02 janeiro 2017

[Resenha] O ano em que te conheci - Por Cecelia Ahern



Título: O ano em que te conheci
Autor (a): Cecelia Ahern
Páginas: 336
Editora: Novo conceito
Skoob || Encontre

Sinopse: Bem-vindos ao mundo imperfeito de Jasmine e Matt.
Vizinhos, eles não têm o menor interesse em tornarem-se amigos e nunca haviam se falado antes. Estavam sempre ocupados demais com suas carreiras para manter qualquer tipo de contato.
Jasmine, mesmo sem nunca tê-lo encontrado, tem motivos para não suportar Matt.
Ambos estão em uma licença forçada do trabalho e sofrendo com seus dramas familiares. Eles precisam de ajuda.
Na véspera de Ano-Novo, os olhares de Jasmine e Matt se encontram de forma inusitada pela primeira vez. Eles têm muito tempo livre e precisam rever seus conceitos para poder seguir em frente.
Conforme as estações do ano passam, uma amizade improvável lentamente começa a florescer.
Uma história dramática, original e divertida como só Cecelia Ahern é capaz de escrever.

Jasmine foi demitida da empresa que ela própria ajudou a fundar, a Fabrica de Ideias, onde eles recebiam as ideias das outras empresas e as melhoravam. Com uma licença de um ano, ela precisa encarar as coisas. Diferente de quando tinha uma distração, se sente inútil, servindo apenas para ser madrinha de batismo dos filhos de suas amigas. Sua vida já passou por diversos momentos importantes e marcantes, como quando perdeu sua mãe, e, aos cinco anos, seu primo a contou sobre a morte, e a partir desse momento sua vida realmente começou.

A sua irmã mais velha, Heather, tem Síndrome de Down. A mãe delas morreu de câncer de mama aos 44 anos e o pai não é comunicável, dando atenção apenas a sua filha com outra mulher: Zara. A protagonista cuida de sua irmã como se fosse uma mãe para ela, mesmo sendo a irmã mais nova, tenta protegê-la de todo mal do mundo e acaba sendo protetora de mais.

"Eu trabalhava a um ritmo que muitas vezes me deixava sem fôlego, e mal tinha um movimento para me reagrupar comigo mesma. Corria bastante atrás de mim, mas raramente me alcançava; eu era rápida."

Matt Marshall é um locutor da maior estação de rádio da Irlanda. ''O Trombone de Matt Marshall'', está no comando dos talk shows, até que ele é demitido após um programa desrespeitoso, seu filho publicou um vídeo no Youtube humilhando o pai e a situação com sua esposa está indo de mal a pior.

Ambos moram um em frente ao outro em uma rua sem saída suburbana em Sutton. Jasmine odeia Matt por causa de um programa sobre Síndrome de Down onde o assunto foi retratado de maneira imatura. Mas no ano novo os olhares dos dois se cruzam. Ambos desempregados e com conflitos familiares, uma amizade começa a crescer, mesmo que a personagem guarde rancor dele, além do mais, Jasmine decide que irá trazer seu jardim de volta, para ocupar seu tempo.

"Até então eu não tinha pensado que não viveria para sempre; e por que pensaria? O tópico da minha morte nunca fora mencionado casualmente."




Eu li esse livro um pouco depois de seu lançamento. Já tinha lido outro livro da autora, que até já tem resenha . Minhas expectativas estavam altas, e por incrível que pareça, mesmo depois de alguns meses eu consigo me recordar de cada sensação que O ano em que te conheci me passou. Um livro que eu super indico, foi a minha 10° melhor leitura de 2016.


O livro é narrado em primeira pessoa pela Jasmine, como se fosse um relato dela para Matt, e por isso algumas vezes veremos partes em que ela se dirige a ele como ''você''. Adorei esse ponto de vista e é claro que Cecelia Ahern inovou com propósito, pois é interessante perceber que ela não esconde nada dele, desde seu ódio pelo seu programa desrespeitoso até sua vida pessoal. Porém sempre percebemos algo nas entrelinhas, como se ela fosse muito tímida para deixar transbordar todos seus sentimentos, mas logo que se familiariza começa a narrar sem medo.

''Milagres só crescem onde vocês os planta''

Desempregada, Jasmine se sente só e imprestável. Não, ela não se contenta com a licença de um ano, mesmo que digam sempre a ela ''pelo menos você está ganhando sem trabalhar''. Ela se sente usada, um objeto de sua antiga empresa, aliás, o único motivo dessa licença foi o medo que tinham dela ir trabalhar nas concorrentes. A cada pedido para ser madrinha ela sente que até suas amigas estão a reconhecendo como uma pessoa sem mérito nenhum, e isso a machuca por dentro.

Os personagens secundários foram bem explorados e importantes para a composição do livro. Heather tem Sindrome de Down, uma doença que foi bem retratada, e ela é tratada realmente como uma criança pela sua própria irmã, que imagina que ela precisa de toda sua atenção e cuidados. Nessa parte a autora nos faz refletir sobre o que é preconceito. Eu consegui entender que não é um ato preconceituoso quando se deixa alguém com os sentimentos limitados fazerem algo sozinhos, preconceituoso de verdade é quando você a impede de crescer por causa disso.


Outro personagem secundário é o Matt, que no início é só um vizinho insuportável, bêbado e que briga sempre com a esposa. Mas no decorrer do livro a própria Jasmine reconhece que eles tem muito em comum, como o fato de que ela também está passando por um conflito familiar, e Matt também esta desempregado e com tempo livre. Ele é engraçado, e sua principal defesa é o sarcasmo, em todo momento parece que ele tem uma máscara que lhe impede de ser machucado por alguém, mas quando tocam em algum assunto delicado, como a saudade que ele sente de seus filhos, ele deixa pelo menos um pouco de si mesmo aparecer, e é por isso que conquista o leitor.

"Que é o mundo contra você, ou mais você contra a casa, e que você precisa entrar de qualquer maneira,"

Como a sinopse diz, essa estória não poderia ser contada por outra autora além de Cecelia Ahern, e é nesse ponto que explicarei o motivo de muitos se decepcionarem com o livro. O ano em que te conheci não é para ser lido com pressa, nem para ser terminado em uma tarde. Existem dois tipos de obras: As que você simplesmente lê, e as que você absorve, nesse caso eu precisei absorver o livro, porque não, ele não terá um final surpreendente ou um plot twist (reviravolta nos acontecimentos) é simplesmente algo que pode fazer parte do cotidiano de qualquer um ao nosso redor: Vizinhos chatos, pessoas que você precisa conhecer melhor para aceitar, desemprego, família, Sindrome de Down. São elementos que são mostrados com tanta maestria que se a autora tivesse acelerado os acontecimentos com certeza perderia seu encanto.

Cecelia Ahern alterna entre as estações, iremos acompanhar Jasmine com seu jardim durante s primavera, o verão, o outono e inverno, e perceberemos então (como uma grande sacada da autora) que o nosso humor e nossas vidas se modificam junto com as estações. É muito interessante acompanhar o processo de crescimento de um jardim, e algumas informações valiosas serão dadas aos que se interessam pelo assunto.

"- Todos nós temos momentos marcantes em nossa vida, períodos que influenciaram mudanças pequenas ou profundas dentro de nós. Posso pensar em quatro momentos transformadores para mim: o ano em que nasci, o ano em que soube que ia morrer, o ano em que minha mãe morreu e agora tenho um novo, o ano em que te conheci."

A edição está linda, a capa reflete bem a posição da casa de Jasmine e de Matt. Não encontrei erros de revisão. A diagramação favorece na leitura. O livro é dividido em 4 partes (4 estações) e alguns capítulos são um pouco mais longos. O título não poderia ter sido melhor. Para quem já leu algum livro da autora, sabe a fonte padrão dos livros dela.


O ano em que te conheci não tem romance, e sim amizade, o que, como eu disse, é algo que pode acontecer na vida de todo homem e toda mulher, é comum termos melhores amigos homens, que podemos compartilhar nossos segredos, isso até sem nenhum envolvimento a mais. Uma linda leitura que eu indico a todos.

24 comentários:

  1. Olá
    Cecelia Ahern é maravilhosa e não tem um livro que li dela que não tenha amado. Ainda não li esse, mas está na minha lista de desejados, especialmente por todas as resenhas e demais comentários que já li a respeito. E claro, adorei poder conferir também as suas impressões por aqui. O que eu acho mais legal é que ela tem um jeito diferente de abordar as temáticas, e de forma mais madura e reflexiva.. como a questão da amizade. A capa é maravilhosa ♥
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Oie! Tudo bem? Não sei porque mas os romances dessa autora não fazem a minha cabeça, diferente do novo livro dela de distopia, aquele sim estou louca para ler! ótima resenha!
    Seguindo aqui, pode seguir o RT também por favor?
    Bjss http://resenhasteen.blogspot.com.br/2017/01/um-porto-seguro.html

    ResponderExcluir
  3. Oi Maria, tudo bem?
    Eu estou apaixonada por esse livro desde a primeira vez que eu vi, confesso que de início eu me encantei mais pela capa que está incrível!
    Depois quando eu fui procurar sabe e mais sobre a história é que eu percebi que iria gostar também do conteúdo.
    Adorei sua resenha.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  4. Acredita que eu nunca li nenhum livro narrado em segunda pessoa? Esse tipo de narrativa que se refere direto ao leitor (mesmo que como outra pessoa) é incrível, é como se estivéssemos conversando mesmo com o personagem. Ainda não li nenhum livro dessa autora, mas P.s. Eu Te Amo está na minha meta de janeiro, então estou ansiosa pra conhecer a escrita dela. O livro em questão parece ser ótimo, adorei saber sua opinião.

    Um abraço!
    Parágrafos & Travessões

    ResponderExcluir
  5. Tenho uma relação de amor e ódio para com esta autora. Amei P.S. Eu te Amo, mas odiei O Livro do Amanhã e isso me deixa indecisa se devo ler mais alguma coisa dela. Acho a capa deste livro mega romântica!!!
    Adorei suas considerações sobre o enredo e estou curiosa para conhecer o casal e ver como isso se dará nas páginas.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá!! :)

    Eu confesso que nunca li o livro nem nada da autora, da qual não conheço quase nada!! :) ahah Mas a capa e muito bonita!!

    Bem, adorei conhecer e saber que tem essas quatro partes em estações do ano (não sei por que, gostei da ideia!!) :) E também foi bom saber que não e romance propriamente dito, mas sim uma historia de amizade, porque o nome da a entender o contrario.. hehe

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  7. Oie amore,
    Anotei esse livro em minha lista de dicas a algum tempo só por essa capa linda. Com sua resenha fiquei ainda com mais vontade de ler.
    Nossa que reflexão barbara, e essa foto do livro dentro de outros livros, está um arraso!
    Difícil ver um livro que fale sobre amizade de maneira tão pura e gostosa de ser lido.
    Beijokas!
    www.facesdeumacapa.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oie!
    Eu já tive a oportunidade de ler esse livro, mas não gostei muito da história.
    ma pena, pois eu gosto da narrativa da autora assim como das histórias que ela cria, que pena que não gostei tanto.
    bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  9. Desde que vi alguns livros da Cecília Aehern, tive vontade de ler alguns deles. Ainda não tive a chance...

    Sua resenha me animou bastante, a descrição que você deu dos personagens nos faz perceber que mesmo aquele que não aparece muito tem uma influência importante.

    Gosto de lviros assim, que são simples relatos de dia a dia de uma pessoa. Acredito que os torna mais próximos de nós!

    Ótima resenha!

    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  10. Olá Maria Fernanda!
    Vem aqui que vou te abraçar, pois entendo que você compreendeu completamente o que a autora quis passar. Essa leitura está longe de ser despretensiosa.
    O li no ano passado e foi uma das melhores leituras do ano, pois me senti muito próxima da Jasmine, acho que me identifiquei com ela.
    adorei ler suas impressões e fiquei com uma vontade enorme de reler.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  11. Ola Maria Fernanda.
    Sou completamente apaixonada pela Cecelia. Ainda nao tive a oportunidade de ler esse livro, mas to quase me matando aqui demais dessa resenha completamente apaixonada e inspiradora.
    Dica mais do que anotada e espero a oportunidade de ler em breve

    beijos
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  12. Curiosidade 1 - o nome dá autora, que peculiar, eu sempre que leio, tenho q voltar e reler...
    Curiosidade 2 - livro em 2a pessoa! Que maravilhoso!
    Pelo que pude ler, já gostei da Jasmine e me empolguei pra ler, espero ter a oportunidade em breve.
    Adorei a resenha
    Bjks

    ResponderExcluir
  13. Eu sempre ouço falar muito bem dessa autora mas nunca li nada dela. Já vi um filme adaptado do livro dela e só. Tenho o ano que te conheci mas não li ainda porque estou esperando uma leitura triste nem ao estilo de como eu era antes de você, mas depois de sua resenha eu tomei coragem. Vou ler. Beijos

    ResponderExcluir
  14. oie, infelizmente não consegui ter o mesmo sentimento que você em relação a esse livro. Achei os monólogos da jasmine muito cansativos, e a única coisa que me prendeu mais foi a eather, ela é muito querida. Mas concordo que é um livro para refletir, e que bom que ele conseguiu seu objetivo com você.

    ResponderExcluir
  15. Fico feliz que o livro tenha funcionado bem para você e até se tornado uma das melhores leituras do ano. Não tive a mesma impressão, me decepcionei bastante, e o principal motivo para isso foi que os protagonistas não me cativaram. Se não fosse pela Heather nem sei se teria conseguido ler até o final, na minha opinião foi a presença dela que salvou o livro.

    ResponderExcluir
  16. Oieee
    Tudo bom?
    Eu acho que esses dramas familiares são o carro chefe dá autora, pois todo livro dela tem isso, mas mesmo assim achei a história bem interessante e queria saber como vai se desenvolver esse relacionamento.
    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Nunca li nada dessa autora, apenas assisti PS.te amo, mas eu costumo gostar muito de histórias que contam a rotina das pessoas, histórias reais que pode acontecer com qualquer um de nós, a maioria das pessoas se sente entediada com isso, eu me sinto mais próxima ainda do livro, quero ler com certeza algo da autora :)

    ResponderExcluir
  18. Oi, Maria Fernanda!
    Já li alguns livros da autora e o meu preferido é P.S. Eu te amo, depois dele ainda não gostei tanto de outro dela. Não sou muito de ler dramas, mas os livros dela acabam nos prendendo muito durante a leitura e são histórias que não esquecemos facilmente. Esse ainda não tive tive curiosidade de ler, mas quem sabe leia um dia! Achei a capa linda!

    Beijos,

    Rafa [ blog - Fascinada por Histórias]

    ResponderExcluir
  19. Olá
    ai que bom que gostou tanto, é otimo ver tantos elogios pois ja o tenho aqui e to louca para ler, essa capa é linda demais e esse enredo está muito atraente

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Olá! Bela resenha =) Que bom que você ainda recorda a sensação de ler esse livro e por ele ter sido uma das melhores leitura do ano passado. Acho muito bom quando os personagens secundários também são bem explorados. Apesar de não ter um final surpreendente ou reviravoltas é bom saber que é algo do cotidiano. Anotei a dica do livro, e quando eu for ler irei usar sua dica de ler ao pouco observando e refletindo a história. Beijos'

    ResponderExcluir
  21. Essa foi minha primeira experiência com a autora e eu não gostei. E eu li devagar, tive todo tempo para absorver a trama. Mas achei a escrita arrastada e os personagens chatos, principalmente a Jasmine. Já li muitas histórias sem grandes reviravoltas, que retratam o cotidiano, a vida de pessoas normais, então tenho com o que comparar. Tudo é questão de gosto, mesmo.

    Beijo

    ResponderExcluir
  22. Oi, tudo bem?
    O que achei mais interessante em saber sobre esse livro na sua resenha é que o livro não acordar o romance como palco e sim uma amizade. Acho muito legal quando isso acontece pois são poucos os autores que focam suas histórias em amizades. E esse é o pontapé que eu precisava para não torcer o nariz e dar uma chance ao livro.
    Dica anotada.
    Bjs

    ResponderExcluir
  23. Oi Maria, tudo bem?

    Sempre achei bem legal o enredo da obra e infelizmente não tive a oportunidade de conferir ):

    Suas impressões estão bem sensatas e em nenhuma resenha haviam destacado a presença de um personagem com síndrome de Down e isso me fez ter ainda mais admiração pelo livro.

    A capa está incrível e enche os olhos do leitor!

    Parabéns.

    ResponderExcluir
  24. Oi Maria, tudo bem?
    Adoro livros narrados em primeira pessoa, e no caso, acredito que gostaria bastante na narradora e leria o livro super rápido. Adorei a resenha, e espero futuramente gostar bastante da história também.

    ResponderExcluir