27 abril 2016

[Resenha] A Joia - Por Amy Ewing

Título: A Joia
[ Cidade Solitária #1 ]
Autor (a): Amy Ewing
Páginas: 352
Editora: LeYa
Skoob || Encontre
4 ESTRELAS
Sinopse: Joias significam riqueza, são sinônimo de encanto. A Joia é a própria realeza. Para garotas como Violet, no entanto, a Joia quer dizer uma vida de servidão. Violet nasceu e cresceu no Pântano, um dos cinco círculos da Cidade Solitária. Por ser fértil, Violet é especial, tendo sido separada de sua família ainda criança para ser treinada durante anos a fim de servir aos membros da realeza. Agora, aos dezesseis anos, ela finalmente partirá para a Joia, onde iniciará sua vida como substituta. Mas, aos poucos, Violet descobrirá a crueldade por trás de toda a beleza reluzente - e terá que lutar por sua própria sobrevivência. Quando uma improvável amizade oferece a Violet uma saída que ela jamais achou ser possível, ela irá se agarrar à esperança de uma vida melhor. Mas uma linda e intensa paixão pode colocar tudo em risco! Em seu livro de estreia, Amy Ewing cria uma rede de intrigas e reviravoltas na qual os ricos e poderosos estão mais envolvidos do que se possa imaginar, e onde o desejo por saber o destino de Violet manterá o leitor envolvido até a última página.


Há muito a realeza parou de gerar seus próprios filhos onde perceberam que seus herdeiros nasciam mortos ou com deformidades. No entanto a solução veio da parte mais pobre da cidade onde algumas meninas se destacavam por terem presságios (poderes)  podendo gerar os filhos da realeza. Desde essa descoberta todas as meninas com habilidades são levadas para um reformatório afim de desenvolverem seus poderes e posteriormente enviadas a Joia para serem substitutas.

" É difícil se lembrar de quem você é quando está o tempo todo tentando fingir ser alguém que não é."

Violet foi tirada da sua família assim que completou 12 anos. Agora com 16 anos ela irá a leilão e será vendida á alguma família nobre. Ela sempre soube seu destino mas nunca o aceitou. As meninas são avaliadas de acordo com seus presságios e Violet possui uma aptidão maior em criações. Quanto maior a nota que recebem, melhor é a família que as compram e baseado em sua nota Violet foi arremata pela Duquesa do Lago, uma das mulheres mais influentes da sociedade e com planos audaciosos para sua nova substituta.

"Falam sobre nós como se fôssemos um animal de estimação ou um cavalo premiado. Como se não pudéssemos ouvi-las. Como se nem estivéssemos ali."

Já entre a realeza Violet descobre que de reluzente seus habitantes não possuem nada. São pessoas que não se podem confiar e fazem qualquer coisa para atingir seus objetivos. Ela sente na pele o tratamento que as Substitutas recebem e que nunca foi lhe falado que sofreria tanto desprezo. O maior erro que ela poderia comentar é se apaixonar. Ao conhecer Ash, acompanhante que sua senhora contrata para sua sobrinha, ela se vê completamente imersa nesse erro e começa desejar um futuro diferente. Intrigas e desavenças rondam a Joia e Violet se vê no meio de algo que nunca desejou.

- - - - - - - - - - - Minhas Impressões - - - - - - - - - - -

O primeiro volume da trilogia Cidade Solitária vem dividindo muitas opiniões. Alguns o amam e outros o odeiam. Eu me clássico como uma boa apreciadora da estória onde vejo pontos positivos e negativos. Em outras palavras ainda estou em cima do muro (risos).

A Joia é o prequel de uma trilogia distópica que mistura um ambiente de época com aspectos do futuro. Somos apresentados a uma sociedade dividida em classes onde vivem em uma cidade radiocêntrica cercada por uma grande muralha que impede o mar adentrar. Temos a nobreza ao centro, logo após o banco (comerciantes), a fazenda (os agricultores), fumaça (fábricas) e o pântano sendo a parte mais pobre da cidade.


A supremacia e poder é totalmente feminino. Os homens são quase retratados como enfeites necessários para casamento. Devido a isso mal há aparições de personagens masculino no livro e quando aparecem é para eventos sociais.

Eu estava bem curiosa pra saber como seria o desenvolvimento da trama. Fiquei agoniada com algumas situações e principalmente como as substituas eram tratadas. Algumas eram tratadas literalmente como animais no qual até usam coleiras e suas "donas" a levavam pra passar como se fosse a coisa mais normal do mundo.


Violet é a nossa protagonista que passa maus bocados nas mãos da duquesa do lago. Ela é bem atrevida e audaciosa mas apesar desses atributos ela é muito chata. Sério gente nunca vi uma personagem tão cheia de mimimi como ela. Foram vários momentos se lamuriando do seu destino e sofrimento quando na realidade ela presenciou com os próprios olhos que a duquesa poderia ser muito pior, assim como as outras duquesas do reino. Algumas substitutas eram torturadas psicologicamente e levadas ao extremo das forças enquanto Violet recebia um bom quarto para dormi e até mesmo certa liberdade. 

Da realeza somos apresentados a Duquesa do Lago e a soberana Eleitora. Como disse a duquesa nem de longe foi cruel como suas companheiras, principalmente a Eleitora, as atitudes dela são abomináveis, coisas como fazer sua substituta usar seus dons até quase ficar inconsciente somente para entreter convidados. 


Os personagens secundários da estória são bem cativantes como Lucien que é a dama de companhia da Elitora e Annabelle, uma jovem muda que é dama de companhia da Violet. Ambas características que tornaram a vida da protagonista muito melhor. 

O enredo basicamente foca no amadurecimento dos presságios da Violet e na tentativa dela engravidar com inseminação artificial. São vários treinos e testes que a protagonista passa e no meio disso surge Ash. Não gostei do romance e foi um dos motivos de ter tirado uma estrela. Foi daqueles instalove, olhou se apaixonou. Se a Violet já não ficava com mimimi por sua sofrência, ter surgido Ash na sua vida a fez ficar muitoooo mais. Ela enfiou na cabeça que ele não gostava dela por ser uma substituta, ou ele não sabia sua existência pelo mesmo motivo. Porre, porre, porre. E quando achei que não ia dar em nada ele simplesmente começa a se aproximar dela. 


Outro ponto que fez tirar uma das estrelas foram as pontas soltas. São muitos porquês não respondido. Como a cidade se tornou murada e porque dessa proteção contra o mar? Por que só as meninas do pântano tem os presságios? Por que as mulheres da realeza não podem mais ter filhos e quando tem nascem defeituosos?. São muitas questões que me deixaram curiosa e espero de verdade que venham a ser respondidas.

O livro físico esta muito bem trabalhado. Com páginas amareladas e ásperas para uma boa pegada. Adorei a capa escolhida mesmo me lembrando muito a Seleção. Não notei nenhum erro ortográfico ao longo da leitura e creio que se tivesse visto não faria diferença. A escrita da autora é muito fluída e detalhada com descrições de ambientes ou objetos. Ela conseguiu levar a estória muito bem até o final deixando um gancho para o próximo.


No geral o livro divide opiniões. Eu gostei pois é uma distopia diferente de tudo que já li. Passou-me vários sentimentos ao longo da leitura e ainda fico inconformada como as mulheres da realeza podem ser tão cruéis ao ponto de não se importarem com o próximo. Uma vez ouvi que quando uma mulher tem um filho seu coração amolece. Pensando nisso entendi toda essa crueldade, já que elas não geram vida elas não tem amor a vida. Outro fato que fiquei bem angustiada é pela idade das personagens. Elas tem 16 anos e são obrigadas a ter filhos que nem são delas, e mesmo assim acabam os amando como toda mãe para depois simplesmente ser tirado delas. Espero de verdade que a autora de um fim justo para cada uma delas.

Não recomendo o livro para qualquer um. Como disse ele divide as opiniões coisas que me irritaram podem agradar a outros. Mesmo assim é um livro diferente e pode agradar aqueles que curtem uma boa distopia. 

20 comentários:

  1. Oi Stefani, já ouvi falar desse livro, mas confesso que essa é a primeira resenha que leio sobre a história. A cala é simplesmente linda, mas não gostei do que li na sinopse. E sua resenha me deixou um pouco na dúvida se eu leria ou não. Eu gosto de distopias sim, então talvez por isso possa dar uma chance.
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem o você?
    Eu só vi alenta duas resenhas desse livro (contando com a sua) e todos eles falou dessa divergência entre amaram e odiaram rsrs. Eu não tive ainda o prazer de ler a mesma, mas espero ler muito em breve e tirar minhas próprias conclusões rsrsrs. Um elemento que eu amei nesse livro (um dos) foi essa capa que chama muita a minha atenção rsrs. Adorie a resenha, até mas o vê
    Bjks

    ResponderExcluir
  3. Gente, que capa é essa???? Linda heim??? Faz um bom tempo que não leio distopias e essa me pareceu ser diferenciada, o que me deixou curiosa. espero poder conferir em breve!!!
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Ai gente, tenho saco pra personagem mimizenta mais não kkkkkk
    Odeio quando elas começam com isso de ele não me ama porque sou pobre, ele não me ama porque sou uma escrava, ele não me ama porque bla bla bla ¬¬' Poupe-me
    Fora as pontas soltas, isso é bem chato né. Acredito que se a autora arrumasse esses detalhes seria um ótimo livro, principalmente porque a temática e a capa são lindas

    ResponderExcluir
  5. Oie, stefani. A hora que li a sinopse me animei, mas como você apresentou alguns defeitos na trama minha empolgação já deu uma diminuida. Acho que seria interessante conhecer esse cenário distópico aliado a algo mais de época, mas também já provavelmente me incomodaria com a fallta de algumas perguntas serem respondidas. Em fim, é um livro que deu vontade de ler, e é a primeira vez que ouço falar dele, mas acho que não no momento, já que traz esses pontos incômodos. Adorei a resenha sincera.

    ResponderExcluir
  6. Olá Stéfani,
    Acho que é a primeira resenha que leio do livro, não fazia ideia sobre o que se tratava :o
    Confesso que, se não fosse por seus motivos para tirar estrelas, teria achado o livro perfeito. A temática é bastante diferente e - diga-se de passagem - envolvente. Entretanto, essas pontas soltas e Porquês não respondidos são péssimos para a história.
    Não desanimei completamente com a leitura, mas ela caiu um pouco no meu conceito,
    Parabéns pela incrível resenha.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  7. Oi Stefani,
    nossa que dica maravilhosa, primeiramente me apaixonei pela capa e depois pela premissa, quando terminei de ler sua resenha fiquei desejando saber mais e mais dessa história, mesmo tendo recebido apenas três estrelas (entendo seus motivos), fiquei desejando ler ele pra ontem, inclusive estou indo procurar ele na amazon nesse momento.

    Abçs
    Sou bibliófila

    ResponderExcluir
  8. Oi!
    Esse livro até tem uma premissa bem interessante, acho que nunca li nada muito parecido então ganhou pontos comigo. No entanto, tenho PREGUIÇA de histórias que deixam tudo em aberto para as continuações. Esse livro, como você disse, me parece ter muito isso, então meio que fiquei receosa. :~

    beijo!

    ResponderExcluir
  9. Oiee ^^
    Poxa, é uma pena que o romance não tenha sido bem desenvolvido na trama *-* eu tenho certo receio com romances em distopias, pois eles sempre me parecem um tanto forçados, como se a história necessitasse de um romance, ou quando o autor foca mais nisso do que na distopia em si, nos problemas sociais do mundo e etc. Parece ser diferente de tudo o que eu já li também, mas ainda estou com um pé atrás, não sei se o lerei logo *-*
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi, tudo bem?
    Eu tinha visto esse livro por ai, mas acredita que eu nunca imaginaria que a história era assim? kkkk Achei interessante toda essa coisa de dons de gerar filhos e a presença de homens não ser tão importante na história, mas confesso que não fiquei realmente animada com a história e os pontos negativos me deixaram desanimada. Eu odeio instaloves, sério, sempre me irrito ao máximo quando a história tem isso kkkk E pontas soltas são um saco também. Enfim, apesar de ser um livro bacana, eu não o leria.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  11. Oi Stéfani, sabe que não sou uma fã de distopias e infelizmente esse livro não chama minha atenção, apesar de eu achar que ele tem uma capa maravilhosa e uma trama boa, que talvez poderia ter sido melhor trabalhada. Mas quem sabe um dia eu dê uma chance a ele, pois é que nem você disse, ele agrada a uns e desagrada a outros.

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  12. Oiii!!

    Realmente é uma obra que divide opiniões, já li várias resenhas positivas para a obra e a sua foi a mais sincera.
    Confesso que não tenho muita vontade de ler essa obra e acho que esse monte de pq é por causa de ser o primeiro Livro da série...
    A resenha está ótima.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  13. Olá!! :)

    Já vi que o livro te pegou e envolveu.. Quando queremos os finais bem "justos" é porque ja estamos a gostar dos personagens! :)

    Bem, acho que tambem iria gostar, especialmente por essa vida de corte, embora cruel..! :)

    Que venham mais leituras assim! :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  14. Adoro distopias, e sou apaixonada por essa capa desde que a vi pela primeira vez. Fico enlouquecida com histórias com tantas pontas soltas, e por isso acho que o melhor a fazer no meu caso é aguardar a publicação de todos os livros para ler tudo junto - e tomara que não fique nada sem resposta. Acho meio controverso isso de "já que elas não geram vida não têm amor à vida", mas vou querer ler mesmo assim.

    Beijo.

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  15. Gostei muito da ideia de distopia de época, no entanto concordo com você em alguns aspectos da sua crítica. Não li o livro, mas essa questão de instalove me incomoda, goste de ler como o amor surge e vai crescendo. Essa coisa de amor a primeira vista me parece um tanto superficial, somente pela beleza. Em relação as perguntas sem resposta penso que pode ser devido ao livro ser um prequel. As perguntas talvez ainda sejam respondidas nos outros volumes.

    Beijos,
    Mariana Baptista
    umavidaporlivro.wordpress.com

    ResponderExcluir
  16. Oie.
    Li esse livro logo quando ele lançou e acho que muita coisa fica em aberto porque isso é comum em trilogias distópicas, então acredito que isso vá se resolver um pouco no segundo e assim como você me senti mal com como as substitutas são tratadas, mas não acho diferente de tudo, podemos comparar com A Seleção e Rainha Vermelha, se você gosta de um desses é bem provável que goste de A Joia e olha que lindo, o segundo já foi lançado lá fora, louca para a Leya traduzir logo *-*
    Bjokas

    ResponderExcluir
  17. Oi, nunca tinha ouvido falar desse livro, mas não sei se gosto ou não, visto que nem você sabe dizer isso. Me lembrou um pouco a seleção, que, aliás, goste muito. Posso até dar uma chance pro livro por causa disso e poder ter minhas proprias impressões.

    HTTP://PORREDELIVROS.BLOGSPOT.COM

    ResponderExcluir
  18. Oie! Stefani será que todas essas pontas soltas que voc~e ressaltou no livro, não serão questões respondidas no próximo volume da série?
    Eu achei o enredo bem interessante e amo distopias, então vou adicionar a minha lista e tirar minhas próprias conclusões!
    bjs

    ResponderExcluir
  19. Olá!

    A capa desse livro lembra tanto A Seleção, mas nem se parece, não é verdade? Já pensei em comprar o mesmo em inglês, mas acabei desistindo..

    Abraços, Heitor Botti
    shakedepalavras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Oi, confesso que a única coisa que me chama a atenção no livro é a capa. Desde quando foi lançado minhas expectativas estavam lançadas ao zero. Me parece sempre a mesma história, só muda as situações. E capaz, ninguém merece personagem mimizenta. É um livro com uma capa bonita, entretanto a história não me chama nenhum pouco a atenção.

    Parabéns pela sinceridade na resenha. Beijos,

    ResponderExcluir