31 maio 2016

[Resenha] Flor de Cerejeira - Por Alana Gabriela

Titulo: Flor de Cerejeira
Autor (a): Alana Gabriela
Páginas: 319
Cortesia: Cedido pela autora
Skoob || Encontre
4 ESTRELAS
Sinopse: Yoko sempre teve uma vida relativamente boa e estável, participava da orgcanização do Festival Cherry Blossom, tinha amigos com quem contar na escola, tocava violino e estava treinando para fazer parte da orquestra da Juventude de Macon quando tudo começou a dar errado. Seu pai se envolveu num grave acidente, que acabou matando um pai de família e, foi parar na prisão. Sem a referência paterna, e com todos os problemas financeiros que se acumulam, o distanciamento da mãe, Naomi, que está a cada dia mais se afundando em trabalho, Yoko vê o que sobejou, de sua família, totalmente desestruturado. Em meio à dor da perda, Yoko conhece Aidan Hirsch, um garoto que parece tão desestruturado quanto ela, taciturno e solitário, e que é capaz, acima de tudo, de não julgar, simplesmente ouvir. Aos poucos, um sentimento singelo e inefável ganha forma, surgindo uma história delicada de autoconhecimento, arrependimento, culpa e superação que poderá mudar a vida desses adolescentes se assim escolherem.
O livro começa com a prisão do pai da Yoko, e lá no tribunal ela se sente devastada como se naquele instante acabasse de perde-lo. A tristeza é sua única constante por alguns dias ou até mesmo  meses porém, depois de cinco meses Yoko se vê com raiva. Raiva por ele ter bebido, raiva por ter atropelado um homem e fugido do local sem prestar socorro e raiva do mundo.

"- . . . cinco anos de prisão. . . o réu . . .
Após ouvir cinco anos entrei num pseudo colapso emocional naquele mesmo momento e mal pude me segurar, cinco anos seria muito tempo para eu poder suportar. As lágrimas correram pelo meu rosto de uma forma horrível, grotesca e desesperada.[...]"
Página 08

Sem ter mais amigos, Yoko percebe que realmente nunca os tivera de verdade. Todos a deixaram no momento em que mais precisava, em contrapartida esse isolamento fez com que suas notas aumentassem. Ela apenas não gostava que todos a culpassem pelo incidente, "Não era sua culpa ela queria gritar"

"Já faz cinco meses e as pessoas continuam a me olhar torto como se eu fosse culpada por esse pesadelo."
Página 21

Depois de quase morrer ao ser linchada por uma "Gangue"-  amigos do filho mais velho do homem que seu pai matou -, Yoko vive com medo de acontecer novamente. Michael é um adolescente problemático que a culpa por toda a bagunça que sua vida se transformou e volta a agredi-la fisicamente, enquanto de outro lado ela conhece Aidan, um jovem problemático e super bonito por quem se apaixona.



Olá internautas, gostaria de convidar vocês a lerem esse livro pois realmente vale a pena. O enredo é muito bem elaborado, escrito em primeira pessoa onde te faz entender e pensar sobre assuntos que alguns diriam serem polêmicos.

Yoko é uma garota meiga e doce que adora sua família e quando seu pai vai preso ela perde seu chão. A estória mostras as várias vezes em que Yoko sofre agressões verbais e físicas. Os amigos de Michael - filho do homem morto pelo seu pai - a atacam de uma forma tão bruta que Yoko tem que ser levada as pressas para o hospital. Ela fica com medo mas em contrapartida acaba fazendo aulas de defesa pessoal, porém quando Michael decide ataca-lá novamente sozinho, Yoko não se defende.

Ela se sente culpada pela família dele estar passando dificuldades devido as ações de seu pai. Se sente culpada pelo pequeno irmão mais novo dele,  Callum que esta doente onde Michael vem todos os dias pegar dinheiro dela para comprar remédios para o irmão e se ela ousar abrir a boca, a agressão física vem em seguida.

Um dos pontos fortes do enredo, e a melhor coisa do livro para mim, foi tocar nesse assunto sobre agressão, bullying e também violência doméstica por parte da mãe de Michael antes de o marido morrer. Só para saber como a situação toda acaba vocês precisam ler pois vale muito a pena. Fiquei realmente presa e ansiosa para descobrir o final.

Outro fato interessante foi a forma como a autora mostra as memórias da Yoko antes de tudo mudar sem interromper a estória em nenhum instante. Vemos como era a família dela antes do acidente e como ficou desestruturada depois.

O romance nunca tira o tema principal da pauta, quase como se fosse em segundo plano mas que nos deixa realmente intrigados com Aidan, sendo ele um garoto um tanto problemático mas que ama o irmão e quer um futuro melhor para si mesmo.

Uma coisa que me deixou incomodada no entanto, foi o fato de durante todo livro parece que Yoko nunca ai revidar, ou denunciar os abusos. Diga-se de passagem eu já sofri tais abusos e sempre revidei e era como se eu não conseguisse me conectar com a personagem. Algumas vezes me dava tanta raiva que eu queria entrar no livro bater no Michael até ele perder os sentidos, acalentar a Yoko e depois dar uns tapas na cara dela gritando para ela acordar, mas foi nesse ponto eu a entendi.

Vi nela várias de amigas, garotas e garotos que tinham medo de revidar. Que guardavam para si as surras e os insultos, ai realmente me compadeci em sua luta. Quando a coragem finalmente surgiu para que ela fosse denunciar, teve o apoio de Rebecca sua amiga, que lá para o meio do livro volta para o seus braços e a defende. A força e apoio que ela recebe de Aidan seu quase meio namorado, e de Naomi sua mãe, foram muito importante para Yoko.

Enfim, um livro surpreendente, cheio de provérbios japoneses, lições de vida, amor, compreensão, em que todo instante você sente os sentimentos da Yoko como se fossem os seus, onde você torce pelo final feliz. Enfim, um livro realmente muito bom, que vale a pena ler.




 Um pouco mais sobre a autora Alana Gabriela.
Alana Gabriela  é uma acadêmica autora de 20 anos. Leitora e escritora ávida, cria histórias desde 2013 e tem mais de doze livros escritos e mais quatro projetos em andamento. Alana escreveu e confeccionou artesanalmente seu primeiro livro aos dez anos; O Rapto, primeira obra intitulada da autora, era baseada no filme Chamas da Vingança, que chamou muito sua atenção quando garotinha. Publicou Efeito Dominó pela Amazon para divulgar seus escritos, bem como Histórias em Retalhos, uma coletânea de contos singelos. Seu primeiro livro físico, A Estranha Mente de Seth, foi publicado pela Editora Autografia e já se encontra no mercado. Alana divide seu tempo entre bloggar, escrever, compor canções, assistir seriados, tipo, The Walking Dead, The Blacklist, ouvir música Indie e Jazzy, ler e estudar na UFS. 
Alana gosta de olhar para o céu em dias de chuva!

15 comentários:

  1. Olá,eu já tinha ouvido falar desse livro e também conheço a autora. Tenho muita vontade de ler a obra e fiquei ainda mais motivada depois que li suas impressões. Que legal saber que podemos encontrar provérbios japoneses e reflexões sobre alguns temas polêmicos. Pelo visto deve ser muito envolvente, ainda mais se o leitor também sente as mesmas emoções dos personagens.
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  2. Oi Michele, tudo bem?
    Quantos assuntos densos são tratado nessa obra, eu fiquei super curiosa para ler após sua resenha. A Yoko parece ser uma personagem bem construída, que além do medo ela se culpa e é responsabilizada pelos atos do pai, o que deve ser um peso para carregar e nos faz ansiar que ela mude a situação. Pelo que percebi na sua resenha o desenvolvimento do enredo enredo é sensacional. Não conhecia a autora, mas o livro despertou a minha curiosidade. Dica anotada, espero ler em breve.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oieeee. Eu vi quando ela estava falando sobre a criação do livro e já tinha ficado interessada pela história, mas agora que você contou um pouco mais acho que cabe bem no momento em que o Brasil passa. A capa é bela demais e realmente o que você falou sobre revidar é verdadeiro, mas tem pessoas que não conseguem. Bela dica!

    Beijos,

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.amigasemulheres.com

    ResponderExcluir
  4. Esse livro trás um mix de assuntos para fazer o leitor pensar. Pela capa não esperava um enredo como esse e pela sua resenha dá para ver a história é bem mais profunda do que a sinopse deixa a entender.
    Realmente você se envolver com a narrativa e isso é perceptível pelo fato de querer ajudar a protagonista.
    Fiquei realmente curiosa pelo livro.

    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Gostei da trama também, são temas entrelaçados e difíceis de abordar sem se perder e me deixou curiosa saber o quanto você curtiu e elogiou. Vou conferir em breve! E amei o nome do garoto, Aidan <3, me lembra meu seriado favorito e que acabou.
    Beijo, Mari Scotti

    ResponderExcluir
  6. Oi Michele, eu ainda não li o livro mas tenho acompanhado as divulgações de Alana. Parece ser uma trama incrível e você me deixou ainda mais curiosa para ler esse livro. A capa é muito linda e acho que vou gostar muito quando eu for ler.

    ResponderExcluir
  7. Ainda não conhecia o livro e nem a autora e adorei a premissa do livro. Acho que ficaria angustiada com essa questão dela sofrer calada e nunca se impor, mas ainda assim, este é o tipo de enredo que curto bastante.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Michele,
    não conhecia o livro, mas já estou com muitas vontade de conhecer, achei a temática singular e relevante e espero poder acompanhar de perto os dramas e as lutas da Yoko. Imagino sua angústia durante a leitura, também não lido bem com personagens passivos e fico na torcida constante para o momento em que o revide ocorrerá, fico feliz em saber que esse momento apesar de ter demorado tenha chegado para a personagem e que no final das contas ela não estava completamente sozinha e teve com quem contar.

    Abçs
    Nosso Mundo Literário

    ResponderExcluir
  9. Olá Michele!
    A primeira coisa que me chama a atenção nesse livro é a capa que está linda e esaaas cores meio que de outono são as minhas preferidas.
    Menina só lendo sua resenha fiquei agoniada com certeza lendo a história ia querer sacudir a Yoko e dizer menina você tem que reagir não pode deixar que as pessoas te tratem assim!!!
    Mas tenho certeza que no decorrer do enredo também vou acabar compreendo seu medo de reagir.
    Dica mais que anotada.
    Bj

    ResponderExcluir
  10. Oiee ^^
    Eu acho incrível a forma como a Alana escreve ♥ Ainda não li este livro, mais estou bastante curiosa para fazê-lo. Imagino que a Yoko seja uma personagem fácil de se gostar, apesar de ela não revidar, mas, como você disse, muita gente tem medo, né? Estou animada para conhecê-la :)
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi.
    Tudo bom?
    Eu não conhecia a autora e nem o livro, mas o enredo me encantou, lendo sua resenha aqui fiquei com pena de Yoko coitada, ela nunca que poderia ser agredida por algo que o pai dela fez. Quero muito saber como vai evoluir esse relacionamento dela com Aidan e como ela vai resolver esses abusos que ela sofre.
    Excelente resenha.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Ola Mi lindona a premissa do livro é muito interessante e os assuntos abordados de suma importância. Preciso ler para entender um pouco mais essa passividade da protagonista em não revidar e aceitar tudo como punição por uma atitude de seu pai. Vou ler com certeza. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  13. Olá,
    Eu adoro os livros da Alana. Já li dois e estou cada vez mais apaixonada e ela consegue criar um personagem com uma característica única. Sobre esse livro, eu fiquei extremamente curiosa. Bullying e agressão são temas diários e tenho amigas que passam por isso. Espero ler em breve.
    Beijos,
    Delírios Literários da Snow

    ResponderExcluir
  14. Oi Michele, eu tinha ouvido falar desse livro e já tinha ficado bem curiosa, e ver que ele é emocionante e cheio de lições de vida me deixa mais animada ainda. Fico feliz em ver que ele foi positivo para você, assim me animo mais para adquirir meu exemplar!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  15. Olá!

    Pensei que encontraria uma autora japonesa!! Me surpreendi! A Yoko é japonesa? Me interessei principalmente por isso! Como morei lá, td que possa acrescentar qualquer coisa de cultura (como provérbios que vc citou) me chama a atenção!

    Bjus
    Blog Fundo Falso

    ResponderExcluir