03 março 2017

[Resenha] Como folhas secas - Por Júlia de Oliveira



Título: Como folhas secas
Autor (a): Júlia de Oliveira
Páginas: 304
Editora: Novo Século
Skoob || Encontre

Sinopse: Em Santa Heloísa, interior de São Paulo, crescia cercada de conforto e afeto a pequena Ana Carolina. Comemorações cheias de alegria, música, amigos e parentes eram parte do cotidiano dessa adorável e sensível menina. Enquanto isso, vivia na metrópole do Estado um garoto quieto e solitário, que numa manhã de agosto se mudou com a família para o interior.
Foi ele, Antônio Guerra, que apresentou para Ana Carolina uma realidade que ela ainda não conhecia. Aos poucos a garota foi se aproximando do menino enigmático e descobrindo seus segredos, pesadelos e a dolorosa verdade que sua família escondia. Carinho, amizade e confiança se tornaram laços que uniram essas duas crianças, ensinando-as como a vida poderia ser bela, mas também injusta. Juntos eles construíram uma história que nem as reviravoltas e imprevistos do futuro poderiam apagar.

Ana Carolina é uma doce menina de 10 anos que vive com seus pais e animais na área rural de uma pequena cidade no interior de São Paulo: Santa Heloísa. Seus pais, Ruan e Lauren, são muito amorosos, assim Ana leva uma vida de muito conforto, festas e diversão.

Antônio é um garoto tímido e arredio que se muda de São Paulo para Santa Heloísa com os pais depois que o pai perde o emprego. Sua vida não poderia ser mais diferente do que a de Ana Carolina, mas, ao se conhecerem, os dois imediatamente tornam-se amigos.

"Mesmo assim sorri educadamente e me apresentei àquela garota tão bonita que também estava tímida diante de mim. Ana Carolina, um nome tão lindo quanto ela, e que também começava com a letra "a" de Antônio."
Pág. 44.

Os dois são inseparáveis, fazem tudo juntos: leem histórias de aventura, assistem filmes, cuidam dos animais, brincam, estudam ou apenas ficam sentados juntos em silêncio. E o que começou como amizade, com o tempo, se transforma em uma linda história de amor.

"Antônio não era só meu amigo; ele também era meu fiel escudeiro, o meu cavalheiro de armadura que salvava a donzela em perigo. Ao mesmo tempo que eu adorava aquilo, pois me sentia segura, mas também odiava ser tratada como uma menininha frágil e indefesa."
Pág. 55.





Amei o livro e tenho muitas considerações, por isso a resenha vai ficar um pouco grande. Se alguém reclamar eu posto a versão longa! (risos).


Neste livro vemos Ana Carolina, ou Carol, mas acho que só o Antônio pode chamá-la assim, então vamos de Ana. Recomeçando: neste livro acompanhamos Ana desde a sua infância até a vida adulta, passando por uma fase conturbada na adolescência e várias dificuldades. Vemos sua passagem de uma doce, inocente e até um pouco mimada garotinha para uma mulher adulta forte e determinada que sabe lutar pelo que quer. Fiquei apaixonada pela Ana e sua personalidade e torci por ela o tempo todo.

"Não precisei correr porque, depois de pegar dois sanduíches, um para mim e um para Toni, olhei em volta e vi que ele estava sentado debaixo da árvore que todos temiam, sozinho. Meu coração ficou apertado quando vi a cena. Eu odiava esse jeito antissocial dele, mas adorava sua companhia."
Pág. 59.

Antônio, ou Toni, é um garoto que passa por muitas provações e tem uma história de vida bem complicada. Desde o começo temos a impressão de que acontece alguma coisa de errado na sua família, mas, como demora um pouco para ser revelado o que é, não vou falar muito sobre isso aqui. O que posso dizer é que fiquei com o coração apertado ao ler o que acontecia com ele, e tive muita vontade de entrar no livro para poder ajudá-lo em vários momentos. Ele é uma pessoa muito boa e merece ser feliz, o que parece ser impossível em alguns momentos.

"Eu não podia entender como a mãe dela, vendo o modo como meu pai falou comigo, podia não suspeitar de nada."
Pág. 81.

O romance entre a Ana e o Toni nasceu de forma natural, doce e inocente, e me arrancou muitos suspiros durante a leitura. Ele quis protegê-la a todo custo e isso pode tê-lo prejudicado, com certeza trouxe dificuldades para que ele mesmo fosse ajudado. Os dois são muito bons um para o outro, ele é todo doce, romântico e carinhoso com ela, e ela por sua vez, além se também ser tudo isso, ainda o apóia e tenta ajudá-lo... Se ao menos ele permitisse que ela realmente ajudasse...

"- Nossa! - falei assustada. Perturbava-me um pouco quando ele falava como poderiam ser as coisas, como se tudo já estivesse decidido. Antônio parecia seguir um roteiro de peça teatral, enquanto eu me deixava ser levada pelas emoções de cada ato do espetáculo. - Já resolveu tudo, então?"
Pág. 123.

Além da Ana e do Toni, todos os personagens foram muito bem construídos e vou falar sobre alguns deles agora. Os pais da Ana são a personificação de pais ideais: extremamente carinhosos, amorosos e presentes, sem contar o apoio que dão a filha o tempo todo e a liberdade para que ela converse sobre qualquer assunto com eles. Chega a dar um pouco de raiva da Ana quando ela os destrata durante uma fase rebelde na adolescência.

Quanto aos pais do Toni: a Natália, mãe dele, parece ser uma pessoa muito alegre e espontânea, tem uma amizade de longa data com a mãe da Ana, mas não demonstra muito carinho quando se trata do filho. Em relação ao pai do Toni: nossa, eu odiei o Fernando em vários momentos, desde o começo dá para perceber que existe algo errado na relação dele com filho, mas demora um pouco a ser revelado ao leitor o que é. Logo no início a Ana percebe que existe algo errado com o pai do seu amigo, mas ela demora um pouco para descobrir.


Como se a vida do Toni já não fosse complicada o bastante, temos ainda o valentão do colégio, Marcos, que não larga do seu pé e não perde uma oportunidade de agredi-lo física e verbalmente. Sem contar as amigas da Ana, que se afastam dela por considerarem Antônio esquisito.

"Jamais imaginaria que algo desse tipo tivesse acontecido com ele se ele não tivesse dito. Não, eu não o olhava com pena, e sim com... admiração. É isso mesmo, eu admirava quem ele havia se tornado. Admirava o fato de que ele estivesse ali, oferecendo-me consolo [...], apesar de nunca ter recebido apoio."
Pág. 215.

O livro é narrado em primeira pessoa, ora através do ponto de vista da Ana, ora através do ponto de vista do Toni, o que dá ampla perspectiva da história ao leitor. Adorei a narrativa da autora. Sabe quando o autor dá dicas do que vai acontecer antes de começar a explicar o que aconteceu? A Júlia faz isso, o que ajuda a prender a atenção do leitor. Talvez a leitura fosse mais fluída se os parágrafos fossem menores, mas isso é questão de estilo do autor e posso dizer que, mesmo tão nova (a Júlia tinha 15 anos quando o livro foi publicado), a escrita da autora já é muito madura.

Como eu disse antes, conhecemos a Ana na infância e a acompanhamos até a vida adulta. E o livro é narrado em primeira pessoa, certo? Acreditem ou não, a Júlia conseguiu dar o ar de inocência de uma criança ao ponto de vista da Ana quando ela era mais nova e foi amadurecendo esse ponto de vista conforme ela ficava mais velha. Genialidade ou não?

"Quando for a pessoa certa você vai saber", minha mãe me dissera várias vezes. E eu sabia como se um letreiro brilhante piscasse em sua testa dizendo: sou eu."
Pág 237.

Eu vi algumas pessoas comentando sobre o excesso de descrição no começo do livro. Sim, nas primeiras quinze páginas a autora descreve a propriedade em que a Ana mora em detalhes. Isso não me incomodou, na verdade, eu gosto quando a ambientação é bem feita, quando eu consigo realmente imaginar os personagens naquele lugar no qual as coisas acontecem. E também é uma questão de estilo do autor: se o Tolkien pode, por que a Júlia não poderia?


Outro aspecto positivo para mim foi a ambientação. A história se passa no interior de São Paulo, bem perto de onde eu moro. Sem contar a edição, que está linda. Inclusive, minha avó viu a capa do livro e falou “essa história deve ser linda, será que não tem filme?” (e realmente acho que esse livro daria um belo filme).

Para mim foi impossível não amar a história, já que algo bem parecido com o que aconteceu com o Antônio na infância aconteceu também com uma pessoa muito próxima a mim. O que fez com que eu tivesse ainda mais vontade de entrar no livro e fazer algo pelo Antônio. O livro trata de assuntos seríssimos, como bullyng, uso de drogas, agressão doméstica, alcoolismo, sem contar a carga emocional, que é muito forte. Por isso, não é um livro leve para se ler a qualquer hora. Assim, indico o livro para quem procura uma leitura reflexiva, com um romance de tirar o fôlego cheio de reviravoltas.

17 comentários:

  1. Oi. Eu amei a arte desse livro, tão delicada! Já anotei aqui para lê-lo, parece ser um romance daqueles bem água com suca mas completamente envolvente.
    Beijo! Leitora Encantada
    Participe do sorteio do blog e concorra a três livros

    ResponderExcluir
  2. Vou confessar que se eu passasse por esse livro em algum local, só de olhar para ele não me interessaria, mas o conteúdo da tua resenha mostrou que ele é extremamente profundo e cheio de assuntos importantes. Me pareceu que o romance não é o plano principal (o que pra mim é bom) e fiquei impressionada com o fato de a autora ter apenas 15 anos quando o livro foi publicado �� Parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir
  3. Ola
    Nunca tinha lido nada a respeito desse livro, mas a capa já me ganhou de primeiro momento, e depois adorei poder conferir suas impressões. Fiquei bem curiosa sobre a ambientação, personagens e até as descrições, porque eu realmente gosto de ler as descrições, afinal de contas deixa o desenvolvimento ainda mais completo
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  4. Oi Barbara, tudo bem?
    Essas amizades que começam assim, em um grude só, raramente terminam em amizade né. Eu fiquei curiosa para saber mais sobre o que aconteceu com o Toni. Ele parece ser um daqueles personagens que a gente quer pegar no colo e levar para toda vida.
    Beijokas
    [SORTEIO]Baile Literário
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  5. Oie!
    Eu já gostei de saber que é uma história recheada de reviravoltas, e ainda tem um ótimo romance.
    Ainda não conhecia esse livro, mas depois da sua resenha, fiquei bem curiosa para conferir.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  6. Oie...
    Adorei a resenha, e sim, gostaria de ler a versão longa kkk...
    Achei a história bem legal e o fato do romance nascer de forma inocente me animou bastante a ler, pois, eu amoooo livros assim, capazes de nos fazer suspirar.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oie! Tudo bem?

    Ok, acho que esse livro é o ideal para a leitura neste momento em que estou vivendo, tenho certeza que irei me identificar e muito com a história e com os personagens, vou procurar saber mais sobre ele e com certeza irei realizar a leitura! Dica mais que anotada!

    BJss

    ResponderExcluir
  8. Oi, tudo bem?
    Não conhecia esse livro, mas parece ser uma leitura realmente intensa. Só de se tratar um romance que começa com uma amizade de infância e vai sendo construído aos poucos, já me deixa com vontade de ler. Mas os assuntos que você falou que são abordados no livro são realmente muito sérios e me deixaram ainda com mais vontade de ler.
    Adorei a sua resenha e fiquei muito interessada no livro. Já adicionei na minha listinha.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Oi Barbara, ainda não conhecia o livro e a capa já me deixou apaixonada. Gosto de protagonistas como a Ana, fortes e determinadas. Não sei se o excesso de descrição iria me cansar, porque geralmente gosto muito.
    Amei a dica.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Fiquei encantada ao saber que a autora tinha só 15 anos quando a história foi publicada, caramba, isso que é talento! Essa capa me deixou apaixonada também, só por ela sei que é um livro que eu adoraria ler. Sua resenha não ficou longa, pelo contrário, foi muito esclarecedora.

    ResponderExcluir
  11. Oii tudo bem??

    Realmente resenha gigante, você falou até dos Pais, caraca!!!
    Eu geralmente não tenho muito o que falar assim, arrasou!
    Quanto a ambientação, juro que sou dessas que ficariam entediadas com as explicações, gosto de imaginar sozinha, com poucos detalhes.
    Mas valeu a dica.
    Bjus Rafa

    ResponderExcluir
  12. Oie
    li o livro recentemente também e fiquei impressionada de saber que a autora é tão novinha e mesmo assim apresenta uma narrativa impecável, gostei bastante da história e espero poder ler outros livros dela pela vida, pois essa nasceu para isso

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Eu ia comprar esse livro em dezembro do ano passado, quando ele estava com uma super promoção, mas infelizmente acabei amarelando. Acho essa capa maravilhosa, no primeiro momento foi ela que me encantou. Agora sobre os potos de vista intercalarem, não sei se gosto. É meio cansativo, por isso prefiro livros em terceira pessoa, além da descrição (quando tem muita) ficar mais suave.
    No mais eu gostei bastante da premissa e estou repensando se compro ou não esse mês haha
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Olá! Tudo bem?
    Nossa, li a resenha suspirando. Parece quer aquele livro que te leva para uma realidade alternativa, que te dá um soco na boca do estômago e tira a sua venda da visão perfeitinha da sociedade, mostrando os dois lados de um lar com adolescentes. Gostei muito, da premissa e da resenha, parabéns!
    Praxe Literária

    ResponderExcluir
  15. Oiii!!
    Não conhecia esse livro ainda. Achei a construção da história incrível, nunca li nada parecido. O livro aborda temas bem atuais e importantes. Só de saber que vamos acompanhar o crescimento e o desenvolvimento dos personagens no decorrer de alguns anos, isso da uma vontade a mais de ler. Sempre que um livro é bom para nós rs não tem como não querer convencer os outros a ler também. Como você disse que não é um livro para ler a qualquer momento, vou deixar a dica anotada e escolher um momento especial para fazer a leitura.
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Aaaa Barbara me perdoe por ter demorado tanto tempo para acessar e ler essa resenha linda ♥ ♥ ♥
    Muito obrigada, muito mesmo. Teu carinho e o fato de ter se envolvido com a histórias são muito importantes pra mim 😍

    ResponderExcluir