06 outubro 2016

[Tocando o Terror] Filme - O senhor Babadook


Sinopse: Seis anos já se passaram desde a morte de seu marido, mas Amelia (Essie Davis) ainda não superou a trágica perda. Ela tem um filho pequeno, o rebelde Samuel (Noah Wiseman), e tem dificuldades para amá-lo. O garoto sonha diariamente com um monstro terrível e ao encontrar um livro chamado "The Babadok" reconhece imediatamente seu pesadelo. Certo de que Babadok deseja matá-lo, o menino começa a agir irracionalmente, para desespero de Amélia.

Título: The Babadook
Lançamento: 2014
Duração: 1h 34min
Direção: Jennifer Kent
Gênero: Terror, Suspense, Drama

Amélia nunca se recuperou da morte do marido no qual morreu a caminho do hospital para o nascimento do filho. Mesmo passando-se 6 anos, ela ainda sente-se abalada. Trabalhando num asilo e morando com seu filho Samuel, a vida tornou-se difícil. Samuel é uma criança complica que exige muito de quem está a sua volta. O menino está constantemente se protegendo dos monstros dos seus livros de contos de fadas, onde faz armas e armadilhas para afasta-los, até que numa certa noite o menino encontra em sua estante um livro infantil perturbador, Senhor Babadook. Amélia lê para seu filho não imaginando que isso seria o próximo monstro do qual Samuel irá se proteger.

“A vida nem sempre é o que parece. Pode ser uma coisa maravilhosa… mas também pode ser bem traiçoeira.”

Após a leitura, Samuel começa a ver a criatura do livro deixando-o constantemente atormentado. Amélia pensa que é somente mais uma das esquisitices do filho, até que ela mesmo começa a ver coisas estranhas acontecerem em seus sonhos e se manifestarem em sua casa. Será que Babadook irá tomar o controle de suas vidas?



O senhor Babadook é mais uma das pérolas que encontrei na Netflix. Amo o gênero de terror, tanto em filmes, livros como em séries, então estou sempre atrás de novos filmes. Apesar do gênero estar saturado, vez ou outra o cinema trás algo que vai além do terror, neste caso entrando no psicológico. O filme fala pelas entrelinhas e pode passar desapercebido senão olharmos com atenção, pois O senhor Babadook é sem dúvida nenhuma a melhor representação cinematográfica já feita sobre a depressão.


Confesso que ao começar a assistir achei tudo muito estranho. A fotografia é nítida porém sombria e todo o tom do enredo é melancólico. Mesmo antes de Amélia começar a "ver" o Babadook ela já andava com a expressão triste demostrando profundo desgosto por sua vida e não tendo reações para as coisas a sua volta, basicamente ela anda sempre no piloto automático. Fica bem claro ao expectador que ela é uma mulher triste.


Já o menino Samuel é uma criança no mínimo complicada. Ele faz birras, manhas e grita pra tudo, deixaria até um"santo'" com vontade de matá-lo. Mas essa atitude do menino é a forma que encontrou para chamar a atenção da mãe. Quase todo o filme passa dentro da casa onde Amélia e Samuel moram, salva por algumas cenas de seu trabalho e a casa da irmã, mas no restante mostra o dia a dia dentro da casa.


Após Amélia ler o livro tudo muda. Samuel é o primeiro a ver o Babadook, pra logo depois  ela começar a sentir os efeitos que ele trás pra sua vida. Ele chega como uma sombra e vai tomando conta dela aos poucos deixando-a sem dormir, irritadiça, paranoica e com desejos de morte.

------------ Spoiler ------------


Perceberam a semelhança com a depressão? Pois é exatamente isso, Babadook é a manifestação da depressão de Amélia. Samuel é uma criança e não entende o que está acontecendo, então em sua mente de criança ele cria o Babadook para explicar a depressão da mãe que começou a afetar a sua vida. Durante o filme Amélia reluta em aceitar ajuda negando sua depressão, é nesse ponto que sua doença começa a sair do controle levando-a quase a loucura destruindo tudo a sua volta.

“Quanto mais negar, mais forte eu fico. Você começa a mudar quando eu entro. O Babadook cresce sobre sua pele.”

Todo filme nos é passado pelo ponto de vista da Amélia passando pela doença. Isso vai ficando nítido em algumas cenas, como a da festa de aniversário no qual todas as mulheres estão ao redor de uma mesa em pé, e somente ela está sentada sendo inferiorizada ante as outras, ou a quantidade de tempo que ela passa deitada na cama mas não consegue dormir pois o "babadook" a atormenta. Isso e mais outras coisas tornam o filme uma ótima representação da doença.

----------------------- Fim do Spoiler -----------------------


Algo que gostei bastante na estória foi a construção do terror em si. Não temos cenas desnecessárias de sustos, ou sangue voando para todo quanto é lado. É crescente e parte mais para o suspense psicológico. Vamos ficando angustiados com as coisas que vão acontecendo com Amélia e seu filho, quando chegou ao seu ápice estava aflita por um final feliz á eles.


Mas nada seria possível sem as atuações fantásticas de Essie Davis e Noah Wiseman. Essie se entrega totalmente a personagem Amélia com cenas de loucura animalescas, enquanto Noah com sua pouca idade trás a tona um menino afetado pelos problemas da mãe, mas que faria qualquer coisa pra protege-la visto que é o homem da "casa".


O senhor Babadok é sem dúvida um filme que vai além do terror merecendo ser analisado a fundo. Tudo é sentido e nada fica perdido no enredo. Recomendo a todos os amantes de terror, e principalmente aqueles que desejem ver mais do doença conhecida como o mal o século: a depressão.




19 comentários:

  1. Olá
    Nossa, adorei essa dica, está mesmo o precisando ver filmes com essa pegada. Como falei, eu não conhecia a obra mas fiquei satisfeito com o que acabei de ler. Adorei o treiler e parece que irei gostar do filme. E sim, eu li a parte que dista Spoiler kkk, não tem com o me segurar . Até mais vê
    Abçs

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Adorei poder conferir suas impressões a respeito. Confesso que comecei a assistir a esse filme, porém no começo realmente achei muito estranho, dai não continuei.. depois de ler seu post, vou tentar dar mais uma chance porque gostaria mesmo de comprender a história do filme.
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  3. Olá como vai?
    Gostamos muito da postagem, ainda não assistimos mais ficamos super curiosas. ♥
    Beijos
    Vou Arrasar

    ResponderExcluir
  4. Não curto terror em nenhuma linha: livros, séries e filmes. Principalmente se tiver crianças no enredo, evito com todas as forças, mas vou passar a dica para os amigos que curtem.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá, achei a idéia da representação da Depressão muito bem sacada, deve ser horrível a sensação e conviver com alguém nesse estado, sendo criança, deve ser muito sofrido. Apesar da sua resenha empolgada na leitura, eu não curto esse gênero, me dá arrepios rs Beijão

    ResponderExcluir
  6. Eu assisti esse filme há uns dias atrás, e odiei... Cara, foi um dos piores filmes que vi na vida, nossa. No final eu queria matar a pessoa que me indicou ele, mas fico feliz que tu tenhas curtido.

    ;D
    Nelmaliana Oliveira

    ResponderExcluir
  7. Que interessante essa coisa do babadook ser a manifestação da depressão dela. Eu não tinha interesse nesse filme, achei o trailer tosquinho na época, mas depois das suas considerações vou reconsiderar, pois achei essa associação interessante.

    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Olá Stéfani,
    Adoro livros e filmes de terror, mas é muito difícil mexer comigo e me assustar.
    Ainda não conhecia esse filme, mas fiquei animada por saber que está no Netflix. Achei muito legal a mãe do menino achar que era mais uma esquisitice do filho, mas morrer aí porque a esquisitice lhe atinge. Estou meio cansada de filmes que a pessoa não acredita no outro.
    A trama parece ser aterrorizante como algo que vai enraizando e adorei isso.
    Dica anotada.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  9. Eu já assisti esse filme, e quase nunca sinto medo, e apesar de não lembrar muito bem da trama (sua resenha relembrou apenas algumas coisas, mas mesmo assim), eu lembro que esse filme mexeu comigo na época que assisti.
    Mas nunca pensei que o Babadook era depressão da mãe, que interessante. Quero muito reassistir, pois não tinha percebido isso.
    Sempre recomendo o filme quando me pedem, pois realmente adorei esse!

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  10. Oi, tudo bom? Adorei seu post! Já li alguns comentários sobre o filme mas nada tão aprofundado. Não sabia sobre esse link do monstro com a depressão, achei incrível e já estou morrendo de vontade de assistir. Coloquei na lista e espero fazer isso em breve. Parabéns pela ótima review!
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. OMG! Esse filme é maravilhoso. Não sabia que já estava na Netflix. Vou assitir novamente.
    Confesso que não lembrava de alguns detalhes, mas a sua crítica está muito legal e duvido que as pessoas não fiquem com vontade de assitir.
    A interpretação de Samuel é perfeita.
    Muito legal a dica!
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  12. Oi!

    Eu fiquei muito triste quando percebi que as pessoas não haviam entendido que esse filme se trata da depressão na sua pior forma. Eu adorei o filme desde o momento que o vi. É claro que tem uns furos no roteiro, mas a narrativa é bem interessante e elaborado. Adorei o seu post, deu até vontade de rever.

    beijos =)

    ResponderExcluir
  13. Oi, Tudo bem?
    Ao fim da resenha, até fiquei besta. Adorei o filme. Já tinha ouvido falar dele. Vi que até tem pesquisas acadêmicas que trabalham com o filme, mas não imaginava que fosse tão bom. Eu adoro filme de terror e suspense, suspense psicológica mais ainda. Não sei com ainda não assisti esse filme, tem muitas coisas que eu gosto, como terror, melancolia e etc. Achei fantástico saber que, por meio do filme, adquirimos conhecimento a mais sobre a depressão. Além, adorei o jeito que você conta sua percepção sobre o filme. Incentiva ainda mais a assistir ao filme. Eu fiquei alucinado com ele, só não vou assistir agora, pois estou com pouco tempo. Mas já anotei. É o próximo filme de terror que vou assistir.
    Obs: não li a parte do spoiler, pois que assistir ao filme volto para ler.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Oi!
    Que excelente percepção você tem! Não tive a oportunidade de assistir a esse filme ainda mas se fosse somente pela sinopse eu o descartaria sem nem pensar dias vezes pois não gosto muito de filmes de terror, mas percebi pelo seu post que ele vai muito mais além é trata de uma tema extremamente importante e gostei bastante desse gancho, dessa maneira que escolheram pra falar da depressão através do monstro. Dica anotada!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Nossa, lendo esse post no meio da noite e vendo as fotos deu até medo! Por outro, saber que o tema do filme é sobre a depressão me deixa ainda mais curiosa. Vou tentar assistir de dia. Não se trata do medo em si, mas da doença, e isto e super válido!
    Tenho netflix e vou separar aqui.

    ResponderExcluir
  16. Olá!

    Uau, que análise incrível desse filme. Eu que sou uma medrosa por natureza fiquei com vontade de assisti-lo só para conferir tudo o que você comentou sobre ele.
    Fiquei maravilhada com essa ligação indireto o "monstro" com a depressão. Isso mostra o quão devastadora essa doença pode ser e o quanto ela precisa ser levada muitíssimo a sério. Estou pensando seriamente em ver esse filme, mesmo sabendo que eu vou me borrar de medo.
    Obrigada pela dica.

    Ingrid Cristina
    Plataforma 9 3/4

    ResponderExcluir
  17. Com certeza vou procurar esse filme na Netflix. Já faço pouco isso pro meu canal (Canal Capichaba)...hehe
    É muito interessante como um filme é uma experiência completa para o sentidos. O enredo, a fotografia sombria e a trilha sonora contribuem para uma experiência mais profunda do filme, por isso tenho preferido ver filmes no meu computador, usando fones a ir ao cinema me irritar com gente conversando, tirando foto e chutando minha cadeira.

    Grande abraço.

    Leonardo Lagassi,
    Plataforma 9¾

    ResponderExcluir
  18. Oie
    Eu não conhecia o filme e nem o vi no Netflix geralmente não vejo filme de terror apesar de fazer muitas leituras do gênero ver os filmes não me agrada muito. Adorei saber da sua experiencia muito bacana você ter percebido que barbadook na verdade é a depressão da mãe acredito que nem todo mundo tenha tido essa perspectiva.
    Adorei o post
    Bju
    Mary Reis

    ResponderExcluir
  19. Oi, TUDO BEM?

    Amei a indicação do filme e com toda certeza já vou conferir hoje mesmo.

    Filmes deste gênero me agrada bastante, principalmente pelo fato de mexer com o psicológico!

    Parabéns pela percepção! Abraços 0/

    ResponderExcluir