15 novembro 2016

[Resenha] Onde o amor se esconde - Por Veridiana Maenaka



Título: Onde o amor se esconde
Autor (a): Veridiana Maenaka
Páginas: 350
Editora: Verus
Skoob || Encontre

Sinopse: Na São Paulo do início do século XX, a jovem Glória sonha com o amor, ao contrário de sua amiga Marisa, cujo desejo é viver tão livremente quanto os homens.
Glória, de família tradicional, se casa com o homem escolhido por seu pai. Rico e ambicioso, porém emocionalmente distante, esse homem vê na esposa apenas uma prova de sua ascensão social. Incapaz de dar um herdeiro ao marido, Glória vive uma rotina de violência crescente, enquanto Marisa se casa com o pretendente que escolheu, um notório libertino.
A infelicidade de Glória a torna suscetível à sedução de outro homem, e eles têm um encontro avassalador, marcado pela descoberta sexual da jovem. Envolvida em uma trama de luxúria, Glória pode conhecer um prazer jamais imaginado, mas será essa a sua chance de viver um grande amor?


A cidade é São Paulo. É o começo do século vinte.
Estamos na Velha República de oligarcas cafeeiros com sua segregação de cor, classe e gênero. Será nesse cenário histórico onde conhecemos a história de uma jovem mulher chamada Maria da Glória Cerqueira, com seus então dezessete anos e sua falta de maturidade advinda deles. Ela, como muitas moças daquela época, pelo menos uma maioria considerável, sonhava com o amor e a felicidade. No entanto, ela foi criada dentro de uma família tradicional e cristã, onde certas coisas não eram consideradas corretas. Obediente, bela, bem criada, rica, ela tinha tudo para ser realmente feliz. Ou não?

“Não serei nada além de mim mesma”.

Glória, como é chamada na maior parte do romance, casa-se com o pretendente escolhido pelo pai, um “barão do café” de nome Erasmo Galvão, com quem ela sinceramente tenta construir uma boa relação. No entanto, ela jamais poderia imaginar o que sofreria nas mãos daquele maldito homem e menos ainda o que seria capaz de descobrir e o que viveria a partir daqueles sofridos dias. A dor, o prazer e o amor, exatamente nessa ordem.
Essa história poderia ser de qualquer mulher. Minha, sua, de suas amigas, suas irmãs, suas primas, até mesmo sua mãe. Uma vez ao menos, fomos todas Glória, que delicada feito rosa, só queria amor, mas, ela afirmou antes de qualquer coisa...





Julia Quinn? Lisa Kleypas? Carina Rissi? Com certeza você as conhece e eu também. Li resenhas sobre livros dessas autoras e eles parecem valer a pena. Eu quero, porém, apresentar a vocês uma autora que definitivamente me conquistou mais ainda com seu segundo livro, igualmente uma história de época que em NADA fica devendo às autoras anteriormente citadas e ainda, faz um senhor paralelo com temas atuais. Só para terem uma ideia: machismo, violência doméstica, sexo, feminismo, escolhas próprias, elitismo social e por aí vamos.

Tudo isso dentro de uma edição física muito caprichada feita pela Verus, com páginas amareladas, um design de capa belíssimo e uma fonte excelente para ler, o que é um bálsamo para os usuários de óculos, que eu sempre vejo tendo reclamações com páginas brancas. (Isso sem contar o autógrafo muito amor da Veridiana na minha edição, que comprei com ela por vinte reais.)

Veridiana Maenaka. Guardem esse nome. Falo sério, gente. Anotem na agenda, procurem no Face, sigam no Twitter, qualquer coisa. Porque essa autora merece TODOS os elogios que lhe faço e com certeza um dos meus sonhos é poder abraçá-la e agradecê-la por existir e ser quem é. “Por que?”, vocês perguntam.

Porque Onde o amor se esconde não apenas é um romance de época. É um RDE tremendamente realista e por isso, muito envolvente. Justamente porque aquilo com certeza aconteceu com alguém em alguma época ou local diferente. Quem sabe? Isso de tal forma que é possível imaginar com perfeição cada cena acontecendo e óbvio, ficamos furiosos em várias partes porque não podemos ajudar Glória a escapar dos tormentos que ela passa durante o livro. E posso garantir, são muitos. E parecem piores ainda quando é a protagonista que narra sua história, desde quando se casou com o pretendente indicado pelo pai até o momento em que ela precisa decidir entre permanecer fiel a si mesma ou agradar os outros. Com certeza uma decisão difícil quando se trata de 1903, não acham?

Com a mais absoluta certeza. Ainda mais quando ela não apenas teve que lidar com a tremenda brutalidade do Erasmo, que apesar de ter uma história de vida muito triste, é alguém com quem não dá para simpatizar nem mesmo querendo. Mas também com uma traição de quem ela nunca esperava. (A Veridiana me garantiu não ter lido Relações Perigosas, mas desconfio que ela não lembra desse fato, rs.) Além do bastardo elitista do pai dela, o Euclides, que simplesmente não está ligando um grão para os sentimentos da filha dele. Imagina então se ele soubesse toda a verdade, com certeza a Glória sofreria mais ainda.  Basicamente, é uma legítima história de auto descoberta e superação.
E garanto a vocês que a leitura proporciona uns momentos de fazer a gente se perguntar: até onde vai a falta de limites das pessoas? O prazer é tudo o que importa? Até onde suportamos ficar só nisso? O quanto vale a pena abrir mão da zona de conforto para ser realmente feliz e/ou fazer a coisa certa? Quais são realmente as escolhas certas a se fazer? Vale a pena trilhar certos caminhos para encontrar algo satisfatório? Os homens são tão realmente livres quanto a Marisa pensa? Eles realmente podem tudo?


Essas perguntas surgem com mais força na segunda parte do livro, O Prazer, que é onde a Glória tem as cenas mais quentes com o Fernando, a pessoa que tira ela das trevas onde ela foi colocada sem pedir...

“Eu estava perdida, e você veio me encontrar. Sozinha, e você veio me acompanhar.”

Só que essa parte, tanto quanto a primeira, nos dá não apenas cenas tremendamente hot para quem gosta disso, mas nos mostra que mesmo o prazer tem seu lado complicado. Apenas dando uma ideia do que espera vocês, gente que achávamos ser apenas liberal demais acaba mostrando um lado muito escuro. Embora as atitudes de um dos personagens sejam realmente MUITO difíceis de engolir, há uma explicação, mas nada justificando meter a Glória em uma encrenca ainda pior. Ainda mais quando o que a protagonista menos quer é alguém metendo o nariz onde não é chamado, especialmente quando ela acabou de sair, muito ferida, tanto no corpo quanto na alma, dos piores anos de vida dela. E deles vai carregar cicatrizes que jamais vão realmente sarar. Porque por mais feliz que ela se torne, as marcas vão estar ali para lembrá-la que ela teve de lutar para isso ser possível.

E é uma luta das mais desiguais: “O que e quem queremos ser” X “O que os outros esperam da gente”. Só Deus sabe como a Glória precisa encontrar forças em si mesma para finalmente ser livre para viver embora haja alguma controvérsia em alguns pontos, que eu imagino que vários leitores podem ter levantado, porém, considerando a época da trama, elas são perfeitamente compreensíveis. E ela, nessa bagunça toda, só pode contar de fato com duas pessoas...
Isidora, a dama de companhia que vira quase uma segunda mãe para a jovem, além de proporcionar cenas e diálogos muito engraçados, sendo a responsável pela melhor fala do livro...

“...Quem cavalga pode cair do cavalo, quem anda pode tropeçar, quem nada pode se afogar, quem canta pode desafinar, quem como pode se engasgar... A vida é um risco, minha flor, e nisso reside uma beleza, você não acha?" (Essa frase suscita uma série de questões, mas acho que prefiro vocês lendo o livro antes de começar a fazê-las.)

E Marcelo, primo do Erasmo e um adorável médico que se mostra precioso aliado e um maravilhoso amigo que não pensa duas vezes em sair da própria zona de conforto para fazer o que considera realmente certo. E claro, mostrar para a Glória que, apesar de tudo, ainda é possível acreditar nas pessoas.


Não que a mãe dela, Hortênsia, não ajude, mas, considerando que ela é casada com o Euclides, se torna impossível para ela tomar 100% partido da filha porque ela precisa lidar com a jovem inesperadamente se rebelando contra a ordem moral, religiosa e social e uma pessoa que basicamente não aceita uma mulher sem a tutela de um homem. Ou seja, dá para não compreender a pobre criatura? Me pergunto o que vocês fariam no lugar dela.

O final é extremamente bonito e bem construído e faz ansiarmos por mais da saga da Maria da Glória e óbvio, desejar a Veridiana escrevendo muito mais livros porque com certeza ela nasceu para isso! E claro, esse é definitivamente um exemplar da nossa literatura que merece um lugar de honra nas nossas estantes.

PS: Sou professora formada de português e literatura, portanto, lembrem: “explicação” e “justificativa” têm diferença de significado. E coloquei a pimentinha na imagem porque apesar das cenas hot do livro serem poucas, são quentes o suficiente para o livro decididamente não ser para crianças. Aliás, ele nem brincando é recomendado para crianças ou gente com estômago fraco.

22 comentários:

  1. Olá Renata
    Eu também já li esse livro e ao ler suas impressões parece que estou lendo as minhas próprias. Sou suspeita ao falar, mas amo o gênero, e adorei o estilo de desenvolvimento nessa trama, juntamente com os personagens. As cenas hots são poucas, mas garantem a parte mais forte mesmo, por isso a indicação está mais do que certa. E sobre o final, ah eu achei bonito sim ♥
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Renata

    Preciso ler o livro urgente!! Adorei a resenha, me deixou bastante ansiosa/animada com o livro, acredito que vou lê-lo em breve, pois fiquei muito interessada nele.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Renata, quando o livro foi lançado, não tive muito interesse em função de na época, não ler tantos RDE assim. Como hoje estou viciada no gênero, já quero ler este aqui, principalmente depois de ler sua resenha e de você falar sobre os temas que o livro aborda. Estou fascinada!!!
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá!! :)

    Eu não conhecia este livro e fico contente que tenhas gostado... Mas não lerei, porque essas cenas hot não me agradariam nada, ainda por cima de tao "Profundas"... ahah

    Mas e ótimo que o final esteja assim tao bem cosntruido!!... E que ate ficaste mais em cima do trabalho da autora e a ansiar nova saga! :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  5. Oiii!!
    Eu não conhecia o livro e nem a autora ainda.
    Gosto de romances de época, mas esse livro, achei bem diferente do que geralmente encontramos por ai. Abordar a violência contra mulher, em uma época que isso devia acontecer com muitas mulheres e nada era dito ou denunciado, achei super diferente e muito válido. Quantas mulheres não passam ou já não passaram por isso? Estou bem impressionada com o que li em sua resenha. Com certeza vou ler, mesmo não gostando muito de cenas hot, mas acredito que nesse caso será diferente.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi!
    Esse foi o primeiro livro que li da autora e fiquei encantada com o talento e a capacidade dela de transformar em uma história tão boa um acontecimento real e tão desagradável quanto a violência doméstica, ainda mais por se passar em uma época em que as mulheres eram tratadas como propriedades. Concordo como você ao dizer que ela não fica devendo nada as outras autoras do gênero de grande renome e só posso esperar que um dia ela alcance o mesmo sucesso mundial. Também gostei bastante do desfecho escolhido pra protagonista mas admito que mesmo entendendo o contexto da época foi difícil aceitar as atitudes dos pais de Glória.
    Excelente resenha!
    Beijos!
    Por Livros Incríveis

    ResponderExcluir
  7. Olá, tenho esse livro a um tempo mas ainda não li justamente pelo que você fala da zona de conforto, não sei se quero muito sair de minha zona de conforto agora. Mas depois de sua resenha reacendeu a vontade que estou de ler esse livro e vou começar a me preparar para fazer a leitura. Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Renata.
    Adorei conhecer essa autora nacional.
    Muito interessante esse retrato de um romance de época realista e que trata de temas que são atuais até hoje.
    Com certeza entrou para a lista.

    ResponderExcluir
  9. Oi Renata, tudo bem?
    Nunca li nada do gênero romance de época, porém, pretendo fazer isso em breve. Não conhecia esse livro e devo dizer que gostei muito da capa dele. Adorei saber que a autora inseriu temáticas importantes na obra, como machismo, feminismo e violência doméstica, isso é ótimo, já que tem tantos elementos realistas. Você falou super bem da autora e agora fiquei curiosa para conferir a escrita dela.

    Beijos! ♥

    ResponderExcluir
  10. Oie, tudo bem? Gostei demais da resenha!! Adorei saber tua opinião e já fiquei curiosíssima com a leitura, fora que adoro o gênero. E já quero saber esse final!!! Já coloquei na lista e espero realizar a leitura em breve.
    Beijoos

    ResponderExcluir
  11. Olá Renata!
    Estou aqui morrendo de curiosidade para conhecer essa obra e já anotei o nome dessa autora, como sua recomendação.
    Fiquei bem intrigada com as questões que são levantadas nessa obra, todas parecem ser muito profundas e a trama parece ser muito envolvente e encantadora. Também fiquei curiosa com esse final que foi tão bem construído e bonito. Será que eu acharia isso também?
    Adorei a sua resenha e super anotei essa dica, espero gostar tanto quanto você.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oi, Renata!
    Eu admito que não fiquei interessada na história quando li a sinopse, mas nada como uma bom resenha para nos convencer do contrário, né? Eu estou tipo: "necessito". Eu amei tanto sua resenha, que estou mega curiosa para conhecer essa história, só pelo fato de que, mesmo de época o livro trás coisas que vivenciamos na atualidade, isso é mega interessante. Já está anotada a dica e já vou procurar pela autora!
    Beijos,
    Nay
    Traveling Between Pages

    ResponderExcluir
  13. Sou apaixonada por romances de época e conheço as autoras que você citou, mas este livro eu não conhecia. O enredo é intrigante e os assuntos envolvidos sem dúvidas atuais. Obrigada por me apresentar a autora e o livro.
    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Confesso que não sou chegada a romances, mas se tem um tipo de romance que eu acho legal ler é o romance de época. A sua resenha desperta muita curiosidade na gente, muito mais que a sinopse, principalmente pelo que você disse sobre o abordar dos temas como machismo, violência doméstica e feminismo, já fiquei curiosa aí. Postagem maravilhosa!

    ResponderExcluir
  15. Olá,
    Gosto bastante de livros do gênero e confesso que fiquei bem curiosa para conferir. Desconhecia a obra, mas de cara já anotei a dica.
    Saber que o livro traz uma abordagem interessante sobre temas como machismo e violência doméstica só me deixa mais intrigada ainda. Sem contar que a capa é linda e chamou muito minha atenção.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Oi, tudo bem?
    Eu confesso que nunca tinha visto esse livro antes e que de início não fiquei muito curiosa, mas lendo sua resenha fui ficando cada vez mais interessada. A primeira coisa que gostei foi a história ser ambientada aqui no nosso país e também ser uma história realista e aparentemente bem dolorosa, diferente da maioria dos RDE que trazem um romance mais "fofo". Acredito que esse é um livro que mexa com o leitor mesmo e o faça refletir sobre a história. Enfim, gostei bastante de conhecer esse livro, embora eu não lia muito esse gênero, eu gostei da dica e vou tentar ler algum dia.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  17. Oi Renata!
    Não conhecia o livro, mas lendo a sua resenha percebi que ele é um romance de época e não curto muito esse gênero.
    Porém, mesmo não ficando muito interessada nele, alguns pontos que você citou eu achei bem importantes. Primeiro que é muito legal se passar aqui no Brasil a história. E outra ponto que me chamou bastante a atenção foi ele ser mais realistas e trazer assuntos como machismo, violência doméstica, feminismo e elitismo social. São assuntos bem sérios e é bem legal a autora tratar desses assuntos.
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com.br/2016/11/um-livro-sem-pretensao-de-assustar-mas.html

    ResponderExcluir
  18. Oi, Renata.

    Romance de época é o meu gênero queridinho do momento. Os aspectos do livro que você destacou na sua avaliação pessoal do livro são bem comuns em RDE, já li diversos livros com estas temáticas, mas o que mais importa é como a autora conduz a história.
    Acredito que eu iria gostar muito do livro, pois um tema que me interessa é a redescoberta, e acredito que o livro me entregá boas coisas em relação a este aspecto.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tamires, tudo bem?
      Realmente, eu não era absurdamente chegada no gênero até ler os livros da Veridiana e de fato eu não sabia que existiam outros RDE abordando esses temas que esse que resenhei aborda até porque eu tinha um pé atrás bem grande com o gênero em razão de muitos comentários negativos que li sobre alguns.
      No mais, MUITO agradecida à Tamires e a todas que tão carinhosamente vieram comentar minha resenha que escrevi com tanto carinho para um livro que tanto me marcou. Meninas e meninos, vocês são uma das razões pelas quais estou aqui resenhando!
      Abraços e beijos da Lady Trotsky...
      http://rillismo.blogspot.com

      Excluir
  19. Eu não sou nada adepta a romances historicos mas desde a primeira resenha que eu li desse livro ele foi colocado na minha lista de desejados, que é uma coisa que eu raramente faço tratando de romances de época, porém a historia desse livro parece ser tão real e tratar de assuntos tão pesados mas que ao mesmo tempo devem ser discutidos que eu tive que pegar para ler e a sua resenha só me fez ficar mais ansiosa ainda para fazer a leitura dele

    ResponderExcluir
  20. Olá!
    Sou a louca dos romances de época e acho que nunca fiquei tão interessada ao ler sobre um. Ele parece ser muito rico em conteúdo, definitivamente leria, tenho que me preparar psicologicamente para as partes mais pesadas, mas é uma indicação que eu não vou deixar passar! Beijos,

    Luana

    ResponderExcluir
  21. Oi querida,
    Adorei a resenha. Gosto de livros do gênero e apenas com a sinopse já tinha ficado curiosa.
    A autora soube envolver o leitor nessa "nuvem" de sedução, e isso é ótimo para uma leitura. Gostei da sua explicação e dos fatos que você abordou sobre a escrita e sobre a premissa. Isso me ajudou bastante na hora de opinar ♥

    Beijoss, Enjoy Books

    ResponderExcluir