23 janeiro 2017

[Resenha Epistolar] Vamos Juntas? - Por Babi Souza



Título: Vamos juntas?
Autor (a): Babi Souza
Páginas: 144
Editora: Galera record
Skoob || Encontre

Sinopse: Toda mulher já se sentiu insegura na hora de sair sozinha na rua. O risco de ser abordada, perseguida ou assediada é uma realidade. Mas, um dia, uma moça chamada Babi Souza teve uma ideia simples e revolucionária: da próxima vez em que você estiver sozinha, olhe para os lados. Pode ter outra mulher andando na mesma direção. Por que não vão juntas?
Logo, o movimento Vamos Juntas? conquistou moças em todo o Brasil, se tornando um símbolo de união feminina e feminismo, na defesa por direitos iguais entre homens e mulheres. Aos poucos, muitas mulheres mudaram sua forma de enxergar o dia a dia e a moça ao lado.
Além de dados sobre o feminismo, que mostram como ainda há tanto a ser conquistado, este guia traz relatos de mulheres que aprenderam, junto ao Vamos Juntas?, a enxergar companheiras umas nas outras. A se unir, ao invés de rivalizar.

Babi Souza mora em Porto Alegre e estava passando por uma situação pela qual muitas mulheres passam: o medo de andar pelas ruas no escuro. Diante disso, refletiu sobre a sociedade machista que estamos vivendo e como ela influência nosso ritmo de vida: precisamos sempre pensar muito bem antes de sair tarde ou optar por um caminho mais vazio. Tudo isso é resultado de uma cultura que tenta colocar a mulher como o segundo sexo.

''Só as mulheres entendem o alivio de olhar para trás na rua e ver que a pessoa que está caminhando atrás de você é outra mulher''

Babi criou o projeto Vamos juntas? e a ideia era: quando duas mulheres estiverem andando na rua, podendo até serem desconhecidas, elas iriam seguir aquele trecho juntas, para se protegerem de situações constrangedoras e até violentas. O projeto fez sucesso, em pouco tempo não estava apenas em uma página do facebook, mas também no dia a dia de muitas brasileiras que se identificaram. Feito com a base do feminismo, o Vamos Juntas? propaga a ideia de que devemos ser livres para vestirmos o que quisermos, e andarmos na rua no horário em que desejamos, e nada melhor do que se unir para conseguir isso.

''Não adianta, quando o assunto é violência nas ruas, se uma sofre, é como se todas nós fôssemos violentadas. E, além disso, esse sentimento é algo que só nós entendemos. Afinal, o nosso medo é diferente do medo dos homens: não tememos apenas que levem nossos bens materiais, tememos que levem a nós mesmas.''




Olá Babi Souza,

Recentemente li o seu livro Vamos juntas ? e me senti na necessidade de relatar minha experiência com ele por meio de uma carta. Assim como você faz com o seu projeto, em que você escreve diretamente para todas as mulheres, hoje irei escrever para você, uma mulher que merece todo reconhecimento que tem, que quebrou vários barreiras machistas e uniu as mulheres para um bem maior.


Conheci o seu projeto por mera coincidência, estava no facebook e me deparei com um compartilhamento de um relato postado na página do projeto. Era de uma menina que sofreu abuso e era tida como ''Anônima''. Fiquei refletindo sobre como ela foi corajosa em compartilhar aquele relato, e quando acessei a página adorei a identidade visual e a mensagem que ela passa. Antes eu não entendia muito sobre o feminismo, mais agora que acompanho o projeto consigo compreender suas ideias e valores, e principalmente sua importância no dia a dia de nós, mulheres.


Infelizmente temos conceitos machistas impostos em nossa sociedade, querendo nos impor o que fazer e quando deve ser feito. Para mim é nítido isso, basta repensar: Os homens andam por ai sem se preocuparem com quem está atrás, já as mulheres sempre estão calculando metricamente as maneiras que conseguirão fugir caso algo aconteça. Li um relato na sua página sobre isso, e é verdade, sempre buscamos os caminhos com mais comércios abertos e de preferência melhor iluminados. Já os homens não precisam disto, andam livremente e por onde acharem melhor.


Com seu livro consegui finalmente entender que o feminismo não quer colocar as mulheres acima dos homens, e nem contra eles, apenas buscam os seus direitos de ir e vir sem dar satisfação para ninguém e sem ter medo de sofrer qualquer tipo de violência. Existem muitas diferenças entre o feminismo e o femismo, e é incrível como a sociedade, em pleno século XXI ainda julga as mulheres, apenas por elas correrem atrás de seus direitos.


Seu projeto acolhe milhares de mulheres que muitas vezes não tem o apoio da família, ou não sabem como agir com certo relacionamento. Você tem ideia do quanto isso é maravilhoso? Em nosso cotidiano absorvemos o hábito de julgar alguma mulher, de trata-la como inimiga ou chama-la de apelidos que são usados para o sexo feminino como xingamentos, mas quando aplicados para algum homem, são visto até como elogios.

MACHISMO : o comportamento expresso por opiniões ou atitudes de uma pessoa que não aceita a ideia da igualdade de direitos e deveres entre os gêneros sexuais favorecendo o sexo masculino

É meio maluco perceber que certas mulheres preferem desabafar com você do que com alguém próximo. Tenho o costume de sempre olhar a página do face do projeto e ler relatos e comentários. Aliás, me surpreende o resultado que o projeto teve em tão pouco tempo. As mulheres estão se unindo e usando um pouco do seu tempo para ajudar uma ''desconhecida'' mas que pode ser vista como uma amiga.


Nossa sociedade é tão machista que termos como ''sororidade'' e ''empoderamento'' não são usados frequentemente, e eu não os conhecia antes de ver o projeto. Isso porque possuem o objetivo de mostrar que as mulheres podem se unir, e lutar por um mundo melhor, agora ficou óbvio o motivo dessas palavras serem tão desconhecidas?


Babi, você foi empoderadora, guerreira e solidária ao criar um projeto onde as mulheres de todo canto do Brasil conseguem desabafar, se ajudar, e dia após dia perceberem o quanto ainda precisamos evoluir. Não desmerecendo seu trabalho, mas foi uma ideia tão simples: unir as mulheres. Parei e refleti sobre como isso já deveria fazer parte do nosso cotidiano a muito tempo. Porém, essa ideia teve um resultado avassalador. E o que você disse no livro realmente é verdade, coloquei a palavra ''sororidade'' nessa resenha, e o corretor teima em marca-la como algo escrito errado, como se eu quisesse escrever ''sonoridade''. Até o corretor ainda não se acostumou com essa palavrinha tão simples.

Ouso dizer que seu livro não deve ser lido apenas pelas mulheres, mas também pelos homens, para aprenderem a se colocar no lugar de alguém do sexo feminino, e jamais tirarem o direito delas sobre o próprio corpo, respeitando o livre arbítrio. Aliás, achei lindo quando você publicou o relato de um homem que quase foi estuprado por um homossexual. Essa publicação foi um ''tiro no peito'' de quem achava que esse projeto queria desmerecer todos os homens.


O conceito de machismo é algo que cresce conosco, até nos desenhos infantis percebemos como os homens são vistos como seres importantes em nossas vidas e que precisamos de alguém do sexo masculino para sermos felizes. Na maioria dos desenhos as personagens são sozinhas, e só nos lançamentos recentes conseguimos perceber elas buscando ajuda com alguma amiga ao invés de algum homem.  Qual o motivo do ''felizes para sempre'' só acontecer quando as princesas encontram o amor de sua vida, e não no momento em que elas se libertam de seus pais, que na maioria das vezes são mandões? Sempre é a madrasta má, mas a figura paterna ou já faleceu ou é mostrada como salvadora, não é mesmo?


Seu livro teve uma edição digna. A identidade visual da página do projeto é linda, e foi transmitida para essa obra. Temos uma paleta de cores: rosa, branco, cinza, preto e amarelo, que deixou o livro maravilhoso. Pequeno e curto, consegui termina-lo em apenas 1 dia. Não encontrei erros de revisão. É um dos livros mais lindos da estante, essa folha de guarda ficou maravilhosa.


Você mostrou o projeto de uma maneira simples, onde conseguimos entender todas suas propostas e ideias passadas, além de ilustrações que melhoram o ritmo da leitura. Foi argumentativa, mostrou suas opiniões com respeito e dignidade, sempre tentando convencer o leitor. Mas preciso confessar que não concordo com todas os conceitos do feminismo, não vou citá-los aqui, pois o objetivo dessa resenha epistolar não é só expor a minha opinião sobre a sociedade, mas mesmo não concordando 100%, eu não julgo quem concorda, e me considero sim uma feminista, pelo fato de acreditar nos direitos iguais entre os sexos. O resto dos temas é detalhe.


Parabéns, pelo projeto criado, por conseguir ajudar muitas mulheres, e principalmente por mostrar que ser feminista não é errado, aliás, é lindo. E que se for para fazer textão, que faça textão! Pelo menos estamos mostrando que estamos indignadas com o que está acontecendo. Se vai mudar alguma coisa ? Com certeza! Mulheres unidas jamais serão vencidas !

Agora uma pegunta para você, seguidora do blog Rillismo: Ao sair de casa, já reparou que talvez alguma mulher esta fazendo o mesmo trecho que você? Que tal irem juntas?

Também vou deixar abaixo um gif que eu fiz com os principais cards do projeto, e que também estão no livro, para vocês entenderem um pouco das mensagens que a autora quer passar.


20 comentários:

  1. Olá
    Adorei poder conferir suas impressões a respeito desse livro, que para mim apresenta um projeto maravilhoso e muito bem desenvolvido e que merece todo o destaque possível. Como já deu para perceber, eu também já fiz essa leitura e particularmente adorei tudo. A edição está maravilhosa <3
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Ola Maria,a edição do livro está linda,assim como esse projeto que partir de uma ideia simples,que rendeu ótimos resultados em prol da segurança das mulheres,andar sozinha hoje em dia é cada vez mais perigoso.Fico feliz em ver como o livro levou o projeto ao alcance de muitas pessoas.Com certeza irei ler. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, Maria Fernanda!
    Ainda não tive a oportunidade de ter o livro em mãos. Acredito que vai ser uma leitura bastante significativa. Incrível que o projeto pode ser expandir tanto em uma sociedade predominantemente machista. Torço que ainda mais que tanto mulheres como homens possam lutar por essa igualdade. o/
    Beijão!
    http://www.lagarota.com.br/
    http://www.asmeninasqueleemlivros.com/

    ResponderExcluir
  4. Oie! Tudo bem? Uma parte da sua "resenha" me chamou bastante a atenção, de algo que sempre faço e que fui ensinada desde criança a fazer: andar sempre perto de lojas abertas. Meus pais sempre me ensinaram: Nay anda sempre perto das lojas e da rua, se você ver que estar sendo seguida entra numa loja ou atravessa a rua. E isso é uma triste realidade de todas nós, somos sempre ensinadas a nos cuidar, cuidar quem está atrás de nós enquanto homens andam livremente em "qualquer" espaço. E já queria muito ler esse livro, e a cada resenha que encontro dele quero mais ainda! O mundo em si é perigoso, mas parece, ou melhor, para as mulheres ele é mais ainda!
    Bjss

    ResponderExcluir
  5. Oi Maria Fernanda, eu só conheci o projeto depois da publicação do livro, o que mostra que esse compromisso pode vir em outros formatos, para atingir um publico cada vez maior. Amei as fotos que você postou do livro e acho a leitura obrigatória para TODO ser humano.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi, adorei sua resenha. Já tinha lido sobre o livro e realmente achei lindas diagramação. Apesar de achar a ideia dele. Ótima, também creio ser uma pena a necessidade dele para algumas pessoas. É incrível que em pleno século 21, com tantos avanços Precisemos passar por certas situações. Muito bom vc ter tocado na "dica" de andar próximo as lojas, ninguém me encinou, mas acabou sendo um hábito. Bjs

    ResponderExcluir
  7. Oie, desde que vi o lançamento desse livro tenho curiosidade em conhecê-lo, e gostei muito da resenha-carta, e baby realmente recebe parabéns pelo que criou e pela confiança que as mulheres tem nela, mesmo sendo em uma página virtual. Confesso que não conheço a página do projeto, mas vou procurá-la.

    ResponderExcluir
  8. Olá!!
    Não conhecia esse livro, nem o projeto, mas achei a ideia fantástica!
    Já faz muito tempo que eu evito andar sozinha à noite, e confesso já ter sido seguida e abordada por um homem enquanto eu andava sozinha. Nada aconteceu, porque ele se assustou com meu grito e correu, mas quantas e quantas mulheres não têm a mesma sorte que eu tive?
    E é a partir daí que temos que começar a nos unir sim, e discutir o feminismo sim, sem piadinhas ou comentários idiotas que vejo tantas pessoas fazendo por aí.
    Parabéns à autora pela ideia, e parabéns pela sua resenha-carta, amei a ideia!
    Um beijo!

    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bom?
    Conheci esse projeto ano passado, assim como você. Estava rolando no feed do meu facebook, apareceu uma postagem e eu fui conferir. Achei o projeto super pertinente porque nós mulheres temos sim medo das mais diversas situações quando andamos sozinha por uma rua a noite, ou a tarde se for deserta e como você mesma falou, isso é fruto "cultural" da nossa sociedade. É impressionante como ainda somos julgadas apenas por buscar nossos direitos. É imperdoável que quando soframos algum tipo de violência, nos questionem o que estávamos vestindo, ao invés de buscar pelo verdadeiro culpado. É por situações assim que ainda precisamos e muito do feminismo. Amei a postagem e mal posso esperar para conferir o livro. Você escreveu super bem!!

    Beijos!
    Pollyanna Campos - Entre Livros e Personagens
    http://entrelivrosepersonagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi, Maria!
    Na época do lançamento o livro foi bastante comentado, mas não tinha parado para ler resenhas sobre ele, e agora lendo a sua resenha percebo como é incrível o projeto criado, pela Babi. Esse livro deve ser lido por mulheres e homens também, devemos ajudar umas as outras. Com certeza vou procurar conhecer melhor esse projeto, assim como você não compreendo muito o feminismo, e acho que esse projeto vai ajudar bastante.
    O livro tem uma diagramação linda, com uma leitura simples, direta, e necessária!
    Parabéns pela sua carta a autora!

    Beijos!
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá, Maria

    Adorei a sua ideia de postar sua avaliação como se fosse uma carta. Eu já conhecia o projeto de nome e depois da sua resenha vou fazer questão de visitar a página para conhecê-lo um pouco melhor. Nós mulheres temos que nos unir mesmo, temos que nos ajudar. Só a gente sabe o que é andar na rua com medo, o que é ser sarrada no transporte público, o que é andar apressada por uma rua deserta...
    Adorei a proposta do livro e achei a edição linda!

    Beijocas

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Outro dia fiz um comentário sobre este livro. Achei muito interessante a ideia. E em uma das resenhas que li, a moça fala q a estória que ela mais gostou foi quando uma moça parecia que ia ser atacada e a moradora de Rua se juntou a ela, para parecer que eram amigas.
    Achei bem legal a forma como escreveu. Espero que atinja o público que você deseja.

    ResponderExcluir
  13. Parabéns para o projeto da Babi e ao livro que realmente parece ter sido feito cuidadosamente nos mínimos detalhes. Acho que o medo de andar sozinho, atualmente, não é só das mulheres (é claro que as mulheres acabam sendo mais visadas), mas a violência no geral tem aumentado muito. Acredito que as pessoas conscientes tem que conhecer esse projeto e o livro.

    *☆* Atraentemente *☆*

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    O projeto da Babi é maravilhoso, é realmente um livro que não deve ser lido somente pelas mulheres, ele tem muito a acrescentar e eu fico feliz de ver mulheres se unindo cada vez mais umas pelas outras. Ah e a apresentação gráfica dele é uma graça <3
    Beijos,

    Luana

    ResponderExcluir
  15. Olá! Também conheci o projeto pelo facebook. Realmente Babi Souza conseguiu criar um grande movimento, unir várias mulheres em uma causa importante. Infelizmente mesmo temos conceitos machistas. O resultado do projeto é de se surpreender mesmo. E maluco mesmo ver muitas preferir desabafar com ela do que alguém próximo. Legal você ser escrito a resenha como uma carta a Babi. Beijos'

    ResponderExcluir
  16. Eu acho fantástico o projeto que esse livro trás e digo mais. Ele deveria ser além de um livro e divulgado na mídia como um todo porque essa ideia das mulheres andarem juntas como uma forma de proteção é fantástica e até mesmo uma forma de defesa nesse mundo que estamos tão vulneráveis. Beijos

    ResponderExcluir
  17. Já conhecia o projeto e não sabia que tinha o livro sobre ele. Acho a ideia realmente muito boa, como você descreveu em sua carta, um simples atitude, fez tudo isso. Eu tenho o costume de ir junto com outra pessoa em lugares mais desertos, mas sempre prefiro aqueles mais movimentados e com lojas abertas, sabe, eu me sinto melhor e até mais livre. Cada um age da maneira que mais lhe agrada, não é mesmo?
    Adorei a forma que você resolveu colocar suas impressões.
    Bjim!.
    Tammy

    ResponderExcluir
  18. Olá Maria! ^^
    Tenho que te parabenizar pela forma que decidiu fazer essa resenha! Ficou fantástica e espero que a autora venha a conferir e ler sua carta.
    Agora falando sobre o livro: Eu sou uma apoiadora do movimento feminista, apesar de não conhecer todos os detalhes em relação a ele. Como você concordo com algumas coisas. Ainda não conhecia o livro, mas com certeza irei adquirir, pois quero saber mais em relação ao projeto. E agora sempre que estiver em uma rua praticamente vazia e com medo já sei o que fazer!!

    Beijos e até logo!

    ResponderExcluir
  19. Oie
    esse é um livrinho muito amor e que espero com certeza poder ler logo, na verdade eu ja dei uma folheada pois tenho ele aqui mas ainda nao parei e li com calma, muito linda sua resenha

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. OIe,

    Esse enredo deve ser bem tranquilo, e com uma leitura rápida. É legal trazer questões sobre o feminismo e mais ainda estabelecer uma diferença entre o femismo também. E, mais ainda o quanto devemos tomar cuidado com lugares esquisitos. Ainda bem que não tenho o costume de andar só.

    ResponderExcluir