11 janeiro 2017

[Resenha] O advogado rebelde - Por John Grisham



Título: O advogado rebelde
[O advogado rebelde #1]
Autor (a): John Grisham
Páginas: 400
Editora: Rocco
Skoob || Encontre

Sinopse: Na lista dos mais vendidos do The New York Times desde o lançamento nos EUA, em outubro de 2015, O advogado rebelde apresenta um dos mais ousados protagonistas do mestre dos thrillers de tribunal John Grisham. Sebastian Rudd é o advogado rebelde da trama. Seu escritório é uma van blindada, seu motorista anda fortemente armado e seus clientes são pessoas das quais a maioria dos advogados prefere manter distância, como um jovem viciado acusado de participar de um culto satânico e molestar e matar duas crianças pequenas. Mas Sebastian Rudd acredita que todos merecem um julgamento justo, ainda que ele tenha que trapacear para fazer justiça. Em sua melhor forma, Grisham constrói um suspense eletrizante e não se furta a criticar o sistema judiciário e as grandes corporações neste novo romance.

Sebastian Rudd é um advogado atuante na área criminal que faz o que estiver ao seu alcance para garantir justiça aos seus clientes. O livro é dividido em seis partes, sendo que cada uma delas relata um caso deste advogado. Nesta resenha falarei um pouco sobre as quatro primeiras partes, posto que não poderia falar sobre as outras duas sem revelar mais do que gostaria acerca do enredo.

"Eles não lhe dizem na Faculdade de Direito que um dia você pode se ver defendendo uma pessoa acusada de um crime tão hediondo que cidadãos normalmente pacatos sentem-se impelidos a pegar armas e ameaçar matar o acusado, seu advogado e até mesmo o juiz."
Página 09

Parte um: Gardy é o cliente da vez, ele foi detido e acusado pelo homicídio brutal de duas garotas. O crime, e, agora o julgamento, ocorreram em uma pequena cidade caipira e retrógrada chamada Milo. O crime chocou a cidade e deixou todos em polvorosa, querendo a cabeça do criminoso a qualquer custo. Gardy é o réu perfeito: um vagabundo drogado com tatuagens e pircings da cabeça aos pés. A opinião pública já o condenou, e também circulá em todas as mídias da cidade que ele participa de um culto satânico e que já fora anteriormente acusado pela prática de crime sexual contra uma criança. Só existe um porém: ele é inocente. Mas como provar isso quando se tem uma promotoria manipulando as provas e um júri totalmente corrompido pela opinião midiática?

"Gardy foi basicamente condenado no dia em que foi preso e seu julgamento não passa de uma formalidade. Os policias burros e despreparados anunciaram as acusações e forjaram as provas. O promotor público sabe disso, mas não tem escrúpulos e está preocupado com sua reeleição no próximo ano. O juiz dorme. Os jurados são no fundo pessoas simples e amáveis, assustadas com o processo e sempre ansiosas para acreditar nas mentiras que suas arrogantes autoridades fabricam no banco de testemunhas".
Página 11

Parte dois: Link foi condenado à pena de morte e sua execução ocorrerá dentro de poucas horas, durante as quais ele tem o direito de passar acompanhado de seu advogado. Sebastian está com ele quando a televisão da pequena cela passa a relatar ataques com bombas em pontos estratégicos da cidade, em especial aqueles que têm alguma relação com a condenação de Link. O diretor pede desesperadamente que Sebastian converse com seu cliente e peça para que ele cancele os ataques. Mas o que Sebastian poderia dizer a Link? Ele já foi condenado à morte, o que de pior poderiam fazer com ele?

"Décadas atrás, o Estado usava um pelotão de fuzilamento. Algemado e amarrado, o acusado era preso a uma cadeira com correias, um véu preto colocado sobre a cabeça e uma grande cruz vermelha pregada em sua camisa, sobre o coração. A quinze metros de distancia, cinco voluntários esperavam atrás de uma cortina com rifles potentes, embora somente quatro estivessem carregados. A teoria era de que nenhum dos cinco jamais ficaria sabendo ao certo se tinha matado um homem, e isso supostamente deveria aplacar o sentimento de culpa mais tarde na vida, no caso de algum deles mudar de opinião e se arrepender. Que besteira! Havia uma longa lista de voluntários, todos ansiosos para puxar o gatilho e acertar uma bala no meio do coração de outra pessoa."
Página 88

Parte três: Lance, um adolescente desmiolado, vendia drogas pela internet, e, para não ser rastreado, invadiu a rede wireless de seus vizinhos idosos: Kitty e Doug Renfro, ambos com cerca de 70 anos. A polícia está em uma investigação ostensiva de combate ao trafico de drogas praticado através da internet e chega aos Renfro. Conseguem um mandado de busca para a casa e outro de prisão para o Sr. Renfro. Em cumprimento a estes mandados, uma equipe da SWAT, composta por oito homens fortemente armados, invade a casa dos Renfro durante a madrugada. Arroubam a porta da entrada e a porta dos fundos, matam o cachorro idoso e trocam tiros com Doug, um veterano de guerra que ouviu os barulhos e pegou sua arma para se defender, sem fazer ideia que se tratava da polícia. Um policial e Doug foram feridos e a Sra. Renfro foi morta depois de ser atingida no fogo cruzado. O Sr. Renfro é acusado de lesão corporal, por ter ferido o policial, pois existe uma lei que impede as pessoas de atirarem em policiais, mesmo quando estes invadem suas casas. E os policiais não serão acusados criminalmente, pois uma lei os protege.

"Essas tragédias estúpidas não deveriam acontecer em outras partes da cidade? Essas pessoas são ferrenhas cumpridoras da lei. Votam na direita e querem leis severas. Quando chegam a pensam em equipes da SWAT, acha que são necessárias para combater o terrorismo e as drogas em outros lugares. Como isso pôde ter acontecido a eles?"
Página 138

Parte quatro: Jiliana Kemp, filha de um dos dois chefes de polícia local, foi sequestrada há um ano. Durante este ano pouquíssimas pistas surgiram, até que um cordão de ouro penhorado, pertencente a Jiliana, os levou a um suspeito: Arch Swanger. A policia tinha certeza de que ele era culpado, mas as provas que possuíam contra ele eram insuficientes para prendê-lo. Depois de ser conduzido para interrogatório pela segunda vez, Arch pede um advogado especifico: Sebastian Rudd. Sebastian vai de encontro a Arch, e, apesar de estar empolgado pela repercussão do caso na mídia, também receoso, já que Arch não possuí emprego fixo e vive em um trailer com a mãe, portanto, dificilmente poderá arcar com seus honorários.

"E todo réu, por mais desprezível que seja a pessoa ou seu crime, tem direito a um advogado. Muitos leigos não compreendem isso e não se importam. Eu também não me importo. É meu trabalho."
Página 208

Preciso esclarecer que não são contos, o livro se passa em uma seqüência cronológica contínua e os casos se inter relacionam em algum momento. E também acompanhamos a vida e os problemas pessoais do Sebastian.





Antes de qualquer outra coisa preciso falar sobre o John Grishan. Vejo pouquíssimos comentários acerca do autor, o que é extremamente injusto, posto que se trata de um autor de thrillers talentosíssimo e suas obras são fantásticas. Tive o primeiro contato com o autor no primeiro ano da faculdade, quando a professora de português jurídico nos mandou ler O Sócio. Simplesmente engoli o livro em uma única noite e depois procurei saber mais sobre o autor e suas obras.

Obs: Arma utilizada de air soft

A professora nos mandou ler a obra quando estava ensinando argumentação e dá para entender o motivo. A narrativa do autor é maravilhosa, os diálogos são excepcionais, e é impossível para mim ler qualquer obra do autor e não pensar: “quero ser assim quando crescer”. O autor é um advogado norte americano, o que torna suas obras - no que concerne a temática jurídica - completas e precisas. John Grisham retrata a argumentação como uma arte, onde é preciso saber o que e quando falar, e, principalmente, saber ler a expressão e a linguagem corporal do interlocutor.

"Um velho advogado dos tribunais me disse uma vez que, se chegasse o dia em que eu entrasse em um tribunal e encarasse o júri sem medo, seria hora de parar."
Página 368

Os personagens principais do John Grisham não são exatamente mocinhos. Pelo contrário, muitos são trapaceiros. Você pode até não gostar deles, mas dificilmente não os considerará geniais. Sebastian não é diferente, é um advogado malandro e ardiloso que não se importa em quebrar as regras para conseguir o que ele considera justiça aos seus clientes. Sendo assim, conseguiu ter como inimigos criminosos, como também,  policias. Tanto que seu apartamento foi explodido por bombas há cinco anos e os responsáveis podem ser qualquer dos grupos supramencionados. Agora ele tem permissão para portar arma de fogo e tem como escritório uma van preta blindada.

Obs: Arma utilizada de air soft

A vida pessoal do Sebastian é parecida com a do Ross, do seriado Friends. Ele foi casado por um pouco menos que dois anos, mas viveu com Judith por cerca de quatro meses infernais, até descobrir que ela estava tendo um caso com outra mulher. O agravante na situação é que Judith estava grávida. Ela também é a advogada, e é a personificação do empoderamento feminino. Trabalha em uma firma com outras nove advogadas (sim, todas mulheres, não, homens não são permitidos) e é especialista em causas envolvendo relacionamentos homossexuais.


Starcher é o filho da Judith e do Sebastian, é um doce e um inteligente garoto de sete anos que vive no fogo cruzado entre seus pais, e ainda entre sua mãe e sua nova companheira. Judith fez tudo que estava ao seu alcance para afastar Sebastian do Starcher, por conta do número de ameaças de morte que Sebastian recebe devido ao seu trabalho. Aqui também é levantada, ainda que de forma sucinta, a temática da alienação parental, o que é muito interessante.


Não vou entrar no mérito das discussões apresentadas porque não é a finalidade da resenha e também porque geraria muita polêmica, mas devo dizer que não concordo com todas as teses defendidas pelo autor, e, me sinto obrigada a ressaltar que o cenário de segurança pública nos EUA é muito diferente do que acontece no Brasil. Por exemplo, juízes e promotores lá são eleitos, e a imagem deles perante a sociedade é muito importante, no Brasil esses atores da justiça são concursados e o ideal é que pouco apareçam na mídia. Outra diferença básica é que lá a polícia, em geral, é exaltada e respeitada, principalmente depois do 11 de setembro, poucos ousando criticá-los.

"Depois de meia hora, minha mão está quase desmaiando. Uma paramédica está sentada ao seu lado no banco do parque e cuida dela. A polícia me pede para ficar com ela também, mas não consigo ficar quieto. Há policiais por toda parte. Deus os abençoe."
Página 247

O livro está caprichadíssimo, a capa é linda e condizente com o conteúdo. O livro tem orelhas, as folhas são amareladas e as letras e espaçamento têm um tamanho que facilita a leitura. Não tenho o que reclamar quanto a edição e não encontrei erros ortográficos.

Obs: Arma utilizada de air soft

Se você gosta de seriados como Law and Order, Suits e How to Get Away With a Murderer, provavelmente gostará, não somente deste, mas de todos os livros do autor. Sério, não entendo como séries com temática jurídica são tão comuns e fazem tanto sucesso, enquanto livros com essa mesma temática raramente são mencionados, é uma grande injustiça, pois O advogado rebelde é um ótimo exemplo disso.



26 comentários:

  1. Olá
    Adorei poder conferir suas impressões a respeito desse livro, ainda mais por ser a primeira resenha que leio sobre. Nunca li nada do autor, e pelo que pude compreender, acredito que seria uma leitura bem interessante. Falou em How to Get Away With a Murderer já chama a minha atenção rs Com certeza gostaria de ler!
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Olá.
    John Grisham é um autor que preciso conhecer, como você disse pouco se ouve falar dele, mas sempre recebo recomendação de leitura e indicação do autor como um talento no gênero.
    Achei bem interessante a forma como o autor escreveu esse enredo e interligou todas as histórias, parece ser um livro bem instigante. E o que me deixa com mais vontade de ler é o fato de ter diálogos inteligentes.
    Dica aceita e anotada.

    Até mais!!
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Gostei bastante da sua resenha e apesar de não conhecer esse autor e livro, esse gênero me atrai bastante.
    Já vou anotar a dica pra tentar encaixar na minha meta de leitura.

    Beijos.

    Camila de Moraes - Blog Book Obsession

    ResponderExcluir
  4. Oie! Tudo bem? Amei a resenha, e as fotos então quero essa carteira do advogado para mim! Nunca li um livro do John, mas a curiosidade é bastante e depois de ler sua resenha e de saber que o autor é um advogado o que trás um ar bem realístico para o livro, vou começar com ele, já o adicionei na minha lista de desejados!
    BJss

    ResponderExcluir
  5. Oi Barbara, tudo bem?
    Eu adoro thrillers e sou apaixonada pela série How to get away with murder, então é claro que fiquei curiosa em relação a premissa desse livro. É a primeira vez que ouço falar do livro e realmente, não vejo muitas histórias que envolvem a advocacia não fazem tanto sucesso como deveria na literatura. Achei legal o que você disse sobre argumentação e já estou doida para ver os diálogos do protagonista. Dica anotada!

    Beijos! ♥

    ResponderExcluir
  6. Oi, Barbara!
    Ainda não li nada do autor, e apesar de não gostar de livros desse gênero, confesso que ele é ótimo para sair da zona de conforto. Fiquei curiosa para conhecer a vida do protagonista. E essa edição pela Rocco está linda!
    Parabéns pela resenha!

    Beijos,
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Amo How to Get Away With a Murderer e sinto saudades da ansiedade que sentia a cada episódio, não imaginava que esse autor escrevesse tão bem quanto parece na sua resenha, isso me deixou com um pequeno arrependimento de não ter solicitado ele a editora haha.

    ResponderExcluir
  8. Olá
    Infelizmente vou dizer o que você temia, mas eu não conhecia esse autor em questão (Sorry) mas fico contente em ser apresentado ao mesmo, pois eu os muito fã de trille e derivados, e já estou empolgado por essa obra. O mesmo tem uma premissa bem marcante e sua resenha deu pra saber bem o que o livro vai se tratar. Espero poder ler ele em breve, até mais ver
    Bjks

    ResponderExcluir
  9. Em um primeiro momento, achei que eram contos... rs Ainda bem que você esclareceu a linha cronológica da narrativa. Achei bem instigante a premissa e acho que me prenderia do começo ao fim.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oie...
    Amei sua resenha!
    Realmente esse autor é pouco comentado, pois, não me lembro de ter lido alguma resenha dele, o que é uma pena, pois, pelos seus comentários, suas obras parecem ser excelentes.
    Achei bastante interessante os personagens não serem aqueles inexistente "perfeitinho" , pois, quando eles tem defeitos a obra apresenta mais veracidade.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    O John é um autor com muito talento mesmo, minha irmã é apaixonada pelos livros dele, eu li apenas um, mas faz muuitos anos. Porém o gênero não me interessa tanto. Estou num momento que os romances de época estão me prendendo.
    Abraços

    ResponderExcluir
  12. Oi,
    Eu sempre me derrapo com os livros do John, mas até hoje nunca parei para ler nenhum. Acho que por ter uma pegada mais voltada para o direito, mesmo com a parte ficção, esse livro não agrade a todos.
    Também pelo fato do autor usar como base o cenário judicial americano, o que gera certa estranheza a nós.
    Não é um livro/autor que dou certeza que lerei, mas se surgir a oportunidade gostaria de conferir.

    Bjs,
    Garotas de Papel

    ResponderExcluir
  13. Bom, acho que eu teria problemas com esse livro. Você disse que muitos dos protagonistas do autor não são mocinhos, são até trapaceiros. Pois bem, tenho dificuldade de gostar de personagens assim, e aí mesmo que eles sejam geniais tenho problemas com a leitura em geral, porque pego antipatia do personagem e aí não acho nada no livro bom. Fora que é um gênero que não faço questão de ler, então prefiro não me arriscar.

    ResponderExcluir
  14. Olá Barbara,
    Já ouvi falar desse autor e de como ele é bom escrevendo Thrillers, mas tenho muita curiosidade.
    Gostei muito da sua resenha e do livro, achei a divisão bem interessante e me interessei por esse livro. Acho que ele foi muito bem trabalhado e desenvolvido. É bacana o autor ter levantado a alienação paternal, mesmo que de forma sucinta.
    Adorei as fotos também.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  15. Menina! Olha só o que eu to perdendo, tenho aqui há um tempao dous livros dele O Dossiê (este em e-book) e O Advogado (físico) e entre tantas leituras novas eles firam esquecidos. E nem fazia ideia que era um trilher policial. Bem, gostei da historia desses dois que vivem como cães e gatos e do tema levantado alienação parental( qual dos dois o garoto repudia?)
    E amooo as séries citadas.
    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Gente, como estudante de direito digo que necessito ler poque além de uma excelente experiência e aprendizado nessa área parece ser incrível, e o meu lado leitora implora por conhecer. Pelo que você disse realmente é bem injusto de não ver esse autor ter todo o conhecimento que merece, eu mesma não conhecia até a sua resenha, e pretendo mudar isso urgentemente. Já fiquei curiosa para saber o que irá acontecer nos casos e fico triste pela injustiças com o casal de idosos... infelizmente as vezes a lei protege aqueles que não deveria, o que é um saco. Amei, e já adicionei para ler porque realmente preciso dessas histórias!
    Um beijo
    www.brookebells.com

    ResponderExcluir
  17. Oii Barbara, tudo bom?? Sua resenha está fantástica, parabéns! Ameeei saber mais sobre esse livro e, como boa fã de thrillers, fiquei maluca para conferir esse! Amo livros que envolvem julgamento, e esses casos que você citou me deixaram mega curiosa. Coloquei nos desejados e espero ler em breve.
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  18. Pelo que parece esse cara é um mago dos tribunais e fiquei curiosa com o que ele vai fazer para livrar esses caras que não valem nada da cadeia.

    Depois de ler sua resenha eu fiquei pensando e achando injusto também o fato de eu nunca ter visto esse livro antes, o que é injusto não saber nada do autor, visto que ele parece ser tão bom.

    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Tô bem triste que deixei passar a oportunidade de pedir esse livro. Pela sinopse não tinha me cativado tanto a ler, mas com a sua resenha fiquei absolutamente interessada na argumentação desse advogado e em todos os casos. Suas fotos ficaram ótimas!
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  20. Apesar desse ser um autor bem famoso (pelo menos eu já o conheço de nome!) nunca li nada dele, que me venha a memória.

    Sua resenha me deixou curiosa a respeito dos livros do Grisham, justamente porque gosto de séries jurídicas (mas gosto mais das policiais... Já assisti muito com a minha mãe!) e não imaginava que os livros dele fossem tão bons assim! E nem com essa temática, num sei porque, mas imaginava um romance ou algo assim!

    Obrigada por tirar o stigma que eu havia colocado no autor!

    Abraços!
    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  21. Oie
    Tudo bom?
    Nossa que livro é esse?
    E o que achei interessante foi você dizendo que as histórias são conectadas.
    Quer saber como o advogado irá resolver tudo.
    Excelente resenha.
    Beijos

    ResponderExcluir
  22. Oiee Bárbara ^^
    Eu não gosto do gênero (por mais que acompanhe HTGAWM), então este não é bem um livro que eu morro de curiosidade de ler. Mas quero conhecer a escrita do autor, pois não é a primeira vez que eu vejo alguém elogiando não só a escrita dele, como também os personagens, que me parecem muito bem construídos E desenvolvidos.
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  23. Não sabia que o autor exercia essa profissão. Já ouvi muitos elogios de algumas de suas obras, e pela propriedade que tem, acredito que os casos descritos por ele são realmente de sentar e entrar nesse mundo. Cada caso descrito me chamou muito a atenção e fiquei curiosa sobre qual a ligação que deve ter e a opinião de Sebastian sobre eles.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir
  24. Oi, tudo bem?
    Gente do céu que livro é esse que eu ainda não conhecia? Adorei todo o enredo e as quatro partes que citou aqui já me deixaram curiosíssima para saber como o Sebastian vai lidar com cada um desses casos e saber quais são as duas partes que você não citou aqui
    Esse livro vai para minha vida lista de compras do próximo mês com certeza.
    Bjs

    ResponderExcluir
  25. Olá tudo bem?
    Já tinha ouvido falar sobre esse livro, mas ele pouco me chamou a atenção. Não tinha lido a sinopse, portanto não sabia do que se tratava. Na minha cabeça o título era de mais um romance erótico.
    Gostei bastante da trama é Sebastian me chamou muito a atenção. Estou bastante curiosa para saber como as quatrocidades partes acabam. E também para descobrir mais sobre as outras duas.
    Já o quero na minha estante.
    Bjs, Mila

    http://a-viagem-literaria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  26. Oi Barbara!
    Fiquei extremamente feliz com sua resenha, vivi cada momento do livro e continuo curioso com o desfecho. Parabéns pela resenha e pelas fotos.
    Beijos! João

    ResponderExcluir