O pai, deprimido pela separação, tornou-se viciado em jogos e alcoólatra, mas apesar de não ter sido um pai perfeito, procurou ser um bom pai.

"Sim, dessa vez o meu pai se meteu num problema com o Blaine. [...] Ele está em coma. Foi duramente espancado há quatro semanas. Ainda não acordou. Os médicos acham que pode ser devido ao trauma no cérebro, mas ainda vai demorar para saber. Muitos ossos foram quebrados. Ele está com o corpo todo engessado."

Entretanto, seu vício em jogo colocou-o em um empréstimo de um milhão de dólares que lhe custou uma violenta surra que o deixou em coma até Deus sabe quando. Mia, vendo a própria vida, a do pai e a da irmã, Maddy, ameaçadas, ela se vê obrigada a aceitar um trabalho que pode ser um sonho e um pesadelo ao mesmo tempo: acompanhante de alto luxo. Sendo chefiada por sua tia Millie, ou senhora Milan, como ela quer ser chamada, ela terá doze meses para pagar o empréstimo.

"Não sou uma prostituta. Pelo menos não quero ser. - O simples pensamento fazia meu peito estremecer de pavor. - Mas tenho que pensar em alguma coisa. Preciso ganhar ´muito dinheiro, e rápido."

Para isso, porém, ela vai precisar lidar com toda a sorte de clientes, mantendo o coração fechado e os olhos na recompensa mensal, que pode ser aumentada em 20% caso ela faça sexo com o cliente embora isso não esteja no contrato. Claro que ela não precisa aceitar isso, mas quem disse que é tudo tão simples?

"E na semana passada, quando eu estava de vigília ao lado da cama dele, um dos capangas do Blaine veio me ver. Disse que era o fim da linha para o meu pai. Se não receberem o dinheiro com juros, vão matá-lo. Depois vão vir atrás de mim e da Maddy. Eles chamaram de "dívida herdada." Seja lá o que isso signifique. De qualquer forma, preciso juntar um milhão de dólares, e rápido."

Mia ainda não sabe, mas nessa jornada de doze meses, ela vai descobrir muitas coisas sobre si mesma e o mundo que a cerca. E você vem comigo na primeira parte dessa jornada.





Muita gente acusa a célebre série da americana Audrey Carlan de não ser grande coisa, ter uma trama fútil (eu vi isso em um comentário de uma das minhas amigas blogueiras) e até mesmo sexo demais. Entretanto, você espera que haja cenas quentes quando é uma série de livros eróticos, ou hot, como muitas resenhistas costumam definir esse gênero. Esse não é o caso da série A Garota do Calendário...

"Ser acompanhante era algo que eu precisava fazer para salvar meu pai mais uma vez. Um meio para um fim. Se tinha de ser assim, pelo menos eu me divertiria no processo." 

Embora ela comece, em Janeiro, de um jeito que eu chamo de “uma introdução comprida demais”. Não é um livro ruim, mas não se pode dizer que é excelente até porque a quantia de descrição é um pouco demais para o meu gosto, mas entendo. Eu até diria que serve como workshop, para quem gosta de descrições detalhadas, mas não tem uma ideia clara de como fazer sem ficar entediante. O mesmo podendo se dizer das cenas de sexo, absurdamente quentes, que são uma aula para quem não manja da coisa. (Eu não manjava até menos de dois anos.) Não que isso tenha que ser a coisa mais importante de um livro, mas sabe como é, tem escritor que gosta de botar uma pimentinha na mistura. (Mas tem uns que erram a mão feio.)

Além de que a desculpa de trama para a mãe do Wes e o próprio contratarem a Mia é bem “tá bom então”. Não é necessariamente horrível, mas não dá para dizer que foi a melhor coisa que a autora resolveu. Mas temos que dar um desconto porque não acho que qualquer autor comece uma série sabendo EXATAMENTE o que vem a seguir.

"Ele se chamava Blaine, mas seu nome deveria ser Lúcifer. Era um executivo de fala mansa. "Executivo" é bondade minha. Na verdade ele era um agiota. Primeiro ele mirou em mim, depois no meu pai. Naquela época, eu achava que o nosso amor era conto de fadas. Blaine me prometeu o mundo e me deu o inferno na Terra."

Janeiro é o primeiro mês do ano onde nós somos apresentados à protagonista Mia e sua tia Millie, que não poderiam ser mais diferentes em personalidade, mas acabam tendo um objetivo em comum quando o “pops” da jovem se mete em uma gigantesca encrenca: pagar um milhão de dólares à Blaine ou se arriscar a ter a família toda pega nessa armadilha. Bem, é aqui que eu entro no ponto comentado no parágrafo anterior...

"Você vai tirar a roupa pra mim quando estiver pronta para isso. Não vou nem precisar pedir – ele sussurrou antes de dar um beijinho no canto da minha boca."

“Cadê a polícia?”, lembro de quando minha amiga, cujo nome manterei em sigilo para não causar discussão desnecessária, disse isso durante o comentário dela sobre a resenha de um dos livros posteriores. Vamos considerar os seguintes pontos: Blaine é um agiota (FDP) e existem MUITOS policiais corruptos nos Estados Unidos (isso vale para qualquer lugar), especialmente em Las Vegas, onde a jogatina e a corrupção rolam soltas. O que vocês acham que a Mia ia fazer considerando o que acabei de dizer? Procurar a polícia definitivamente não era uma opção porque o bandido poderia, e pode, muito bem ter policiais comendo fácil na mão dele e isso complicaria a situação da Mia em cem vezes e convenhamos, nenhuma pessoa quer colocar tudo aquilo o que mais preza em risco quando sabe do que uma pessoa realmente ruim é capaz. Além de que temos que levar em conta que nenhum de nós é adivinho e não sabemos o que esperar das pessoas. Mia Saunders não é tão diferente da gente afinal.

Indo para o mês de Fevereiro após uma despedida por carta, Mia vai para Seattle encontrar um artista francês sósia do Bem Affleck. Sim, gente, é isso que vocês estão lendo e a própria Mia é quem diz. Lindo, musculoso, sarado, cabelão e barba, mistura que deixa muita mulher pi pi piradinha (ela tá maluca, ela tá doidinha). Mas Alec Dubois (alguém aqui reconheceu a referência? Dou um doce ou sorteio um livro para quem adivinhar.) é muito mais do que só um cara lindo e bom de cama. Ele é extremamente amigável e entende como ninguém os sentimentos que Mia teima em esconder.
Mas por que ela faz isso? Voltemos à Janeiro e vamos analisar o seguinte excerto:

"O último erro foi o que podemos chamar de a gota-d’água. É o motivo pelo qual eu acredito que o amor verdadeiro é uma coisa criada pelas empresas que vendem cartões e por pessoas que escrevem livros sentimentais e roteiros de comédia romântica."

Depois de um primeiro mês cheio de eventos sobre o cinema com um loiro lindo de encher os olhos e por quem ela está sentindo algo mais forte do que deveria, ela segue em frente mesmo sabendo que Wes poderia ajudá-la. Mia, entretanto, considera que essa luta é apenas sua e que ela precisa fazer isso sozinha. Mesmo que isso signifique não saber o que vem pela frente. E é nesse livro que vemos uma Mia emocionalmente vulnerável e quase sem traços daquela garota forte e adorável que conhecemos antes. Não que ela fique fracote ou coisa parecida, mas estar na situação em que se encontra depois de quatro relacionamentos fracassados não é fácil. Porque por mais que ela tente mostrar que está bem, a grande verdade é que no segundo mês o emocional dela está virado em um lixo. E Alec quer ajudá-la a consertar isso.

Claro que isso não é exatamente fácil porque Mia teima em ceder, mas no fim, aceitando que um amigo querido lhe dê a mão, ela acaba aprendendo uma importante lição sobre o amor: ele existe de muitas formas e é possível vivê-las todas sem medo algum quando você sabe o que realmente quer. Porque a vida é feita das nossas escolhas e vivências e delas tiramos algo para nos tornarmos pessoas melhores. Aqui é que eu entro em um outro ponto sobre esses livros. Apesar deles não se darem a enormes reflexões ou serem edificantes, muitas vezes é possível ler nas entrelinhas e a autora é capaz de nos fazer pensar usando apenas um parágrafo ou até mesmo uma frase. Coisa que muito autor nem chega perto de conseguir mesmo tendo excelentes ideias em mãos.

"O meu compromisso com você é te amar inteiramente durante o tempo que estivermos juntos. Isso vai ficar com você. E eu vou levar o seu amor comigo. Então, nós dois sempre saberemos que esse tempo foi construído com base em confiança, amor e amizade. - Ele fez uma pausa e me beijou com suavidade. - Nada mais é necessário nesta vida."

No entanto, preciso abordar um aspecto que ficou incerto para muitos leitores: quando Mia diz que não é uma prostituta. Muita gente achou essa cena desnecessária e até mesmo estúpida considerando a situação. No entanto, cabe aqui lembrar que Mia não é obrigada a manter relações sexuais com o cliente, mas se acontecer, ela ganha um adicional de 20.000. Além do mais, existe diferença entre prostituta, garota de programa e acompanhante. A primeira é aquela que se oferece nas esquinas, geralmente tendo um cafetão. A GP é a que cobra mais caro e faz algo muito parecido embora geralmente tenha alguém acima. A acompanhante, porém, é um caso bem diferente, já que essas profissionais são geralmente contratadas por agências especializadas, o caso da Mia com relação à Millie. Além de que o trabalho depende muito do que o cliente precisa e isso é previamente estabelecido.

"Assim, eu preciso te amar um pouco para querer estar com você dessa maneira. Mas ainda posso te amar e deixar você livre. Você vai levar o meu amor quando for embora. Para sempre. E esse pedaço do meu amor vai ser seu enquanto você viver."

Além do mais, Millie muito bem poderia cobrar caso algum cliente resolva ser “inadimplente” com as garotas depois de manter sexo com elas e isso poderia complicar seriamente a vida desses indivíduos e com certeza complicação é o que eles menos querem, ainda mais quando a chefona é bem capaz de arrancar uns bons milhões desse pessoal.

É usando o gancho das ideias que parto para Março, onde Anthony Fasano espera para apresentar Mia como sua falsa namorada para a família. Espera aí como assim, Lady? O cliente do mês, um senhor pedaço de mau caminho com corpão de boxeador (tá parei), é homossexual, tendo um companheiro nos últimos anos, o adorável mexicano Hector Chavez (que por alguma razão eu meti na cabeça que é a cara do Germán Valdés), que Tony não assume por medo da reação da família e da sociedade. Certo, já vimos isso em muitos livros recentes, mas aqui a nossa espevitada acompanhante resolve dar uma de cupido às avessas e dar um jeito do cabeça dura do Fasano fazer a coisa certa.
Entre cenas engraçadíssimas (a apresentação da Mia para o Tony foi simplesmente IMPAGÁVEL), tristes, adoráveis e até mesmo reflexivas, além de algumas surpreendentes, especialmente o final, vemos como a falta de diálogo e o preconceito podem fazer a diferença na vida das pessoas, já que a autora deixa bem evidente o quanto Hector sofre por Anthony não assumi-lo quando isso já era para ter ocorrido há tempos. Mas como o pai do Tony era o típico italiano cristão conservador, foi uma situação complicada para o nosso cliente empresário, boxeador e gay. Mas com certeza o saldo final do livro foi bastante positivo, na minha opinião.

"- Se você não aceita quem é, você não o aceita também. - Os olhos de Tony se estreitaram, mas ele manteve o silêncio. - Ficar omitindo a verdade... Odeio dizer isso, Tony, mas precisa ser dito. - Ele movimentou o queixo, indicando que eu continuasse. - Olhe para a situação pelo ponto de vista do Hector. Você está basicamente dizendo que ele não é bom o suficiente. Que não vale a pena se arriscar pelo amor dele."

Aqui, por hoje, encerro minhas considerações. Mas não posso deixar de elogiar bastante a edição e-book da Verus, impecável e sem erros ortográficos. Além das capas serem bem condizentes com o que podemos esperar das leituras.


"Meus olhos foram para os dele, mas ele não estava olhando para mim, e sim por cima do ombro."

Nesta mesma hora e nesse mesmo canal, veremos a segunda parte da série, onde Abril, Maio e Junho serão abordados.

27 comentários:

  1. Essa série de livros está fazendo sucesso por ai, mas eu confesso que ainda não sabia bem do que se tratava e até que parece ter uma premissa legal, apesar de eu estar meio enjoada desse genero. Mas acho que vale apena tirar minhas conclusões.
    Belíssima resenha, parabéns!
    ateoriadaslaranjas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? Que bom que gostou dos livros, pois até agora só tinha visto falarem mal da série, rs. Eu não leria os livros - pelo menos não agora -, mas acho a ideia geral bem bacana...

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  3. Ola
    Eu já li os três dessa série, na verdade já finalizei e amei. Janeiro eu gostei muito, mas fevereiro foi o que eu menos gostei, então março foi melhorando.. Adorei poder conferir sua resenha tripla. Algumas partes são mesmo bem engraçadas, e todos os elementos se completam muito bem.. Essas capas são lindas né <3
    Beijos, F

    ResponderExcluir
  4. Eu desisti da série no segundo volume e acho que fui até longe demais. Ainda não consigo entender o sucesso destes livros. Tirando toda a sensualidade da trama, que ao meu ver é apelativa, vamos pensar no enredo que levou a Mia a viver todas essas situações, a tal dívida do pai: cadê a polícia????? Não engulo este plot, superficial demais!!!
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá!!!
    Primeiramente, quero parabenizar a resenha. (Palmas!!!)
    Agora, quero dizer o quanto eu adorei a série. Menina, quem quiser falar mal, que fale. Mas eu AMEI e não volto atrás com minha decisão. E concordo com você a respeito de todas as suas impressões. No meu caso eu só amei mais o Wes do que você, mas tá valendo. E sim, é inegável que, quem curte esse estilo de livro, leia. Pode sim se tirar bons ensinamentos da série, principalmente nos livros posteriores.
    Parabéns!
    Bjs e até mais!!!

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá!! :)

    Serie impossível não conhecer esta coleção, com tanta resenha por ai!! :) ahah Ainda bem que gostaste, mesmo que não muuuuito..

    De qualquer das formas, adorei ler a resenha tripla e acho bem que tenha cenas tao engraçadas... Mas não lerei por ser hot...

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  7. Olá,

    Ainda não iniciei a série e vejo muitas pessoas falando muito bem dele, até o momento não encontrei ninguém escrevendo uma resenha negativa, até assustei com a sua amiga blogueira. Mas achei a sua resenha maravilhosa, citou pontos relevantes que outras pessoas não citaram e ampliou mais a história para mim, fazendo a minha curiosidade e vontade só aumentar! ♥

    → desencaixados.com

    ResponderExcluir
  8. Oii, tudo bem?
    Então, confesso que essa obra está há um bom tempo na minha lista, mesmo estando em dúvida quanto a ler.. gostei bastante da tua resenha, me motivou, pois tinha escutado muitos falarem que a série acaba se tornando morna nos outros livros.
    Espero ler em breve e não ter uma grande decepção, pois são 12 livros, então, espero uma novidade em cada um deles.
    http://oxenteleitora.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Eu só li o primeiro livro dessa série até hoje e eu achei legalzinho. Só isso. A ideia da trama é bacana, mas achei mal executada. Apesar de ter lido só o primeiro, diferente de você que achou que teve explicações demais no primeiro, eu já achei que teve de menos, haha.
    Eu pretendo continuar lendo só porque minha amiga amou e vai comprar todos, aí aproveito, haha.

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  10. Oi. :)
    Confesso que comprei a série inteira, mas não consigo sair do livro de Janeiro rs.
    Eu pego, abro, folheio, começo a leitura, mas acabo parando.
    Adorei a resenha tripla e percebi que somente o primeiro livro que vc avaliou como mais ou menos rs.
    Pretendo ler todos os livros, pq minha mãe leu a série inteira e simplesmente amou.
    Ficou vibrando com o Dezembro até terminar a leitura rs.
    Parabéns pela sua opinião sincera, não se vê muitos blogueiros assim por aí.
    Obrigado pela visita no Blog As Meninas Que Lêem Livros.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bom?
    Já vi várias e várias resenhas dessa saga e nunca me interessei nem um pouco por ela. Acho a idéia boa, mas não me chama nem um pouco a atenção e nem me dá vontade de ler. Não gosto de livros hots, então a narrativa seria massante para mim.

    ResponderExcluir
  12. Gente, que resenha, hein! Grande, porém clara e bem explicada. Acho que primeiro precis dizer que está impecável. Eu não curto muito o gênero, hot e tinha impressões acerca do livro que você me fez não só tirá-las, mas de entender o funcionamento da série. Parece um enredo bacana, com uma história bacana, mas deixo passar pelo fato de ser hot. Agora me responde, se são 12 livros, será que depois não vai ficar repetitivo? A autora tem esse repertório enorme de situações para a protagonista?

    www.porredelivros.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, como está?
      Pelo menos até onde eu vi, as situações são bem variadas embora dezembro seja mais uma revival-finaleira, se é que tu estás me entendendo. Se bem que eu ainda não terminei junho e nem li o resto, então não posso afirmar com 100% de certeza.
      Para quem comentou aqui até o momento, meus agradecimentos mais sinceros pela apreciação ao meu trabalho!
      Abraços e beijos da Lady Trotsky...
      http://rillismo.blogspot.com

      Excluir
  13. Oie...
    Tenho que tirar o chapéu pra você... Você soube resenhar super bem os três volume em uma só resenha. Parabéns!!!
    Contudo, não curto livros com cenas de sexo, logo, não aderi a moda e nem pretendo ler a serie.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Olá, tudo bem?
    Confesso que não consigo sentir a menor vontade de ler esta série. Primeiro, porque não sou muito fã de livros hot. Segundo que, por todas as resenhas que já li, fiquei com a sensação de que a autora poderia ter resumido esses doze livros em uma trilogia e já seria mais do que o suficiente. Me parece que tem muita enrolação para justificar uma série tão extensa.
    Gostei muito da sua resenha e fico feliz que você esteja gostando. Espero que os próximos também sejam boas leituras. Porém, não pretendo ler.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Oi, tudo bem?
    Quando essa série foi lançada eu fiquei bem animada, mas confesso que com o passar do tempo fui desanimando bastante e agora não tenho lá muita vontade de ler, acredita? kkkkk Mas gostei bastante da sua resenha, mais ainda porque achei interessante essa sua ideia de fazer ela "tripla".

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  16. Oiii tudo bem?

    Então, não é uma serie que me interesse muito, não consigo gostar de histórias que se prolonguem desta forma, é cansativo.
    Mas achei sua resenha bem legal, diferente falar de 3 livros juntos, já que são livro finos, é uma boa opção.
    Bjus Rafa

    ResponderExcluir
  17. Olá Renata,
    Bem, compreendo todas as suas colocações sobre o livro, principalmente, com relação à polícia e os corruptos que temos no meio dela. Não tenho que dizer que amei a leitura - li até Abril - pois estaria mentindo, mas foi uma onde de altos e baixos. Por óbvio, é um livro com sexo, mas, veja, no primeiro, ela se encanta pelo mocinho, se diz apaixonada, mas, assim que vê o segundo cliente, esquece tudo aquilo. Aí no quarto, ela não transa com o cliente e se sente mal por saber que seu primeiro cliente está transando com outra, como se ela não tivesse feito o mesmo. Então, eu sinto que a protagonista foi mal construída. Apesar de ela crescer ao longo das obras, ela é fraca pra mim. Enfim, gostei muito das suas considerações.
    Beijos ♥

    ResponderExcluir
  18. Que descrição super detalhada! Com toda certeza essa é a melhor resenha que já li sobre o livro, definitivamente. Você soube como ressaltar cada detalhe, que incrivel! Li só os dois primeiros livros e acabei desistindo, sua resenha me fez pensar em muitos outros pontos também.

    ResponderExcluir
  19. Oi, Renata

    Seus pontos de vista foram bem explicados, mas eu sou uma das pessoas que perguntam "cadê a polícia?". Policiais corruptos existem em todo lugar, então essa hipótese que vc levanta é apenas isso, uma hipótese. Nem todos os policiais são corruptos, ela poderia muito bem entrar em um programa de proteção a testemunha, é o que mais tem nos EUA em caso de risco de vida, creio que afirmar que procurar polícia não era uma opção é acreditar demais no plot e nas justificativas da autora. Eu li os dois primeiros e foi suficiente pra mim, não comprei a história nem por um momento. Achei bobo, superficial e mal escrito, nem as cenas quentes salvam... e olha que eu curto hot!

    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Olá, tudo bom?
    Então, li os livros de Janeiro e fevereiro e ao contrário de você, achei os livros ruins. Para mim não houve evolução nem da história nem da personagem do primeiro para o segundo livro e a forma como a personagem reage a sua sexualidade é meio estranha também. Ninguém fica excitada e a perigo o tempo todo, com qualquer cara gato. Pode ser preconceito meu, mas achei bem forçado. Enfim! Quanto a escolha da personagem, concordo com você. Como garantir que a polícia seria imparcial no caso do pai da Mia. Li só os dois primeiros e não sei se continuarei a série. Fico feliz que tenha gostado dos livros rs

    Beijos!

    ResponderExcluir
  21. Eu costumo dizer que para ler essa série é preciso coragem... Meu Deus, quantos livros hahahaha. Mas adoro a ideia de cada mês uma história diferente com outros personagens, assim não fica na mesmice (embora eu ainda desconfie que a autora se repita em algum momento...). Livros iniciais geralmente possuem essa característica de serem bem introdutórios e às vezes super descritivos, o que me cansa um pouco.
    Como não é um gênero que me atrai, acho que não leria. Mas, se um dia meu gosto mudar, com certeza tentarei.

    ResponderExcluir
  22. Oi, Renata!
    Vi diversos comentários sobre essa série e eu até gosto do gênero hot, mas a série nunca chamou minha atenção. As histórias me parecem fracas e talvez por isso eu não sinta tanta vontade de ler, ultimamente tenho me sentido saturada dos hots por apresentarem sempre a mesma premissa. Talvez leia um dia, no momento não. :)

    Beijos,

    Rafa [ blog - Fascinada por Histórias]

    ResponderExcluir
  23. Oiii!!!
    Eu acho que a abordagem que a autora está fazendo nessa série é bem interessante. Os motivos por trás de Mia se tornar uma acompanhante, são bem dignos. Quando é para proteger e ajudar a quem se ama, estamos sempre dispostos a tudo. Não é o tipo de livro que eu gosto por conter cenas Hot. Gostei muito da sua resenha, conseguiu demonstrar que a história vai muito mais além do que apenas uma série hot, e aborda um tema bem complicado e que muitas mulheres no mundo passam por isso, em condições adversas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  24. Oi, tudo bem?
    Eu desisti dessa série logo no primeiro livro kkkkkkkkkkkkkk, infelizmente não me senti conquistado durante a leitura, pera, minto, na verdade um li o primeiro e gostei, mas a torcida do casal de Janeiro tava tão grande que desisti quando soube que ela ficaria com um cara diferente no de Fevereiro, não curti muito ele não e não senti muita química nesses dois! Adorei a ideia da resenha :)

    Beijos,
    Lu | http://justificou.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  25. Olá, Renata.
    Gostei de ver o seu ponto de vista. Apesar de não ter lido e não pretender ler, eu respeito a sua opinião, mas ainda continuo achando que uma série ter doze livros é coisa demais, desnecessária, ainda mais levando em consideração a quantidade de descrições exageradas que tem. Há quem goste e no fundo, é isso que importa :)

    ResponderExcluir
  26. Oiee Renata ^^
    Eu entro no grupo das blogueiras que não gostam de cenas hots...haha' mas consegui ler os dois primeiros livros, e não odiei de todo. Gostei da Mia, achei-a muito interessante e forte à sua maneira, mas não consegui gostar do Wes e nem do Alec. Eu até que tenho curiosidade de seguir lendo os outros livros da série, mas é só curiosidade, não chego a querer comprá-los nem nada...haha'
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir