30 dezembro 2016

[Resenha] Bom dia, Verônica - Por Andrea Killmore



Título: Bom dia, Verônica
Autor (a): Andrea Killmore
Páginas: 256
Editora: DarkSide Books
Skoob || Encontre

Sinopse: Em "Bom dia, Verônica", acompanhamos a secretária da polícia Verônica Torres, que, na mesma semana, presencia de forma chocante o suicídio de uma jovem e recebe uma ligação anônima de uma mulher desesperada clamando por sua vida. Com sua habilidade e sua determinação, ela vê a oportunidade que sempre quis para mostrar sua competência investigativa e decide mergulhar sozinha nos dois casos. No entanto, essas investigações teoricamente simples se tornam verdadeiros redemoinhos e colocam Verônica diante do lado mais sombrio do homem, em que um mundo perverso e irreal precisa ser confrontado.
Andrea Killmore compõe thrillers como os grandes mestres, e sua experiência de vida confere uma autenticidade que poucas vezes encontramos em suspenses policiais, vibrante e cruel — como a realidade.

"Bom dia, Verônica". Essas são as palavras que Verônica Torres escuta todas as manhãs, mas ela sabe que as pessoas que falam não a enxerga de verdade. Para eles, ela é invisível, apenas a secretária do delegado da divisão de homicídios de São Paulo. Ela leva uma vida aparentemente normal, tem um marido que lhe ama, filhos excepcionais, mas sonha com o dia que terá uma oportunidade de mostrar seu valor como investigadora. A oportunidade surge, não com um caso, mas dois que mudariam completamente sua vida.

"- Bom dia, Verônica - disse a moça invisível que me oferece café todo dia. Eu nunca soube o nome dela e tenho certeza de que ela só sabia o meu por causa da placa na mesa."
Página 12

Numa manhã, como em qualquer outra, Marta Campos entra na sala do delegado Carvana para abrir um B.O passando horas em sua sala, até que quando sai, a mulher se joga da janela do prédio sem nenhuma explicação aparente. Verônica fica transtornada e começa uma investigação clandestina descobrindo que a mulher fora enganada num site de relacionamentos, onde o cara lhe roubou tudo. Mas a surpresa veio poucos dias apôs ela começar a investigação quando recebe uma ligação de uma mulher dizendo que seu marido era uma assassino de mulheres e que ela seria a próxima.

"- Acho que meu marido vai me matar. - A voz dela era firme e estranhamente calma.
- E por que ele faria isso?
- Ele gosta de matar mulher.
- Ele já matou outras?
- Já, muitas.
- Um assassino de mulheres?
- Desculpa, preciso desligar agora.
E desligou."
Página 42

Verônica vê nessas duas mulheres distintas sua chance de provar seu valor, ela só não esperava que se envolveria tanto nos casos ao ponto de leva-los para sua vida pessoal, e quando deu por si, sua vida perfeita começa ruir. Verônica vê uma mulher morta que precisa de justiça, mas a outra ainda pode ser salva, será que ela conseguirá chegar até o final viva?

"Era o primeiro dia do fim da minha vida. Claro que eu não sabia disso quando abri os olhos pela manhã e que estava atrasada. [...]"
Página 01




Todo ano, quando chega ao final, costumo fazer uma análise dos livros que mais gostei, e para minha surpresa, foram pouquíssimos que favoritei, para ser mais exata, foram oito. Mas ai recebi o exemplar de Bom dia, Verônica da DarkSide Books, e por mais que eu estivesse doida pela leitura, fui totalmente sem pretensões e me apaixonei completamente.


A estória é narrada em primeira pessoa e alguns capítulos em terceira pessoa. Vocês devem pensar que essa mistura pode deixar as coisas bagunçadas, mas ficou perfeito pois dá uma compreensão maior sobre o que está acontecendo ao redor da Verônica. E por falar nela. Verônica é completamente real, essa pode ser sua maior qualidade, ser real como qualquer outra pessoa que conhecemos.


Como secretária do delegado, ela se sente invisível. As pessoas passam por ela sem vê-la, e falam coisas perto dela como se ela realmente não existisse. Logo no começo vemos que Verônica não é uma mocinha que quer salvar o mundo. Pelo contrário, ela deseja ser vista e com os casos que surgem, ela vê sua chance. Ela também é toda torta em sua ações. É aquele tipo de pessoas que faz certo pelas vias erradas, como invadir uma casa para investigar, ou pegar provas armazenadas pela policia para descobrir mais. O pior de tudo é que ela é totalmente consciente que está fazendo tudo ilegalmente, e não se importa com nada.

"Nem me preocupei em colocar luvas, minhas digitais seriam excluídas, já que eu trabalhava no prédio. Duvidava que alguém fosse reparar nisso. No brasil, ninguém checa nada. A mulher se suicidou. Logo, caso encerrado."
Página 18

Conhecemos alguns personagens secundários muito importantes na estória, como a Janete, e pra mim, o verdadeiro proposito da estória. Janete a primeira vista pode ser como qualquer dona de casa que vive para sua família. Casada com um policial militar, ela esconde horrores que precisa viver ao lado do marido. Ele a isolou complemente de sua família, e a leva com pulsos firmes. Brandão, além de autoritário, é um assassino em série. Sempre que sente vontade, ele obriga Janete a abordar mulheres jovens vindas do norte na rodoviária de São Paulo, com propostas de emprego e uma vida melhor, mas ao chegar no carro, Brandão deixa-ás inconsciente e as leva para um sítio isolado de tudo, e lá, ele as tortura de formas inimagináveis até matá-las. E Janete é obrigada a ouvir tudo, e é ai que percebemos que a Caixa que está na capa do livro tem um  propósito.


Não sabemos como essas torturas são de fato, mas temos uma ideia pelas coisas que Janete imagina, e pelos  objetos que ele usa para  torturá-las. Não é um livro tão pesado como dá a entender, mas sim psicológico pois ficamos extremamente tensos por quando será o próximo crime. Brandão é um psicopata e tortura a Janete através das palavras e a controla através do sexo, demostrando seu poder sobre ela, e, deixando-a atormentada e sem saída. Sentimos na pele toda a tensão e medo da personagem, como também o desejo de Verônica em fazer justiça com as próprias mãos.

"É como se ele sugasse a energia vital dela através das palavras. [...]
Na cama, o monstro vai embora e ele volta a ser seu homem maravilhoso. Ela chega a esquecer tudo. Esquece a Caixa, os choques, os grito e o horror. Naqueles momentos, Janete ama Brandão."
Página 66

Um ponto que gostei bastante da estória, foi a forma sútil que a autora usou para fazer críticas a justiça brasileira. Carvana é um delegado que está próximo a aposentadoria, e por isso, não quer ter nenhuma complicação deixando de lado as coisas que Verônica lhe mostra. Também mostra como os próprios policiais são tratados pela sociedade, vivendo com medo de serem mortos por nada, e como a Verônica diz, são tratados como lixo.

"No Brasil, policial é tratado feito lixo. Faz vista grossa, se corrompe ou morre. Cansei de conhecer policial que escondia o distintivo para não ser assassinado no caminho de casa, PM que colocava a farda para secar atrás da geladeira para ninguém ver, Civil que escondia bem a carteirinha para não levar tiro se fosse pego de vítima em um assalto. Eu não queria ter vergonha de ser quem eu era."
Página 38

De tudo na estória, o que mais me deixou perturbada é o fato dela se passar tão próxima de onde eu moro, e mais ainda, por saber que algo assim realmente acontece. Ambos os casos, o suicídio da Marta Campos, e os horrores de Janete, são estórias que podem realmente ter acontecido e me arrepia pensar no quanto as famílias das vítimas sofreram sem saber o que aconteceu. Outra coisa que achei sensacional foi o final. Foi totalmente imprevisível, Verônica descobre sua vocação, e com tudo que ela faz ao decorrer da estória, faz todo o sentido.


A edição física dispensa elogios, mais uma vez a DarkSide arrasou e trouxe uma edição primorosa e caprichada. As folhas são grossas e amareladas, trazendo imagens dos objetos de torturas e a caixa. A escrita da Andrea Killmore é frenética, acabamos um capítulo querendo devorar o outro, e assim, o livro se vai em pouco tempo. A autora é nacional, e mais uma vez, os autores tem mostrado o talento que nossa literatura trás. Fiquei completamente viciada na estória, e desejoso saber o que o destino reserva a Verônica após os acontecimentos finais.


No geral o livro é fantástico e devorado em pouquíssimo tempo. Verônica conquista por sua realidade, e ainda mais, por sua cede de justiça que não é concebida pelas vias legais. Recomendo a todos que amem uma estória extremamente criativa e viciante, Bom dia, Verônica é uma estória policial diferente de tudo que já li no gênero.


18 comentários:

  1. Vi esse livro e achei mega interessante, Ainda mais porque amo o gênero policial. Comecei a ler resenhas e ver vídeos e meu Deus, parece ser ótimo!!!

    Amei sua resenha, me fez ter certeza que quero ler e que devo pagar sem dúvida o boleto que tirei ontem à noite para comprar 😍

    Seu blog é muito lindooo!! Parabéns por tudooo *-*

    Beijos, Carol.

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Eu conheci esse livro por meio da página da editora no Instagram e fiquei impressionado com duas coisas. A capa, que está tão bela quanto as demais publicadas esse ano, e também pelo o fato da autora ser nacional. A história em si tem uma proposta que pode agradar muita gente, e esse kit que veio para os parceiros são bem fadas. Sobre favorita livros, esse ano eu li muitos mas só favoritismo 5. Até mas ver
    Bjks

    ResponderExcluir
  3. Alguém me diz que a promo do Submarino com desconto nesse livro ainda está valendo!
    Gente, estou mega surpresa como esse livro. Não imaginava um enredo tão instigante como esse.
    Com certeza vai ser uma das minhas leituras desejadas para 2017.
    Literalmente roendo as unhas para conferir esse livro.
    Seu livro veio com seu nome? :o

    Bjs,
    Garotas de Papel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola, não fui eu quem fez o post mas vou explicar: O livro só veio com o nome pois o blog Rillismo tem parceria com a DarkSide, e eles mandam kits personalizados aos parceiros.

      Excluir
  4. Que capa maravilhosa, isso só poderia ter sido trabalho mesmo da DarkSide. Quanto ao livro, é sempre bom quando você vai sem nenhuma expectativa e você acaba se surpreendo com a leitura. Esse livro me lembrou um pouco a Restos Humanos, não sei se você já leu, os casos não são iguais, mas o foco da história é um pouco semelhantes, se você ler vai acabar gostando.
    Trouxa do Livro

    ResponderExcluir
  5. Eu recebi esse livro essa semana, e depois de conferir sua resenha vou precisar passá-lo na frente de outras leituras. Eu simplesmente adoro o gênero, e mesmo sendo puxado mais para o psicológico e não mostrando tanto a violência mesmo já me empolga bastante. Não que eu adoro ver esses horrores, hahaha, mas é que gosto de leituras intensas assim.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Stéfani, tudo bem?
    É a primeira vez que ouço falar do livro e fiquei bastante intrigada ao conferir a sua resenha. Essa me parece realmente uma história meio pesada, que pode abalar os leitores psicologicamente por conta dos abusos e assassinatos de Brandão. Apesar de não ler muito, adoro livros policiais e acredito que esse iria me agradar, ainda mais sendo um nacional. Espero ler um dia!

    Beijos! ♥

    ResponderExcluir
  7. Eu estava pensando que também favorito poucos livros em 2016, na verdade li poucos livros bons. Parecia sempre mais do mesmo. Esse livro é muito bem.fotaro na crítica e espero Ler ele em 2017 para mudar meu status de sempre ler um livro mais ou menos. PS: surpresa por ser nacional, Juara que era gringo. Beijão

    ResponderExcluir
  8. Dificilmente leio o gênero policial e esse livro não me atraiu. Pelo menos as torturas não são descritas, mas só de imaginar meu estômago embrulharia. Eu ia ficar revoltada também, o cara é assassino em série, a mulher sabe e ainda se submete a ser cúmplice inclusive atraindo as vítimas? Não consigo fazer uma coisa dessas entrar na minha cabeça, passo a dica.

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bem Stefani?
    Estou louco para ler este livro, e após conferir suas impressões do livro, vendo que a autora consegue através do livro, fazer criticas a nossa justiça e relatar casos assim de uma forma tão real, me deixou ainda mais curioso. A diagramação como sempre linda, e apaixonante.

    ResponderExcluir
  10. Minha "caixa" que veio com o livro não veio personalizada. Fiquei muito triste mesmo :(

    Enfim, li o livro rápido porque a escrita dele é fluída, mas... (não me mata por favor), eu não gostei da finalização. Achei parecido demais com Dexter e sei lá, não me desceu. O livro tava bem realista sabe? E eu tava adorando isso nele,mas chegou no final e simplesmente ficou fantasioso demais. Também gostei das críticas ao cenário judiciário brasileiro e a parte da violência contra a mulher mexeu bastante comigo. Mas dei 3 estrelas.
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  11. Essas edições da Dark! <3

    Eu conheci esse livro na retrospectiva literária da Dark que teve mês passado por aqui, de cara eu já curti. Esse lance de tortura é comigo mesmo, não que eu goste de torturar alguém! Hahahahha
    Claro que ele está na lista, só me resta saber quando comprarei.

    Beijo

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Eu não costumo ler esse tipo de livro, mas fiquei super curiosa para saber se Verônica consegue desvendar os mistérios e se ela consegue pegar o Brandão. Acho que as leis ajudam, mas as vezes atrapalha muito, tanto que muito advogados conseguem safar os seus clientes por brechas que acham nela. Amei a capa e se tiver oportunidade de ler com certeza o farei.
    Sua resenha está maravilhosa e as fotos lindas.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  13. Olá Stefani,
    Ando muito boazinha, pois favoritei uns 20 livros no ano de 2016.
    Ainda não conhecia esse livro, mas WOW, que premissa mais interessante e que legal que a autora faz uma crítica para a justiça brasileira, pois, diga-se de passagem, é péssima, nénão?
    Fiquei bem intrigada com a leitura e suuper vou anotar essa dica.
    Parabéns pela incrível resenha e fotos.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  14. Olá
    o livro parece ser muito tenso, gostei muito do enredo e a edição como sempre está linda porque a darkside arrasa, muito boa a indicação e espero ter oportunidade de ler em breve

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Oi, tudo bem?
    Olha, uma surpresa e tanto viu! Tanto para você que leu a obra quanto para um leitor que está de olhoa na sua resenha. Esse parece ser um suspense de tirar o folego com muitas reviravoltas. Espero que Verônica faça as escolhas certas e sobreviva!!

    ResponderExcluir
  16. Andrea Killmore é brasileira? É isso mesmo? Por causa do sobrenome achei que fosse gringa e pela história acho que é brasileira.
    Estou realmente surpresa com a estória e adoro esse tema. Terminei de ler a sua resenha e só consigo pesar: Preciso desse livro!
    Obrigada pela dica.
    Bjs

    ResponderExcluir
  17. Oi Stéfani, tudo bem?
    Uau que livro é esse? eu sou mega suspeita pois sou apaixonada pelo gênero e só de ver que foi publicado pela Darkside me anima mais ainda, porque eles jamais pecam nas obras. Sua opinião me trouxe uma ótima proposta e certamente esse ano irei atrás dele!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir