14 dezembro 2016

[Resenha] Nem tudo será esquecido - Por Wendy Walker



Título: Nem tudo será esquecido
Autor (a): Wendt Walker
Páginas: 288
Editora: Planeta de Livros
Skoob || Encontre

Sinopse: Um dos suspenses psicológicos mais elogiados nos Estados Unidos Tudo parece perfeito na pequena Fairview, em Connecticut, até a noite em que a adolescente Jenny Kramer é violentada durante uma festa. Nas horas posteriores, ela é medicada com uma droga controversa para que as memórias da violência sejam apagadas. Mas, nas semanas que se seguem, enquanto se cura das dores físicas, Jenny percebe que guardou nuances daquela noite. O pai, obcecado por sua incapacidade de descobrir quem abusou de sua filha, busca justiça, enquanto a mãe tenta fazer de conta de que o crime não abalou seu mundo cuidadosamente construído. Segredos da família e do círculo próximo começam a vir à tona durante a busca incessante pelo monstro que invadiu a comunidade – ou que talvez sempre tenha estado lá –, guiando este thriller psicológico para um fim chocante e inesperado.


Jenny Kramer é uma garota de 16 anos que mora na pequena Fairview, e lá, a jovem foi convidada para uma festa da escola por um garoto chamado Doug. Como qualquer adolescente, ela ficou empolgada e se preparou durante a semana inteira. No entanto, ao chegar lá, ela vê Doug com outra garota e resolve se afogar na bebida. Já bêbada, e depois de ter passado mal no banheiro, Jenny corre para a mata atrás da casa para ficar sozinha e chorar. E é nesse momento que ela é brutalmente estuprada.

“E eu ficava otimista com o mundo quando a via. Não seria sincero dizer que me sinto assim em relação a todo bando de adolescentes que algumas vezes parece roubar a ordem de nossa vida como um enxame de gafanhotos. Grudados em telefones como parasitas com morte cerebral, indiferentes a quaisquer assuntos além de fofocas de celebridades e coisas que lhes proporcionem gratificação instantânea – vídeos, musica, tuítes de autopromoção, Instagram e Snapchat. Adolescentes são egoístas por natureza . O cérebro deles não amadureceu. Mas alguns parecem se agarrar à própria doçura ao longo desse período da vida e se destacam. São aqueles que olham em seus olhos quando você os cumprimenta, sorriem educadamente, lhe dão passagem simplesmente porque você é mais velho e entendem o valor do respeito em uma sociedade organizada. Jenny era assim. Vê-la depois, perceber a falta de alegria que uma vez borbulhou dentro dela , me deixou com raiva da humanidade.”

O estupro foi  muito violento, necessitando inclusive, de uma cirurgia, e o médico propõe um tratamento aos pais de Jenny para que ela esqueça o que aconteceu. É um tratamento que está sendo aplicado nos heróis de guerra e parece diminuir a incidência de transtorno pós-traumático. O tratamento consiste em ministrar morfina logo após o trauma, porque ele inibe as emoções e o cérebro armazena mais facilmente fatos que geram emoções. E depois um medicamento chamado benzatral, que inibe a formação de memórias de longo prazo.

Os pais da Jenny discordaram entre si sobre submetê-la ou não ao tratamento, posto que, caso o medicamento fosse ministrado, perderiam a chance de ela reconhecer quem a atacou e tudo que porventura lembrasse não poderia ser levado em conta em um tribunal. No fim, acabaram autorizando que o médico administrasse o tratamento na esperança de que ela ficaria bem.

“Mais tarde, mesmo depois de o tratamento ser ministrado – porque ela ainda sabia o que tinha acontecido -, cada sonho romântico da primeira vez com um namorado, cada história de amor que girava em sua cabeça e à fazia sorrir à ideia de ser amada por uma pessoa como nenhuma outra pessoa no mundo. Era bem provável que isso tudo estivesse perdido para sempre.”




Esse é aquele tipo de livro que não dá para prolongar muito a resenha sem revelar demais. Cada trecho trás um mistério a ser revelado, o que acontece ao longo de todo o livro, e, ajuda a prender a atenção do leitor. Eu quero que quem leia o livro depois da minha resenha tenha a mesma experiência maravilhosa que eu tive.

Os livros do gênero normalmente buscam analisar a mente do criminoso, conhecer seu passado e entender os motivos por trás da prática do crime. Aqui, diferentemente, temos a análise do que acontece com a vítima e a sua família após um crime brutal. Jenny é uma garota que tenta ser forte e superar o que aconteceu. No entanto, apesar de não lembrar o que aconteceu, os fantasmas continuam a atormentá-la e ela parece ter pedido a alegria e vivacidade que outrora lhe eram tão características. Gostei muito da Jenny e da sua determinação.

O pai da Jenny, Tom, é um pai amoroso e dedicado que fica destruído após saber o que aconteceu com a filha. Ele se culpa por não ter conseguido protegê-la e quer descobrir a todo custo quem fez isso, o que não será tarefa fácil, posto que não foram encontradas evidencias físicas no local. O homem usou mascará, se depilou e nada do que a Jenny possa se lembrar poderá ser usado por conta do tratamento. Gostei muito do Tom e da forma como ele é carinhoso e preocupado com a família. No entanto, chega um momento em que ele fica tão obcecado por descobrir quem é o estuprador que começa a incomodar, mas acho que isso é compreensível.

“O ódio ao agressor apareceria, mas não naquele momento. Mais do que tudo, o que Tom viu, sentiu e ouviu naquele instante foi o fracasso de proteger sua menininha. O desespero dele não podia ser medido nem descrito de forma adequada. Ele mesmo começou a chorar como uma criança, a enfermeira ao lado, a filha pálida na cama.”

Já mãe da Jenny, Charlotte, fica horrorizada ao ver seu mundo perfeito, cuidadosamente construindo, desmoronar. Tudo o que ela quer é consertar as coisas para que o pesadelo acabe. Por isso foi tão veemente em sua decisão de ministrar o medicamento, ela quer consertar a filha. Trata-se de uma personagem complexa, eu a odiei em muitos momentos, mas, como o próprio narrador diz: Quem sou eu para julgar? Seria hipocrisia. Existe um motivo por trás das atitudes dela, e o leitor começa a compreender a personagem no decorrer da estória.

“É preciso muito mais força para experimentar a emoção do que para suprimi-la.”

Não vou falar em outros personagens aqui justamente para não revelar mais do que gostaria. Mas posso dizer que todos os personagens são muito bem construídos e trazem uma personalidade complexa.

O livro é narrado em terceira pessoa por um personagem que só nos é revelado após alguns capítulos. Esse personagem ouviu o relato do que aconteceu da Jenny e dos pais dela, considerei um recurso genial da autora. Achei a leitura arrastada no começo, as primeiras cinqüenta páginas mais ou menos, que é quando o enredo nos é apresentado. O que é compreensível dada a complexidade dos personagens e o enredo intrincado. Depois disso, a leitura fluí, e, é difícil parar de ler até chegar ao final.

“Na juventude, há a incapacidade de saber o que vai acontecer quando uma decisão é tomada. Uma das grandes lastimas da experiência humana é o fato de que, no momento em que sabemos nos portar de maneira mais apropriada, nos resta pouco tempo de vida.”

Eu indico o livro para todos que gostam do gênero. Quando comecei a ler pensei que seria um livro com ação, suspense, mistério. Mas, na verdade, é um livro que lida com o aspecto técnico da psiquiatria. É realista e lida com os fatos de uma forma crua. Os relacionamentos interpessoais, o sexo, os personagens... Tudo é retratado de forma realista, não idealizada, o que, em alguns momentos, chega a ser um tapa na cara.  Se você gosta de seriados no estilo de Criminal Minds e sente curiosidade sobre livros do gênero, creio que gostará deste.  Mas não leia se você não se interessa por psicologia, psiquiatria e o funcionamento da mente. Você achará entediante.

13 comentários:

  1. Olá
    Adorei poder conferir suas impressões a respeito desse livro, especialmente porque ainda não o conhecia. Fiquei bem curiosa sobre o desenvolvimento, sobre os relacionamentos, personagens e ainda mais porque gosto desse gênero. Também gostaria de saber sobre a narração, e imagino que deve surpreender por conta de seus comentários.
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Oiii!!
    Nossa que livro incrível, não conhecia ainda. Nunca li nada que fosse pela perspectiva da vítima... e foi isso que chamou a minha atenção. Li esse ano um livro que lida com esse tema também, mas no caso da personagem da história que li, ela finge ter esquecido o que realmente aconteceu por medo. Decisão bem dificil para essa mãe e pai hein... um tratamento para fazer a pessoa esquecer o que aconteceu. Se fosse real, muita gente por ai faria isso acredito eu. Gostei muito da resenha, despertou minha curiosidade
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bem?
    Essa é a segunda resenha que leio sobre esse livro e ambas muito positivas por sinal. Acho bem interessante os temas abordados no livro. Acho que estupro é algo tão pesado que as vezes seria melhor se a vítima esquecesse o que houve mesmo mas as consequências que isso pode trazer torna esse livro instigante.
    Pretendo ler em breve.
    Bj

    ResponderExcluir
  4. OI Barbara, achei a premissa do livro muito forte e original. talvez a leitura gere um pouco de desconforto, mas acho que eu ia gostar desta coisa de analisar a vítima e ver os desdobramentos que o procedimento se dará com ela. Quero ler.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Menina! Parece forte, pesada essa leitura! E o suspense e o terror psicológico já me fez querer ler e com certeza vou ler!
    Eu gosto de detalhes técnicos, procuro aprender com livros assim.
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Eu sou uma apaixonada por livros de suspense e estou maluca para ler esse!! Sua resenha ficou ótima e só conseguiu me deixar ainda mais empolgada para ler essa trama. Bom saber que os personagens são bem construídos, é algo que prezo muito em uma leitura.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Nossa que enredo fantástico. Um abuso e uma nova técnica de tratamento que para mim é até um pouco controversa. Nossa! Tenho que ler esse livro mesmo não sendo uma pessoa muito de livros de suspense e mistérios. Amei a resenha. Beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá Bárbara,
    QUE LIVRO É ESSE? Meu Deus, que premissa mais fascinante e envolvente. Como você disse, livros do gênero normalmente mostram a mente do psicopata que cometeu tal infração, mas não vemos uma história com a mente da pessoa que sofreu e como ela lida com isso.
    Entendo a mãe da protagonista que vê seu mundo ruir dessa forma.
    Deve ser fascinante ler esse livro e viajar por essa leitura. Achei mega interessante o livro ter essa pegada mais técnica da parte psicológica.
    Vou anotar a dica, com toda a certeza.
    Beijos,
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Não conhecia o livro, e fiquei fascinada pela trama. Adoro leituras que falam um pouco sobre a mente humana. Fiquei curiosa para saber como a personagem lida com tudo isso e quem é o estuprador. Espero poder ler em breve a obra, pois realmente me interessei bastante.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  10. Olha, eu não gosto de livros que falem sobre estupro ou que passem esse choque de realidade pesado dessa maneira, no entanto, fiquei extremamente curiosa com esse livro e em como será o desenvolvimento após a ministração do tratamento. Parece ser uma leitura absolutamente incrível.

    ResponderExcluir
  11. oIE...
    Adorei sua resenha!
    Gosto de ler livros que retratem casos que infelizmente fazem parte de nossa sociedade, pois, sempre nos trazem uma nova visão sobre o assunto. O estupro INFELIZMENTE anda mundo comum em nosso país, então, essa leitura é interessante de se realizar. Quando lei livros assim sempre me dá aquela ressaca literária, então, sempre prefiro intercalar em meio a leituras mais leves.
    Dica anotada.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Barbara!

    Me interessei muito por esse livro! Adoro toda essa trama de terror psicológico e que é um assunto em alta ultimamente. Vou adicioná-lo à minha lista! Arrasou na resenha, parabéns!

    Sucesso com o blog sempre!
    Beijos, Belle.
    floraliteraria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Oi, tudo bem?
    Uau que livro heim, eu não conhecia e a resenha já me animou muito. Sabe que eu adoro esse tipo de livro que mexe com o psicológico do leitor, achei o assunto interessante e parece ter uma leitura fluída. Estou bem ansiosa e pretendo ler logo!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir