19 abril 2016

[Fale♥07] Meu Livro


O Fale♥ de hoje é muito especial. Há um tempo comecei a escrever um livro baseado em alguns fatos do passado da minha mãe dando inicio a dez capítulos. Sempre estava mostrando o resultado para meu amigo Éverton - colaborador do blog -, mas aconteceu que era meu último ano da faculdade e tinha minha monografia para entregar, não tive outra alternativa a não ser parar, mas a estória sempre ficou martelando na minha cabeça. Tenho ela toda desenvolvida na minha imaginação só falta passar pro papel. Decidi que 2016 será o ano que terminarei a minha estória e trago hoje o prologo para vocês conferirem. 



 - - - - - - - - - - - - - - -  Prólogo - - - - - - - - - - - - - - - 


Desde pequena ouço histórias do passado da minha mãe, de como a vida é boa com aqueles que se abrem para receber o que há de melhor. Sempre fiquei fascinada com tantas aventuras e conquistas mas tem uma que nunca me saiu da cabeça.

Aos quinze anos minha ela fugiu de casa para morar no circo, lá aprendeu a andar na corda bamba e lindas performances em tecido acrobático, foi um momento muito feliz onde conheceu pessoas que até hoje fazem parte da sua vida, mas certa pessoa, ou melhor, certo rapaz, nunca foi esquecido. Ela estava com 19 anos quando conheceu o Marcus. No tempo que o espetáculo ficou em uma cidade do litoral paulista ele compareceu a quase todas apresentações, visitante assíduo. Nas palavras da minha mãe era dono de uma beleza sem igual, alto de cabelos levemente enrolados e olhos tão azuis quanto um céu limpo de verão. Sentiu atração desde o primeiro momento.

No começo duvida que ele estivesse interessado mas seu coração dizia o contrario. Ele nunca se aproximava e o medo a impedia de ir a diante. E senão fosse nada do que ela estivesse imaginando? E se ele fosse apenas um fã de apresentações de circo? Não importava qual fosse à pergunta o resultado sempre era o mesmo, até que na última semana de apresentações Marcus se aproximou. Tímida do jeito que só minha mãe sabe ser, ele ficou ainda mais encantado. Ela conta que foi amor à primeira vista, como se mil fogos de artifícios explodissem dentro de si. Passaram cada segundo restante como se fosse o último, mas a inevitável partida chegou e com muito pesar no coração ela teve que se despedir e ir para uma nova cidade. 

Dois meses se passaram e ela ainda se lembrava com muita ternura. Resolveu focar mais no seu trabalho buscando uma forma de ocupar sua mente até que Marcus não habitasse mais nela. Um dia porém, quando estava voltando de uma de suas apresentações entrou no seu trailer e viu que a mesa estava toda iluminada com velas formando um coração e no centro havia um envelope vermelho. Era do Marcus. Ela tem guardada até hoje as lindas palavras de amor.

“Julie, nunca mais fui o mesmo desde o momento que te vi pela primeira vez. Assiste a mais apresentações do que qualquer pessoa que conheço e cada uma valeu a pena pois aguardava o dia inteiro pelo momento de te ver. Quando tomei coragem de me aproximar já era tarde. Não quero desistir, nunca senti nada parecido por nenhuma mulher, quero tê-la em meus braços, olhar nos seus olhos e dizer tudo que está preso no meu peito. Venha ao meu encontro no Restaurante Ema em frente à praia, senão aparecer não voltarei a te procurar mas, se seus sentimentos forem o mesmo que o meu, peço que me faça o homem mais feliz da face da terra.

Para sempre seu, Marcus”

Ela mal acreditava que isso estivesse acontecendo. Demorou em raciocinar e perceber que precisava se mexer ou ia perder seu grande amor. Colocou seu melhor vestido, arrumou seus lindos cabelos loiros, passou uma maquiagem leve quase natural e foi ao seu encontro. Mamãe era linda. Temos muitas fotas guardadas dessa época mostrando uma jovem com o corpo magro mas cheio de curvas com cabelos até a metade da costa todo ondulado. O que sempre me chamou atenção nessas fotos é o olhar que carrega, tão alegre que qualquer pessoa que está próxima se contagia e ao mesmo tempo de uma pureza  e sinceridade inegável. Não vejo mais esse olhar, não sei nem se algum dia já vi pessoalmente.

Eles se reencontraram e assim que seus olhos se ligaram ela teve a certeza de que tudo ficaria bem. Quando se deu por si já estava em seus braços e seus lábios calados como se fossem um. O restaurante era lindo, Marcus reservou uma mesa em frente ao mar que era completado com um céu estrelado, tudo estava perfeito. Conversaram sobre tudo e sobre nada. Ele contou a angústia que passou por estar longe e o medo de que nunca a encontrasse novamente, até que sua irmã o aconselhou a correr atrás do seu amor pois tinha certeza que foram feitos um para o outro. Mesmo sendo o primeiro encontro deles não teve aquele constrangimento inicial. ambos estavam a vontades e felizes.

Como pressentiu tudo realmente ficou bem. Não importava a cidade em que ela estivesse, todo fim de semana eles estavam juntos novamente. Quando não tinha apresentações mamãe ia ao se encontro. Ficaram nesse vai e vem durante seis meses, até que Marcus propôs casamento e apaixonada como estava não pensou duas vezes e aceitou. Parecia tão certo, como se estivesse escrito que eles deveriam ficar juntos.

Pela distancia ainda não tinha conhecido a família do noivo. Isso é loucura. Eles estavam noivos e ela nem conhecia a família dele, indaguei isso e a única resposta que obtive foi: “O amor faz você fazer coisas malucas, mas dentro de nós não existe certeza maior do que a que temos de ficar com a pessoa que amamos, não importando as circunstancia.” Naquele momento mesmo tendo dez anos de idade torci para encontrar alguém que fizesse meu mundo sair dos eixos assim.

Quando foi os conhecer ficou surpresa em perceber que eles tinham muito dinheiro. Moravam em uma casa de dois pavimentos de arquitetura contemporânea com um lindo jardim recebendo os visitantes de braços  abertos. Isso poderia intimidar qualquer pessoa mas não á ela. Mesmo com toda sua delicadeza mamãe sempre foi firme. Eles foram muito bem recebidos e logo viu que eram uma família unida. Suas duas irmãs, Cíntia de 17 anos e Carla de 20, fizeram de tudo para que se sentisse em casa. Sua mãe dona Tereza foi muito atenciosa juntamente com seu marido, que a primeira vista era um senhor carrancudo de poucos sorrisos. Mais tarde Marcus disse que não era pessoal, ela já não tinha tanta certeza, sentia que ele não a desejava como sua futura nora.

Tudo estava indo muito bem mesmo mesmo a família recebendo com receio a noticia que iriam se casar, porém felizes pelo filho ter encontrado o amor de sua vida. Suas cunhadas já estavam fazendo mil planos e assim que completassem um ano juntos eles se casariam. A surpresa mesmo veio depois do jantar, Marcus não aguentaria ficar mais seis meses longe, então ele entregou uma pasta onde constava a escritura de um apartamento em nome dos dois. Emocionada faltaram palavras, mas ele encontrou a resposta que precisava no beijo apaixonado que recebeu.

Mamãe largou a companhia de circo para viverem juntos. Nesses seis meses que antecederam ao casamento o que não faltou foi planejamento. Ela não queria nada majestoso mas sua sogra fazia questão que o filho recebesse o melhor. Acabou pouco opinou mas não se importava, tudo que queria era ficar com ele. Faltando duas semanas para o casamento Marcus quis visitar a fazenda dos seus avós onde passou a infância em uma cidadezinha pequena do interior de São Paulo, era um lugarzinho aconchegante sem nenhum conforto, somente o necessário para viver. Seus avós não moravam mais lá mas mantiveram o local para se lembrarem das raízes humildes.

Ficaram o fim de semana todo sozinhos curtindo um ao outro longe de toda a confusão que a família estava causando. Foram horas imaginando como seriam o resto dos anos juntos e muitas risadas por coisas bobas, um fim de semana inesquecível. A noite partiram pois o fluxo de carros ao dia era intenso. Mamãe estava estava cansada e fechando os olhos guardou aquele fim de semana em sua memória que até então tinha se tornado o mais feliz da sua vida. Essa foi à última coisa que ela se lembra, pois depois acordou no hospital.

Assim que abriu os olhos viu sua amiga Márcia. Ela entrou em desespero querendo saber onde estava seu amado e se ele estava bem. Márcia disse que estava em outro quarto mas ela precisava descansar pois sofreu vários danos no acidente. Ela não conseguiu se acalmar, mas como poderia sem antes vê-lo? Foi preciso os médicos a sedarem e salva-la do seu desespero. Mamãe acordou dois dias depois, dessa vez Márcia não pode esconder. Na volta da fazenda um motorista embriagado bateu no carro deles deixando-a em coma por um mês. O acidente foi muito grave e Marcus não aguentou  morrendo na hora. O enterro foi dois dias depois onde família estava arrasada e logo depois o Sr. Antônio os levou para fora do Brasil para se recuperarem da tragédia. 

Minha mãe fala que naquele momento uma parte dela morreu junto, nem ao menos pode se despedir e isso acabou com ela. Nunca mais conseguiu amar alguém da mesma forma. Depois de sete anos ela conheceu meu pai e se casaram mas sempre a lembrança do Marcus ficou em seu coração. Mesmo sendo uma boa esposa o casamento não foi o feliz para sempre que ela merecia, depois de dez anos casados em meio a tantas brigas eles se separaram. Hoje minha mãe esta com 48 anos e nunca mais quis ficar com ninguém, continua uma mulher linda e vaidosa com os cabelos mais curto e lisos. Ninguém diz que ela tem essa idade, tenho orgulho dela e quero que seja feliz. Mesmo dizendo que está bem sozinha e sua cota de amores já acabou, eu sei que a razão é ele pois nunca se recuperou totalmente do que aconteceu e jamais vai amar outro homem como o amou.

Até essa manhã.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Espero que tenham gostado.

Gostaria muito que dessem opiniões sinceras para o madurecimento da estória. Tenho dez capítulos escritos até o momento. Não tenho pretensão de publicá-lo pois estou fazendo essa estória principalmente pela minha mãe mesclando ficção e realidade, é mais uma conquista pessoal mesmo, mas quem sabe num futuro as coisas mudem.

19 comentários:

  1. Oi Stefani, eu adorei esse prólogo e espero que você consiga terminar seu livro, afinal de contas, quando há uma história em nossas cabeças é sinal de que deve ser compartilhada com outras pessoas, e no seu caso, é ainda mais sincero ao se tratar de algo baseado nas experiências de sua mãe. Com certeza é uma enorme conquista pessoal, mas se tiver a oportunidade, seria legal publicar sim. Sucesso na sua trajetória e continue compartilhando aqui com seus leitores por favor, é uma honra conhecer seu texto.
    Beijos, Fer ♥

    ResponderExcluir
  2. Oi Stefani!
    Confesso que comecei a ler meio desacreditada. Tem muita gente que escreve hoje em dia por querer dinheiro fácil. Mas você não. Vejo sentimento no seu texto, principalmente por você dizer que é para sua mãe, independentemente de publicações.
    De coração, parabéns. E que aventura sua mãe deve ter vivido? Quero muito conhecer essa história.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
  3. Oie, nossa, amei a ideia da história e que triste sua mãe ter passado por tudo isso. Adoraria saber o que de ficção e o que de realidade temos por aí. É sempre maravilhoso poder visitar o passado daqueles que nos deram a vida e conhecer um pouquinho de nós mesmos nesse processo. Acho que a história está boa e você com certeza deveria continua-la e quem sabe um dia publicar. Sua mãe já sabe? deve ser um presente imenso para ela, né ver você colocando isso no papel.

    ResponderExcluir
  4. Nossa Stéfani, continua sim!

    Esse prologo já super me comoveu. E fiquei até curiosa para saber até que ponto é realidade e ficção.
    Essa é uma linda homenagem que você fará a sua mãe, pois pode ter certeza que muitos poucos filhos tem uma chance de conhecer a história dos seus pais dessa maneire.

    Bjs e boa sorte,
    Garotas de Papel

    ResponderExcluir
  5. Oi, flor.

    Quero te parabenizar pelo lindo começo. Você escreve muito bem os sentimentos que sua mãe sentiu, além de mostrar as características tanto dela quanto de Marcus. Gostei bastante do prólogo e quero mais dessa história. Espero que você consiga terminar essa linda história.

    Beijos!
    www.anebee.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá, achei o prólogo bem interessante sim e acho que deve vir uma boa história por aí. Misturar realidade com ficção é algo muito bom. dedique-se ao livro, mesmo que não consiga escrever todos os dias, escreva sempre que possível. Eu tenho um livro policial publicado, uma fantasia em processo de publicação e alguns projetos que pretendo terminar esse ano também. Te digo que terminar um livro é uma sensação maravilhosa e vale a pena as noites mal dormidas ou as coisas que precisou deixar de fazer, mas jamais deixe os estudos de lado ou a família. Fiquei feliz ao saber sobre esse seu lado escritora e espero ver seu livro pronto, torço para que você leve até o final e que pense em publicá-lo. Sabia que o livro A Cabana foi escrito apenas para ser um presente de Natal do autor para os filhos? ele não ia publicar, imprimiu apenas uma pequena quantidade e deu para a família. Mas um emprestou para o outro e quando viu o livro a história havia tomado proporções gigantescas.

    ResponderExcluir
  7. Stefani, totalmente apaixonada!!! Imaginei as horas de conversa que você e sua mãe devem ter tido e o tempo em que você deve ter investido projetando esta história. Amei o prólogo e estou com vontade de ler tudo!!!
    MEU AMOR PELOS LIVROS Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi linda,

    Não sei nem o que dizer. Terminei de ler um livro agorinha que estraçalhou meu coração e esse seu prólogo simplesmente me fez desabar em lágrimas.
    A vida é cruel. Nunca permite que pensemos muito, porque nada é eterno. Os sentimentos são, mas nós? Apenas uma existência breve que em muito breve vai virar apenas pó e a perda de alguém que amamos muito é como se a vida desse um soco em nós para que fiquemos atentos a finitude das coisas.

    Já estou ansiosa para os demais capítulos e estou quase lhe pedindo para enviar para meu email os dez capítulos.

    Beijos e não mude nada porque a brutalidade e a simplicidade do prólogo já antecipam uma história verídica e emocionante.

    Beijos,
    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2016/04/resenha-simplesmente-irresistivel.html

    ResponderExcluir
  9. Olá Stéfani,
    Nossa, esse prólogo me deixou bastante triste.
    Sua mãe viveu um amor lindo que, pelo que notei, fez tudo valer a pena!
    Acho que você escreveu muito bem e que deve continuar sim, pois fiquei bem curiosa sobre maiores acontecimentos. Parece que foi uma história de cinema.
    Parabéns pelo escrito!
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  10. Oie!
    Primeiro, parabéns por essa iniciativa! Eu imagino o quanto é dificil escrever uma história que vai mesclar ficção com a realidade, ainda mais de uma pessoa tão próxima a você. Estou gostando do que apresentou nesse prólogo, e a escrita está bem fluida. Espero que dê tudo certo nessa etapa!
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  11. OI. Agora fiquei em dúvida se tudo o que aconteceu é verdade ou é ficção, porque se for realidade você tem uma história perfeita nas mãos. Só percebi alguns errinhos no texto, mas nada demais. Você deve desenvolver mesmo o seu dom e treiná-lo muito porque isso tem que ir para o papel, com certeza!

    Beijos,

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.amigasemulheres.com

    ResponderExcluir
  12. A história de amor que a sua mãe teve é daquelas que só se tem uma vez na vida. Uma pena que ela tenha terminado dessa maneira, talvez por isso, ela ainda carregue ele no coração. Foi uma história pouco vivida. Sobre a estrutura da história, eu não sei se poderia opinar sendo que nada sei e nem poderia escrever assim como você. Acho que a única coisa que senti falta foi de saber mais sobre a narradora (o que você pode ter feito nos próximos capitulos, não sei) e gosto também de livros que começam com prólogos que descrevem mais o ambiente em que se passa a cena. Enfim, isso é mais questão de gosto viu. Acho que a sua história está muito boa do jeito que ela é. :)

    Beijos
    Vento Literário / No Facebook / No Twitter

    ResponderExcluir
  13. Oi, tudo bem?
    Olha, sinceramente falando, sua história está ficando linda. De arrepiar.
    Por favor, não pare de escrever. Desejo muito saber como continuar essa fantástica história.

    Parabéns pelo trabalho.
    Grande abraço.
    Ingrid Cristina
    plataformatresquartos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Oiee Stéfani ^^
    Que legal, não sabia que você escrevia! A história está linda, de verdade. Me deu um aperto no coração quando cheguei na parte do acidente, e eu realmente quis chorar depois disso. Não consigo imaginar como deve ser perder o amor de sua vida, e espero nunca precisar passar por isso. O texto está muito bom, daria um livro incrível, e eu, com certeza, iria lê-lo ♥
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Já adorei o prólogo e todo o clima dessa história nascendo, a história é bem linda e já jogando uma parte nem tão feliz já de cara, #choquei! Fiquei bem curiosa em quais rumos e história terá e espero que ou mantenha ou melhore a lindeza que está!

    http://deiumjeito.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Uau, essa história promete, hein! Adorei o seu prólogo. Espero que você continue escrevendo e postando por aqui, pois já fiquei muito curiosa para ler mais dessa narrativa, que parece ter um lado triste, mas ser muito profunda e intensa. Parabéns pelo belo texto!

    Tatiana

    ResponderExcluir
  17. Oi Flor
    Que legal escrever uma história baseada nas vivências da sua mãe.
    Com certeza acho que dará um belo livro e incentivo demais que continue.
    Quero ver esses dez capítulos de transformarem em muitos.
    Boa sorte.
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  18. Oi Steph,

    Olha amei o prologo do seu livro e curti muito a sua escrita. A premissa parece ser bem profunda e emocionante e esse prólogo ai meche com o psicológico da gente e nos deixa ansiando pelo que virá pela frente. Eu não mudaria nada.
    Te desejo boa sorte com a sua obra e te digo que não se reprima, pense a frente, não guarde essa história com você ela merece ser lida, publique sim, vale a pena sem dúvidas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Oi!
    Que linda homenagem para a sua mãe! Com certeza ela deve estar super orgulhosa de você, principalmente por você mesclar a história dela com ficção, deixando tudo mais emocionante.
    Continue escrevendo assim, com certeza terá uma linda história

    ResponderExcluir